Impressões

A traição e o Cristo Redentor

terça-feira, 6 de setembro de 2011 Texto de

Tá a mai­or re­vol­ta na Ar­qui­di­o­ce­se do Rio por cau­sa do anún­cio do si­te Ohhtel.com, di­ri­gi­do a quem quer ter re­la­ções ex­tra­con­ju­gais. Mo­ti­vo: a uti­li­za­ção da ima­gem do Cris­to Re­den­tor no out­do­or. A men­sa­gem diz: “Te­nha um ca­so ago­ra! Ar­re­pen­da-se de­pois”. É até en­gra­ça­do, mas a uti­li­za­ção do sím­bo­lo de uma re­li­gião mi­le­nar nu­ma pe­ça pu­bli­ci­tá­ria des­se ti­po é ina­de­qua­da sim.

A re­pre­sen­tan­te do si­te já se po­si­ci­o­nou etc e tal. Fa­lou in­clu­si­ve em re­tra­ta­ção. Mas fi­ca mui­to cla­ro que a in­ten­ção de uti­li­zar o cha­ma­do mar­ke­ting es­pon­tâ­neo foi o que mo­veu o tal anún­cio. Foi pu­ra for­ça­ção de bar­ra. Qual a jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra in­cluir a ima­gem do Cris­to Re­den­tor na pe­ça? Cla­ro, mil jus­ti­fi­ca­ti­vas po­dem ser cri­a­das. Mas ne­nhu­ma me con­ven­ce­rá, a não ser a do mar­ke­ting es­pon­tâ­neo.

Es­se ti­po de pu­bli­ci­da­de é uma das gran­des sa­ca­das do mar­ke­ting atu­al. Uma das gran­des ten­dên­ci­as tam­bém. As em­pre­sas co­bram is­so de su­as agên­ci­as, dos pro­fis­si­o­nais pa­gos pa­ra di­vul­gá-las. Es­tão cer­tas, aliás. É o ti­po de pro­pa­gan­da que sai de gra­ça. O pro­ble­ma é que mui­tas ve­zes, e is­so é na­tu­ral tam­bém num pro­ces­so de ex­pe­ri­men­ta­ção, os pro­fis­si­o­nais aca­bam se ex­ce­den­do na ho­ra de cri­ar su­as pe­ças. Acho que é o ca­so da uti­li­za­ção do Cris­to pe­lo si­te que pro­mo­ve a trai­ção.

E o que eu acho en­gra­ça­do nes­sa his­tó­ria é que, exa­ge­ran­do ou não, os mar­que­tei­ros sem dú­vi­da ob­ti­ve­ram êxi­to. De­vem es­tar fes­te­jan­do ago­ra. E mais en­gra­ça­do ain­da é que mui­tos ca­tó­li­cos de car­tei­ri­nha de­vem es­tar se co­çan­do de cu­ri­o­si­da­de pa­ra dar uma es­pi­a­di­nha no tal si­te. Cla­ro, se já não es­ti­ve­rem ne­le, on­li­ne.

Compartilhe