Crônicas

Desculpe, mas é que...

sábado, 6 de abril de 2013 Texto de

O mé­di­co mar­cou o pro­ce­di­men­to pa­ra as 11h, no pró­prio con­sul­tó­rio, por ser uma in­ter­ven­ção mui­to sim­ples. Às 11h30 li­gou pa­ra o con­sul­tó­rio pe­din­do à as­sis­ten­te que se des­cul­pas­se co­mi­go, mas é que ter­mi­na­va uma al­ta pa­ra ou­tro pa­ci­en­te no hos­pi­tal e já es­ta­va a ca­mi­nho. Ao meio-dia a as­sis­ten­te me cha­mou pa­ra me pre­pa­rar pa­ra o pro­ce­di­men­to, o mé­di­co apa­re­ceu às 12h20 pa­ra dar um alô e só re­tor­nou às 13h, quan­do en­tão co­me­çou a pe­que­na ci­rur­gia, du­as ho­ras de­pois da ho­ra mar­ca­da.

A ami­ga com­bi­nou de pas­sar às 15h na es­qui­na da mi­nha ca­sa pa­ra ir­mos ao ci­ne­ma, mas só apa­re­ceu às 15h40. Pe­diu mui­tas des­cul­pas pe­lo atra­so, mas é que na úl­ti­ma ho­ra re­ce­beu uma li­ga­ção de pes­soa que não via há mui­to tem­po e achou cha­to pe­dir pa­ra adi­ar a con­ver­sa. Mas não achou cha­to me dei­xar 40 mi­nu­tos em pé, na cal­ça­da, sem me avi­sar o que se pas­sa­va. E o fil­me dan­çou.

A acu­pun­tu­ris­ta mar­cou a con­sul­ta pa­ra as 9h da ma­nhã, a pri­mei­ra do dia. Che­gou às 9h40, pe­diu des­cul­pas pe­lo atra­so, mas é que ti­nha adi­a­do a vol­ta de Cu­ri­ti­ba da vés­pe­ra pa­ra aque­le dia, e se atra­sou do ae­ro­por­to até o con­sul­tó­rio.

Atra­sos acon­te­cem e nin­guém po­de se ga­bar de nun­ca ter se atra­sa­do pa­ra um com­pro­mis­so ou ter dei­xa­do al­guém es­pe­ran­do, sem po­der dar no­tí­ci­as. Mas cer­tos atra­sos po­dem ser evi­ta­dos. Se uma con­sul­ta é mar­ca­da pa­ra uma de­ter­mi­na­da ho­ra, mui­tas ve­zes o cli­en­te tem que re­es­tru­tu­rar sua agen­da pa­ra po­der che­gar na ho­ra e não atra­sar as con­sul­tas de­pois de­le. Mas se re­gu­lar­men­te é aten­di­do uma ho­ra e meia ou du­as ho­ras de­pois, al­gu­ma coi­sa es­tá er­ra­da. Se­ja em con­sul­tó­rio ou em sa­lão de be­le­za, agen­da exis­te pra or­ga­ni­zar ho­rá­ri­os.

Nin­guém se atra­sa por­que gos­ta (pa­ra al­gu­mas pes­so­as, sim, es­tá no san­gue), mas quan­do se tor­na ha­bi­tu­al, dei­xa de ser um sim­ples atra­so pa­ra ser fal­ta de edu­ca­ção. Ou de res­pei­to. Ou de con­si­de­ra­ção. Se­ja o que for, é uma prá­ti­ca que in­sis­te em não sair de mo­da. Mas que já po­dia es­tar se apo­sen­tan­do pa­ra dar lu­gar a ou­tras: edu­ca­ção, res­pei­to, gen­ti­le­za e con­si­de­ra­ção. Sim­ples as­sim.

Compartilhe