Contos

No meio-fio

sábado, 23 de fevereiro de 2013 Texto de

Du­ran­te to­do o tem­po em que per­ma­ne­ceu dei­ta­da, Fla­vi­nha não ti­rou os olhos da pe­que­na plan­ta, um pe­zi­nho raquí­ti­co que apa­ren­ta­va um res­to de can­tei­ro aban­do­na­do. O cau­le fi­no co­mo um pa­li­to de fós­fo­ro, três fo­lhas mur­chas vi­ra­das pa­ra o chão fei­to bo­cas tris­tes e, pa­ra­do­xal­men­te, a flor des­pon­tan­do fes­ti­va, co­mo se o ra­qui­tis­mo da­li pa­ra bai­xo não fos­se com ela.

Fla­vi­nha sen­tiu-se bem com a com­pa­nhia. Olhan­do pa­ra a plan­ta que de se­gun­dos em se­gun­dos os­ci­la­va ao sa­bor do ven­to, pa­ra sua per­sis­tên­cia e ca­pa­ci­da­de de so­bre­vi­ver à bei­ra da sar­je­ta, pró­xi­mo a um bu­ei­ro, de­bai­xo da po­lui­ção e es­ca­pan­do de pe­des­tres de­sa­ten­tos, olhan­do pa­ra aque­le ser des­pro­te­gi­do de to­das as for­mas e ain­da as­sim vi­vo, sen­tiu uma gran­de for­ça den­tro de si.

- Vo­cê es­tá bem? – per­gun­tou-lhe o pa­ra­mé­di­co.

- Pa­re­ce que não sin­to as per­nas.

E de fa­to não as sen­tia. So­freu uma gra­ve le­são ao ser atro­pe­la­da na fai­xa de pe­des­tres por um bê­ba­do que fu­giu. Pas­sou me­ses no hos­pi­tal e na fi­si­o­te­ra­pia, até que se re­cu­pe­rou e vol­tou a an­dar.

- Va­mos dar uma vol­ta de car­ro – pe­diu ao na­mo­ra­do, um es­tu­dan­te de en­ge­nha­ria com quem es­ta­va jun­to ha­via dois anos.

- On­de?

- Não in­te­res­sa, vai!

Fla­vi­nha no fun­do não sa­bia se o ama­va de ver­da­de, mas, ape­sar da­que­las mú­si­cas que ou­via, ele a tra­ta­va co­mo uma prin­ce­sa, era bom de ca­ma e seus pais o acei­ta­vam bem.

Fla­vi­nha tam­bém não sa­bia por que es­ta­va in­do pa­ra o lo­cal do aci­den­te, mas no ca­mi­nho, em si­lên­cio, gos­tou de se lem­brar da­que­la flor­zi­nha que nem o no­me ela sa­bia.

- En­cos­ta ali, tá? – dis­se ao en­ge­nhei­ro.

- Pra quê?

- Só en­cos­ta e ca­la a bo­ca, por fa­vor!

Quan­do che­ga­ram ao lo­cal, não viu qual­quer si­nal da plan­ta. Ha­vi­am pin­ta­do a fai­xa de pe­des­tres, si­na­li­za­do me­lhor o cru­za­men­to e o meio-fio es­ta­va bem lim­po. Até um ces­to de li­xo de me­tal fo­ra ins­ta­la­do ali, bem em ci­ma de um tre­cho da cal­ça­da on­de um vân­da­lo qual­quer jo­ga­ra fo­ra, pos­si­vel­men­te de um car­ro em mo­vi­men­to, uma la­ti­nha de cer­ve­ja.

Pro­cu­ran­do a pe­que­na flor, vas­cu­lhan­do sem su­ces­so os dois la­dos da fai­xa, co­mo se hou­ves­se a pos­si­bi­li­da­de de ter er­ra­do o lo­cal, Fla­vi­nha foi to­ma­da pe­la amar­ga. Um ar­dor lhe con­su­miu a bo­ca do estô­ma­go.

- Que foi?

- Na­da, bo­ba­gem...

Vol­ta­ram al­guns me­tros e en­tra­ram no car­ro no­va­men­te. Quan­do pas­sa­ram so­bre a fai­xa de pe­des­tres, Fla­vi­nha con­tem­plou o va­zio an­te­ri­or­men­te ocu­pa­do por sua raquí­ti­ca com­pa­nhei­ra da­que­le mo­men­to dra­má­ti­co de sua vi­da. Mas ago­ra a amar­gu­ra ha­via de­sa­pa­re­ci­do com­ple­ta­men­te. Por­que tal­vez – pen­sa­va com um sor­ri­so qua­se im­per­cep­tí­vel nos lá­bi­os – aque­la flor­zi­nha sem no­me te­nha nas­ci­do (e vi­vi­do!) ape­nas pa­ra mim.

Na ave­ni­da, Fla­vi­nha sen­tia-se tão le­ve que fe­chou os olhos e te­ve a im­pres­são de le­vi­tar, ta­ma­nha era a sen­sa­ção de bem es­tar. Mes­mo com a mú­si­ca idi­o­ta que o na­mo­ra­do acom­pa­nha­va dan­do so­qui­nhos no vo­lan­te.

Palavras-chave

Compartilhe