Crônicas

Nos tempos de home office

quarta-feira, 18 de julho de 2012 Texto de

Des­de que mon­ta­mos um gru­po de pres­ta­ção de ser­vi­ços na área de co­mu­ni­ca­ção, há me­nos de um ano, a mai­or par­te do meu tra­ba­lho é fei­ta em ca­sa. Es­sa, mais que uma ten­dên­cia, é a re­a­li­da­de que se alas­tra. Mas não é exa­ta­men­te do as­pec­to mer­ca­do­ló­gi­co que que­ro fa­lar. Que­ro fa­lar que sou bem qua­dra­do pa­ra es­se ti­po de coi­sa.

As trans­for­ma­ções da cha­ma­da vi­da mo­der­na nos pe­gam de cal­ças cur­tas, te­nho que ad­mi­tir. Mui­tas ve­zes acha­mos que te­mos com­ple­to do­mí­nio da si­tu­a­ção, mas de­pois des­co­bri­mos que não é bem as­sim. Não ter um co­le­ga ao la­do pa­ra fa­zer um co­men­tá­rio ba­nal ou pe­dir uma opi­nião pes­so­al­men­te, fi­car um bom tem­po sem ou­vir a pró­pria voz, de­se­jar di­zer pa­ra al­guém que es­tá com dor de ca­be­ça ou cha­mar o pes­so­al pa­ra uma cer­ve­ja no fim do ex­pe­di­en­te, a fal­ta dis­so tu­do in­co­mo­da. Mas não é só is­so, no meu ca­so.

Eu sem­pre fui um ca­ra da­que­le ti­po “cer­ti­nho”, que pro­cu­ra or­ga­ni­zar sua vi­da do me­lhor mo­do pos­sí­vel. E es­se com­por­ta­men­to mui­tas ve­zes es­tá li­ga­do a con­ven­ções. Sair de ca­sa e ir pa­ra al­gum lu­gar de­sem­pe­nhar sua ati­vi­da­de é uma de­las.

Uma coi­sa que sem­pre me in­co­mo­dou, du­ran­te to­da a mi­nha vi­da pro­fis­si­o­nal, foi ter que fal­tar ao tra­ba­lho por al­gum mo­ti­vo. Nun­ca me sen­ti bem nes­sas cir­cuns­tân­ci­as. Ti­ve cer­te­za dis­so ain­da na ado­les­cên­cia, quan­do cer­to dia in­ven­tei uma des­cul­pa qual­quer pa­ra não ir ao tra­ba­lho.

Foi um dos pi­o­res di­as da­que­la fa­se. O que se­ri­am ho­ras pa­ra re­la­xar e apro­vei­tar a “fol­ga” se trans­for­ma­ram em ter­rí­veis mi­nu­tos, cu­jo pe­so só co­me­çou a sair das mi­nhas cos­tas quan­do na ma­nhã se­guin­te eu es­ta­va tra­ba­lhan­do de no­vo.

Na es­co­la, acon­te­cia o mes­mo. Até ho­je te­nho so­nhos re­cor­ren­tes em que, de al­gum mo­do im­pe­di­do de ir à au­la, me ve­jo sob o de­ses­pe­ro. Acor­do co­mo se fos­se de um pe­sa­de­lo. Ain­da ho­je!

A ver­da­de é que não é fá­cil mu­dar. Fa­lo de no­vas tec­no­lo­gi­as, de no­vos tem­pos, de uma no­va re­a­li­da­de, mas no fun­do, co­mo diz aque­la le­tra do Bel­chi­or, “ain­da so­mos os mes­mos e vi­ve­mos co­mo os nos­sos pais”. Ao me­nos em par­te. Ao me­nos eu.

Compartilhe