Crônicas

Erasmo e Roberto; a Cris e eu

sexta-feira, 9 de setembro de 2011 Texto de

Aca­bo de ver no Jô a en­tre­vis­ta com Eras­mo Car­los. Não sou fã do Eras­mo. Sou ad­mi­ra­dor. Eu o ad­mi­ro pe­la pos­tu­ra. Pe­lo ca­rá­ter. Pe­la éti­ca. E, acho que no fim das con­tas, pe­la ami­za­de. Não de­ve ser fá­cil man­ter uma ami­za­de cin­quen­te­ná­ria com o cha­ma­do Rei. Es­tar ao la­do do ca­ra que le­va to­da fa­ma mes­mo quan­do vo­cê faz par­te de­la. Mes­mo quan­do, às ve­zes, vo­cê é o res­pon­sá­vel por ela.

Eu te­nho uma gran­de ami­ga, que se cha­ma Cris­ti­na Ca­mar­go. É uma das jor­na­lis­tas que mais ad­mi­ro. Não de­ve ab­so­lu­ta­men­te na­da pa­ra ne­nhu­ma ou­tra. Pa­ra ne­nhum ou­tro. A Cris é uma pu­ta fã do Chi­co Bu­ar­que. Aliás, mais do que fã. Ela, se o Chi­co dei­xas­se o Olim­po e vi­es­se aos mor­tais, te­ria um ca­so com o deus. As­sim co­mo vá­ri­as ami­gas que co­nhe­ço.

Ul­ti­ma­men­te, po­rém, a Cris es­tá cor­ne­an­do o Chi­co. An­da ar­ras­tan­do as asas pa­ra o la­do do Ro­ber­tão, o cha­ma­do Rei. An­da ou­vin­do Ro­ber­to com os olhos chei­os d’água. Mas du­vi­do que ela, nes­sas ho­ras, pen­se mui­to no Eras­mo. Pou­cos pen­sam. Não, não é cul­pa da Cris ou de ne­nhum ou­tro. É que a vi­da é as­sim mes­mo. A vi­da foi fei­ta pa­ra al­guém con­quis­tar o es­pa­ço pe­lo qual to­dos lu­tam.

E nes­se es­pa­ço só há paz quan­do en­tra em ce­na es­sa coi­sa in­tra­du­zí­vel que é a ami­za­de. O que se­ria do Ro­ber­to sem o Eras­mo? O que se­ria de mim sem a Cris? Cla­ro, não te­nho fa­ma, não te­nho di­nhei­ro, não sei can­tar. Mas te­nho ami­gos. E is­so im­por­ta mui­to. Eras­mo de­ve ser um pu­ta ami­go.

Palavras-chave

Compartilhe