Crônicas

Café com ética

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012 Texto de

“Que im­por­tân­cia tem a éti­ca pra vo­cê?”, per­gun­ta o en­tre­vis­ta­dor.

“Hmmm...”

Acho que a can­di­da­ta ao em­pre­go não com­pre­en­deu. Na mi­nha me­sa, in­ter­rom­po o ca­fé por um ins­tan­te. Ao per­ce­ber al­guém em apu­ros co­mo es­se, nun­ca con­si­go per­ma­ne­cer alheio, dei­xar pra lá.

“Não pre­ci­sa ser na em­pre­sa, a éti­ca de for­ma ge­ral”, con­ti­nua o en­tre­vis­ta­dor.

Mas a can­di­da­ta ao em­pre­go tra­vou.

Pe­go a co­lhe­ri­nha e me­xo o ca­fé. Não vou con­se­guir to­má-lo en­quan­to es­sa en­cren­ca não se de­sen­ro­lar. Es­pe­ro por uma pes­soa. Che­go a es­pi­ca­çá-la men­tal­men­te por não es­tar ali. Se hou­ves­se com quem con­ver­sar, tal­vez eu não ti­ves­se pres­ta­do aten­ção ao as­sun­to que não é da mi­nha con­ta.

“Éti­ca é uma coi­sa im­por­tan­te, né? Mui­tas ve­zes al­guém sem éti­ca in­co­mo­da os co­le­gas”, in­sis­te o pro­fis­si­o­nal es­ca­la­do pa­ra ava­li­ar a mo­ça.

“É ver­da­de, is­so é ver­da­de”, ar­ris­ca ela.

He­si­to, mas as­sim mes­mo le­vo a xí­ca­ra à bo­ca. A be­bi­da ain­da es­tá quen­te. Con­tu­do a coi­sa na me­sa ao la­do se­gue ne­bu­lo­sa. Dou um cur­to go­le. O incô­mo­do per­sis­te. Von­ta­de de pas­sar uma co­la a ela...

“Mas sua opi­nião não pre­ci­sa ser só so­bre a éti­ca den­tro da em­pre­sa, po­de ser em qual­quer lu­gar.”

“Hmmm...”

“Vo­cê sa­be o que é éti­ca, né? Éti­ca mes­mo! To­do mun­do pre­ci­sa ter éti­ca.”

“É ver­da­de, is­so é ver­da­de.”

“Éti­ca é uma coi­sa im­por­tan­te em qual­quer lu­gar. Sa­be? Éti­ca de ver­da­de. Is­so é im­por­tan­te.”

Von­ta­de de pas­sar uma co­la a ele...

“Cer­to. Tem ra­zão, eu con­cor­do.”

De­sis­to. Vi­ro a xí­ca­ra. Mas o ca­fé já fi­cou mor­no. Ca­fé mor­no é hor­rí­vel. Den­tro e fo­ra da em­pre­sa. Em qual­quer lu­gar.

Compartilhe