Contos

Meu avô prendeu Hitler

quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2013 Texto de
Uma das últimas aparições de Hitler

Uma das úl­ti­mas apa­ri­ções de Hi­tler

Pa­ra Ta­ran­ti­no
e He­mingway

Con­tam mui­tas his­tó­ri­as so­bre a La­goa Se­ca. E tam­bém so­bre Hi­tler. Há quem não acre­di­te de jei­to ne­nhum nas ver­sões so­bre sua mor­te no mo­men­to em que ele viu que a va­ca ti­nha ido pa­ra o bre­jo. E há tam­bém quem não acre­di­te nu­ma la­goa se­ca.

Mas, afi­nal, a his­tó­ria do mun­do é cons­truí­da so­bre cren­ça e des­cren­ça. Aí é que es­tá o mis­té­rio de tu­do. A gra­ça da vi­da. Crer ou não crer, eis a ques­tão, co­mo es­cre­veu Sha­kes­pe­a­re, mas in­fe­liz­men­te, co­mo to­dos sa­bem, a pri­mei­ra im­pres­são de “Ham­let” foi fei­ta por um bê­ba­do que tro­cou al­gu­mas pa­la­vras e aí já era tar­de de­mais. Qua­se sem­pre é mais fá­cil mu­dar o ori­gi­nal do que as có­pi­as que es­vo­a­çam mun­do afo­ra.

Pou­co tem­po de­pois de a Ale­ma­nha cair, no meio do sé­cu­lo pas­sa­do, meu avô le­van­tou nu­ma ma­nhã co­mo qual­quer ou­tra e, co­mo sem­pre fa­zia, foi ao pai­ol bus­car al­gu­mas es­pi­gas de mi­lho pa­ra tra­tar seu ca­va­lo de es­ti­ma­ção. Ao abrir a por­ta do cer­ca­do de ma­dei­ra, de­pa­rou-se com uma ce­na in­só­li­ta.

Con­ta­va mi­nha avó que, da co­zi­nha, ela ou­viu sua ex­cla­ma­ção: “¡me ca­go en la pu­ta ma­dre!”. Meu avô era es­pa­nhol.

Di­zem - pois eu ain­da não ha­via si­do pro­du­zi­do pe­las gô­na­das do meu pai - que lá se en­con­tra­va ele, num can­to, co­mo se es­ti­ves­se en­cur­ra­la­do. “Yo no creo en bru­jas, pe­ro que las hay las hay”, te­ria di­to meu avô quan­do atrás de­le mi­nha avó che­ga­va com o pau de ma­car­rão, as­sus­ta­da que ha­via fi­ca­do com o as­som­bro do ma­ri­do.

“¡Vir­gem san­tís­si­ma!”, as­sus­tou-se ela tam­bém. “¿No es la des­gra­cia del mun­do?” Mi­nha avó não era es­pa­nho­la e não se im­por­ta­va em mis­tu­rar os idi­o­mas.

Al­guns sons inin­te­li­gí­veis pa­ra meus avós saí­ram da­que­le can­to, mas co­mo eles não en­ten­di­am ale­mão, a his­tó­ria não po­de re­gis­trar es­sa pas­sa­gem de­ta­lha­da­men­te.

Es­tu­pe­fa­tos, am­bos per­ma­ne­ce­ram em si­lên­cio por meio mi­nu­to.

“Me voy a bus­car la ca­ra­bi­na”, tro­ve­jou por fim o se­nhor Bartho­lo­meu. E re­al­men­te já ti­nha vi­ra­do as cos­tas e da­do dois pas­sos na di­re­ção da ca­sa, quan­do a do­na Sal­va­do­ra o se­gu­rou pe­lo bra­ço. “¡Tran­qui­lo, hom­bre!”, dis­se ela. “¿No es­tas vi­en­do que is­to no iras a lu­gar nin­gu­no, no iras a na­da?” E ela ti­nha ra­zão.

Se­gun­do o li­vro “Os grãos de Hi­tler” (Ed. Afon­so Pe­na), que o mes­mo bis­po que mu­dou o bis­pa­do de Ca­fe­lân­dia pa­ra Lins man­dou quei­mar, de au­to­ria do his­to­ri­a­dor S.L. Ben­to, há tes­te­mu­nhas ocu­la­res de um avião da en­tão der­ro­ta­da for­ça aé­rea ale­mã so­bre­vo­an­do a zo­na ru­ral de Ca­fe­lân­dia na tar­de ime­di­a­ta­men­te an­te­ri­or à ma­nhã que meu avô dis­se “me ca­go en la pu­ta ma­dre” no pai­ol.

Pro­va­vel­men­te – e es­ta é ape­nas uma su­po­si­ção em­pí­ri­ca, sem qual­quer va­lor his­tó­ri­co – “la des­gra­cia del mun­do” fo­ra jo­ga­da de pa­ra­que­das so­bre o sí­tio on­de meu avô e os fi­lhos de­le cul­ti­va­vam ca­fé, lo­ca­li­za­do no bair­ro La­goa Se­ca. Tam­bém pro­va­vel­men­te, de­pois de ava­li­ar quais se­ri­am as me­lho­res pos­si­bi­li­da­des, o pai­ol aca­bou sen­do um lu­gar ra­zoá­vel pa­ra ser­vir de es­con­de­ri­jo até que uma boa al­ma pu­des­se in­ter­vir. Ah! Ah! Ah!

Bem, após con­fa­bu­la­rem, meu avô e mi­nha avó de­ci­di­ram tran­cá-lo no pai­ol até que che­gas­sem a uma con­clu­são a res­pei­to do que fa­ri­am. En­tre­gá-lo à po­lí­cia lo­cal? Pen­du­rá-lo no mi­lha­ral pa­ra ser­vir de es­pan­ta­lho? Quei­mar o ca­fé e mon­tar um cir­co pa­ra apre­sen­tar o mons­tro ao vi­vo? Apro­vei­tá-lo pa­ra fa­zer sa­bão? En­tre­tan­to, en­quan­to as inú­me­ras hi­pó­te­ses eram ava­li­a­das, a na­tu­re­za se en­car­re­gou de tra­çar o des­ti­no dos en­vol­vi­dos no epi­só­dio. Sim, o des­ti­no não só de­le, mas de to­dos os en­vol­vi­dos. Por­que meus avós tam­bém aca­ba­ram, de­pois, ad­mi­tin­do um pa­ra o ou­tro que a me­lhor so­lu­ção foi re­al­men­te a que eles não pre­ci­sa­ram pen­sar.

E che­gou a ma­nhã se­guin­te.

“¡Me ca­go em la le­che!”, ex­cla­mou meu avô, que à fren­te da mi­nha avó en­trou no pai­ol tão lo­go a cla­ri­da­de dos pri­mei­ros rai­os so­la­res pe­ne­trou as frin­chas da rús­ti­ca cons­tru­ção. Atrás de­le, er­guen­do-se nas pon­tas dos pés pa­ra ob­ser­var por ci­ma dos om­bros do ma­ri­do, a do­na Sal­va­do­ra não acre­di­tou no que viu. “Yo tam­bién”, sus­sur­rou he­si­tan­te den­tro do ou­vi­do do meu avô.

A ce­na que am­bos tes­te­mu­nha­vam po­de­ria en­lou­que­cer al­guém que es­ti­ves­se so­zi­nho e, por­tan­to, não pu­des­se con­tar com a cum­pli­ci­da­de de um se­me­lhan­te.

Aqui é pre­ci­so dar um bre­que.

Ha­via na­que­la épo­ca gran­des ra­to­ei­ras que du­ran­te a noi­te eram le­va­das pa­ra pon­tos es­tra­té­gi­cos dos sí­ti­os e fa­zen­das com o ob­je­ti­vo de com­ba­ter a ine­vi­tá­vel ação no­tur­na dos ra­tos. Pa­ra quem mo­ra nas gran­des ci­da­des – ou mes­mo nas pe­que­nas, ho­je em dia tan­to faz – é bom aler­tar so­bre es­ta pa­la­vra: ra­to.

Os ra­tos da épo­ca tal­vez ro­las­sem de rir, co­çan­do a bar­ri­ga com as gar­ras, se pu­des­sem, por uma má­gi­ca do tem­po, ter vis­to seus des­cen­den­tes, po­bres ca­mun­don­gos que fo­gem de uma vas­sou­ra­da (cla­ro que aqui não me re­fi­ro às ra­ta­za­nas que vi­vem nos es­go­tos e nos ri­os po­dres dos gran­des cen­tros – cer­ta vez, vi uma que só o ra­bo me me­teu me­do).

En­fim, vol­tan­do aos ra­tos: um dos pon­tos es­tra­té­gi­cos fi­ca­va no pai­ol, on­de as es­pi­gas de mi­lho ser­vi­am co­mo um be­lo ban­que­te no­tur­no pa­ra a ra­tai­a­da to­da.

Eram ani­mais ta­lu­dos, co­mo se hou­ves­se pa­ra eles aca­de­mi­as, tô­ni­cos po­de­ro­sos, bom­bas, mou­se trai­ning etc. As enor­mes ra­to­ei­ras os pren­di­am du­ran­te a noi­te pa­ra que fos­sem mor­tos na ma­nhã se­guin­te. Não se tra­ta­va de ar­ma­di­lha sim­ples, da­que­las que um pe­que­no pe­da­ço de quei­jo atrai o ca­mun­don­gui­nho e so­bre o pes­co­ço raquí­ti­co de­le des­ce num ba­que o ara­me de­sar­ma­do por ele pró­prio ao pi­sar no fer­ro. Na­da dis­so.

Uma en­ge­nho­ca bes­ta des­sa não fun­ci­o­na­ria com “aque­les” ra­tos. Se­ria pre­ci­so uma vi­ga de fer­ro pa­ra ma­tá-los. En­tão, uti­li­za­va-se um cer­ca­do de ara­me. Meio quei­jo ou um quei­jo in­tei­ro aguar­da­va o mons­tro lá den­tro. E quan­do ele ul­tra­pas­sa­va o li­mi­ar da por­ti­nho­la, es­ta se fe­cha­va. Efi­ci­ên­cia to­tal, a não ser quan­do o ga­ro­tão es­ta­va aci­ma do pe­so e não ca­bia no vão. Nes­se ca­so, a por­ti­nho­la não fe­cha­va e per­mi­tia que ele re­tro­ce­des­se ile­so.

Fim do bre­que. Se­gue a ba­te­ria.

“¡No es po­si­ble!”, dis­se mi­nha avó com os olhos ar­re­ga­la­dos, agar­ran­do-se tan­to ao meu avô que qua­se se ex­ci­ta­ram den­tro do pai­ol.

O ca­so era es­te: pos­si­vel­men­te hor­ro­ri­za­do com seus com­pa­nhei­ros de quar­to e com to­da cer­te­za es­fo­me­a­do (por­que, no ca­lor das dis­cus­sões so­bre que al­ter­na­ti­va ado­tar e pre­o­cu­pa­dos em iso­lar o pai­ol da cu­ri­o­si­da­de dos fi­lhos, o se­nhor Bartho­lo­meu e a do­na Sal­va­do­ra sim­ples­men­te se es­que­ce­ram de le­var co­mi­da ao hós­pe­de), lo hi­jo de una gran pu­ta me­teu-se, ele mes­mo, den­tro de uma das ra­to­ei­ras. Den­tro de uma das ra­to­ei­ras!

Nar­ra o his­to­ri­a­dor S.L.Bento em seu li­vro pros­cri­to: “o que os si­ti­an­tes, me­ei­ros, co­lo­nos e de­mais mo­ra­do­res da zo­na ru­ral da La­goa Se­ca não com­pre­en­di­am era co­mo um ser hu­ma­no po­de­ria, mes­mo lan­çan­do mão de to­dos os ma­la­ba­ris­mos pos­sí­veis e mes­mo ten­do si­do a en­ge­nho­ca cons­truí­da pa­ra apa­nhar ra­tos des­co­mu­nais, co­mo um ser hu­ma­no po­de­ria aco­mo­dar-se em seu in­te­ri­or”.

No mes­mo ca­pí­tu­lo, en­tre­tan­to, o his­to­ri­a­dor faz alu­são a uma ex­pli­ca­ção ra­zo­a­vel­men­te sen­sa­ta pa­ra a cha­ra­da. “Di­zem que anos de­pois, quan­do per­gun­ta­da a res­pei­to do de­ta­lhe por cu­ri­o­sos, do­na Sal­va­do­ra er­guia as mãos pa­ra o al­to e, vi­si­vel­men­te con­tra­ri­a­da, pro­nun­ci­a­va em al­to e bom som: ‘¡Ai, Di­os mío! Co­mo si fu­e­ra hom­bre lo gu­sa­no’. “

No fim das con­tas, não ha­via me­lhor lu­gar pa­ra ele do que aque­le, con­cluí­ram meus avós. E lá o dei­xa­ram, até que um dia ama­nhe­ceu mor­to.

É im­por­tan­te di­zer que boa par­te dos his­to­ri­a­do­res ca­fe­lan­den­ses re­cu­sa-se a acei­tar o epi­só­dio co­mo ob­je­to de es­tu­do. Pa­ra eles, tu­do não pas­sa de su­po­si­ções, bo­a­tos e sen­sa­ci­o­na­lis­mo. Num dos in­for­ma­ti­vos da OPC (Or­dem dos Pes­qui­sa­do­res da Gran­de Ca­fe­lân­dia), há um tex­to pu­bli­ca­do há al­guns anos por um dos in­te­gran­tes da di­re­to­ria da en­ti­da­de, o tam­bém pes­qui­sa­dor A.M.Graneiro, co­le­ga de S.L.Bento, mas de ou­tra cor­ren­te de pen­sa­men­to.

Diz ele a cer­ta al­tu­ra do ar­ti­go: “Não se tra­ta de du­vi­dar da pa­la­vra ou da sa­ni­da­de da­que­les que to­ma­ram co­mo fa­to ve­rí­di­co um lap­so da his­tó­ria, co­mo tan­tos ou­tros. Mas é ne­ces­sá­rio aler­tar aos de­sa­vi­sa­dos que nos anos qua­ren­ta, por to­da a zo­na ru­ral do mu­ni­cí­pio, eram co­nhe­ci­das a fa­ma e as fa­ça­nhas da­que­le ani­mal ro­e­dor que, mes­mo ca­ça­do por le­giões de si­ti­an­tes e fa­zen­dei­ros, in­sis­tia em as­sal­tar paióis, tu­lhas e ce­lei­ros du­ran­te a noi­te, e que por sua in­crí­vel as­tú­cia foi ape­li­da­do de ‘Zor­ra­to’. Sa­be-se tam­bém que, tão lo­go a fi­gu­ra do di­ta­dor ale­mão tor­nou-se co­nhe­ci­da no Bra­sil, Zor­ra­to, por sua es­tra­nha fi­si­o­no­mia e seu fa­bu­lo­so bi­go­de, pas­sou a ser cha­ma­do de ‘Hi­tler­ra­to’. Por­tan­to, cau­te­la e can­ja de ga­li­nha não fa­zem mal a nin­guém, nem mes­mo aos ra­tos. Já a Hi­tler, não sei di­zer”.

Há re­al­men­te quem en­ten­da a pas­sa­gem his­tó­ri­ca des­se mo­do. E mui­to pro­va­vel­men­te a po­lê­mi­ca per­du­ra­rá até que não ha­ja mais ra­tos nem ho­mens no mun­do, em­bo­ra nes­se ca­so ain­da se­ja pos­sí­vel que al­gum no­vo Hi­tler e as ba­ra­tas fi­quem pa­ra con­ti­nu­ar ali­men­tan­do a dis­cus­são.

O que eu sei é que o êxo­do ru­ral e su­as con­sequên­ci­as co­la­bo­ra­ram pa­ra que a pas­sa­gem fos­se, aos pou­cos, es­que­ci­da ou des­vir­tu­a­da, trans­for­man­do-se às ve­zes em pi­a­das gro­tes­cas de ig­no­ran­tes pou­co afei­tos à pre­ser­va­ção da his­tó­ria.

Sei tam­bém que qua­se no fim da vi­da, meu avô es­ta­va na ci­da­de fa­zen­do com­pras num sá­ba­do e o do­no do ar­ma­zém per­gun­tou a ele: “Seu Bar­to­lo, eu acre­di­to no se­nhor, mas me di­ga uma coi­sa: on­de foi pa­rar o cor­po?”.

En­quan­to pe­dia pa­ra que o bal­co­nis­ta acres­cen­tas­se um sa­co de ar­roz à sua com­pra, meu avô ti­rou os ócu­los e dis­se em por­tu­guês: “Pa­ra que re­vi­rar­mos li­xo, meu ami­go? Sai­ba que de­pois que ho­mens e ra­tos mor­rem seus cor­pos não ser­vem mais pa­ra na­da, tan­to faz que se­jam ho­mens ri­cos ou ra­tos po­bres”. E, em es­pa­nhol, acres­cen­tou: “Hay que to­mar la mu­er­te co­mo si fu­e­ra as­pi­ri­na”.

Palavras-chave

Compartilhe