Co­nhe­ci um me­ni­no, que de­pois se tor­nou adul­to, com gra­ves de­fi­ci­ên­ci­as men­tais. Sua vi­da de­ve ter du­ra­do per­to de 40 anos. A mãe e a avó cui­da­vam de­le com um ca­ri­nho im­pres­si­o­nan­te. Ele os­ci­la­va en­tre bons e maus mo­men­tos. Em es­ta­do tur­bu­len­to, che­ga­va a agre­dir a mãe. Era um ter­rí­vel dra­ma.

No ca­mi­nho pa­ra a es­co­la, eu via cri­an­ças su­bi­rem ao mu­ro do quin­tal da ca­sa de­le pa­ra ati­çá-lo. Xin­ga­vam-no, ator­men­ta­vam-no. Re­ce­bi­am pe­dras de vol­ta. E um som de­ses­pe­ra­do que saía de sua bo­ca. Nou­tras ho­ras, era ele quem re­sol­via fa­zer das su­as. Por exem­plo, ti­ra­va o cal­ção pa­ra mos­trar seu se­xo às me­ni­nas.

Mas ape­sar de tu­do, pa­re­ce-me que tan­to ele quan­to os mais pró­xi­mos con­se­gui­am ex­trair de sua tra­gé­dia fa­mi­li­ar mo­men­tos de pro­fun­da emo­ção. Tal­vez até ins­tan­tes de fe­li­ci­da­des fu­ga­zes du­ran­te aque­la mis­são ex­tra­or­di­ná­ria que era en­fren­tar um de­sa­fio as­sus­ta­dor. Acho que a mãe, pe­lo que co­nhe­ce­mos de­la, nun­ca o amou me­nos em ra­zão de sua con­di­ção.

A dis­cus­são so­bre a des­cri­mi­na­li­za­ção do abor­to em ca­sos de be­bês anen­cé­fa­los me fez lem­brar des­se ga­ro­to, que de­pois vi­rou ho­mem e nun­ca dei­xou de ser o que sem­pre foi: uma cri­an­ça ne­ces­si­ta­da de cui­da­dos inin­ter­rup­ta­men­te.

En­tre­tan­to, não é di­fí­cil dis­tin­guir uma si­tu­a­ção da ou­tra. O me­ni­no da mi­nha in­fân­cia ti­nha gra­ves de­fi­ci­ên­ci­as men­tais. Um be­bê sem cé­re­bro es­ta­rá sem­pre em ou­tro mun­do, que des­co­nhe­ce­mos, do qual não fa­ze­mos par­te. É uma po­lê­mi­ca sem fim, in­de­pen­den­te­men­te do que de­ter­mi­nar a Jus­ti­ça.

Vi ou­tro dia o ar­ce­bis­po de São Pau­lo no Ro­da Vi­va. Ele diz que a Igre­ja te­me a des­cri­mi­na­li­za­ção por­que a de­ci­são po­de­ria in­cen­ti­var que ou­tras de­fi­ci­ên­ci­as tam­bém fos­sem, com o tem­po, in­cluí­das na lis­ta. Ele e a Igre­ja não dei­xam de ter sua ra­zão quan­to a es­se as­pec­to. Re­al­men­te, ve­mos ca­da coi­sa na nos­sa cha­ma­da so­ci­e­da­de mo­der­na...

Po­rém, não acho que is­so se­ja uma de­ci­são que cai­ba à Igre­ja. Ou a qual­quer ou­tra ins­ti­tui­ção. Pra mim, a res­pon­sa­bi­li­da­de de­ve­ria fi­car nas mãos de ca­da uma das fa­mí­li­as en­vol­vi­das em ca­sos co­mo es­se, ten­do a mãe a pa­la­vra fi­nal. Po­dem até di­zer que ha­ve­rá mães cu­ja ca­pa­ci­da­de pa­ra es­sa de­ci­são não se­rá ade­qua­da. Mas o que é ade­qua­do, o que é cer­to nes­ta vi­da?

Ho­je, mi­nha opi­nião é es­ta: não ve­jo um pa­dre ou um ra­bi­no ou um pas­tor ou um mi­nis­tro de qual­quer tri­bu­nal com ca­pa­ci­da­de pa­ra jul­gar es­se ti­po de si­tu­a­ção. Ape­nas a mãe a tem. Ape­nas quem re­al­men­te tem a ca­pa­ci­da­de de car­re­gar ou­tra vi­da den­tro de si.

Compartilhe