Contos

No bar, à meia luz

terça-feira, 10 de Abril de 2012 Texto de

Sa­be es­ses ca­ras que ado­ram se ga­bar em su­pos­tas aven­tu­ras se­xu­ais? Meu ami­go X é um des­ses. On­tem, co­meu a gos­to­sa da vi­zi­nha. An­te­on­tem, a pri­ma. Ama­nhã vai sair com a ir­mã da cu­nha­da. E por aí vai. É até di­ver­ti­do. Por­que ele sem­pre exa­ge­ra, tor­nan­do tu­do sus­pei­to. Mas não é que ou­tro dia ele, ao me­nos uma vez, pa­re­ceu ter si­do sin­ce­ro? Es­tá­va­mos num ca­fé dis­cu­tin­do ne­gó­ci­os e, mos­tran­do-se per­tur­ba­do, ele in­ter­rom­peu o pa­po pa­ra me con­tar o pe­que­no dra­ma. Des­sa vez, deu pa­ra acre­di­tar.

Es­ta­va o X um dia des­ses num bar­zi­nho do Bi­xi­ga. Ele e, cla­ro, uma mo­ça. Que co­nhe­ce­ra ha­via pou­cos di­as, mas que – pas­mem! – ain­da não per­mi­ti­ra os fi­nal­men­tes. X não su­por­ta­va mais aque­la pe­que­na se­ca. “Eu só pen­sa­va ne­la e ela na­da.” Che­ga­ra pa­ra o en­con­tro com um ves­ti­di­nho cur­to e um sa­pa­to de sal­to al­to que lhe em­pi­na­va des­gra­ça­da­men­te as an­cas. Con­ver­sa vai, con­ver­sa vem, be­bi­da vem, be­bi­da vem de no­vo, a cer­ta al­tu­ra ela pa­re­ceu “fle­xi­bi­li­zar” a re­la­ção.

Num can­ti­nho à meia luz, os bei­jos se tor­na­ram tór­ri­dos, as mãos se­gui­ram o cur­so que sem­pre se­guem nes­sas ho­ras. Per­nas se en­tre­la­ça­ram, a coi­sa es­quen­tou pra va­ler. “Mas ti­nha mui­ta gen­te, X?” Sim, o bar es­ta­va lo­ta­do e is­so, na ver­da­de, aju­da­va-o nos mo­vi­men­tos sor­ra­tei­ros. Mas eis que, e não se sa­be o mo­ti­vo, X pas­sou a se sen­tir atraí­do por uma con­ver­sa na me­sa vi­zi­nha. Bem no meio do lan­ce to­do.

Dois su­jei­tos de cer­ta ida­de ou­vi­am um ter­cei­ro de ida­de mai­or ain­da. O ve­lhi­nho, de cha­péu em ple­na noi­te pau­lis­ta­na, en­con­tra­va-se bem pró­xi­mo a X. Tal­vez por is­so fos­se ine­vi­tá­vel ou­vi-lo. E en­quan­to co­chi­cha­va in­de­cên­ci­as no ou­vi­do da ga­ro­ta, en­quan­to apal­pa­va su­as co­xas bem tor­ne­a­das, en­quan­to sen­tia seu se­xo la­te­jar sob as mãos atre­vi­das de sua de­li­ci­o­sa com­pa­nhia, X ou­viu o ve­lhi­nho.

Sim, era ver­da­de, as­se­gu­ra­va aos com­pa­nhei­ros de me­sa. Na pa­re­de da ser­ra, no meio da ve­ge­ta­ção car­co­mi­da pe­lo ve­rão in­can­des­cen­te, é que se de­ra o ca­so, lá pe­lo nor­te da Bahia, en­tre Mon­te San­to e Ca­nu­dos. Pro­cu­ra­va o ani­mal já fa­zia di­as. Era de mon­ta, in­dis­pen­sá­vel ao dia a dia no ser­tão, à fa­mí­lia po­bre, à sua gen­te pre­ci­sa­da.

“Eu já nem sa­bia di­rei­to se era quin­ta ou se era sex­ta. Só lem­bra­va que ti­nha saí­do de ca­sa no do­min­go à tar­de­zi­nha.” O ve­lhi­nho con­ta­va sua his­tó­ria com voz que­bra­di­ça, sus­pen­den­do a nar­ra­ti­va de ins­tan­tes em ins­tan­tes pa­ra to­mar fô­le­go ou dar um pe­que­no tra­go. No fim das con­tas, en­con­tra­ra o ca­va­lo aver­me­lha­do. Po­si­ci­o­na­do no cu­me da ser­ra, vas­cu­lha­ra to­da a en­cos­ta com olhar es­pre­mi­do con­tra a pai­sa­gem tre­me­lu­zen­te. Sim, era ele mes­mo. O Ca­ram­bo­la es­ta­va lá. Mas co­mo po­dia ser?

X, en­quan­to is­so, re­tro­ce­de­ra em sua em­prei­ta­da. In­vo­lun­ta­ri­a­men­te sus­pen­de­ra o ata­que. Ago­ra ele era ape­nas o al­vo. Ago­ra ela é quem avan­ça­va na aven­tu­ra pú­bli­ca. Abri­ra-lhe o zí­per da cal­ça! “Es­ta­va pen­du­ra­do nu­ma ga­lha­da, a cri­na ba­lan­çan­do, o ra­bo pra lá e pra cá, co­mo se na­da ti­ves­se acon­te­ci­do com aque­le tom­bo me­do­nho que o coi­ta­do le­vou”, ad­mi­rou-se o ve­lhi­nho an­tes de be­ber mais um pou­co. “Mas vi­vo?”, per­gun­tou um dos ou­vin­tes. “O que acon­te­ceu?”, a ga­ro­ta sus­sur­rou a X. “Mor­ti­nho da sil­va”, res­pon­deu o ve­lhi­nho. “Mor­ti­nho!”, re­pe­tiu X. A ga­ro­ta re­traiu-se, ti­ran­do a mão de lá num re­pen­te.

O cli­ma se­ria, se­gun­do o ve­lhi­nho, o res­pon­sá­vel pe­lo fenô­me­no. “Hein, o que acon­te­ceu?”, in­sis­tiu a mo­ça. O ca­va­lo, in­tac­to, pa­re­cia vi­vo. Um ca­va­lo vo­an­do no pa­re­dão da ser­ra. “Que ca­ra mais lou­co.” Só de­pois, ao che­gar mais per­to, é que o do­no cer­ti­fi­cou-se do pas­sa­men­to. O bi­cho mor­re­ra de ver­da­de, mas apa­ren­ta­va mes­mo es­tar vi­vo. Vi­vís­si­mo. Gen­te mais hu­mil­de fa­lou em mi­la­gre. For­mou-se até ro­ma­ria. E o Ca­ram­bo­la ain­da vo­ou por bons me­ses an­tes de co­me­çar a se de­sin­te­grar, an­tes que se trans­for­mas­se nu­ma os­sa­da que aos pou­cos foi cain­do dos ga­lhos.

Sem per­ce­ber, X fi­ta­va o ve­lhi­nho in­ces­san­te­men­te. Quan­do se vi­rou, es­ta­va so­zi­nho. Viu a ga­ro­ta, so­bre os sal­tos, atra­ves­san­do a rua. X en­con­tra­va-se ine­bri­a­do pe­lo ca­va­lo vo­a­dor no ser­tão bai­a­no. Só res­ta­va-lhe ago­ra fe­char o zí­per e par­tir pa­ra ou­tra.

“Mar­cião do céu, por cau­sa de um ca­va­lo mor­to e um bur­ro ve­lho, per­di uma po­tra no cio... ah!ah!ah!”

Pois é. His­tó­ria de bes­ta.

Palavras-chave

Compartilhe