Que venham as ressacas | Márcio ABC

Crônicas

Que venham as ressacas

sexta-feira, 2 de setembro de 2011 Texto de

Sem­pre acon­te­ce em épo­cas de res­sa­ca no li­to­ral ca­ri­o­ca. Re­fi­ro-me às da or­la ca­ri­o­ca por se­rem as mais pró­xi­mas a mim, as que te­nho opor­tu­ni­da­de de as­sis­tir. É um bo­ni­to es­pe­tá­cu­lo, além de as­sus­ta­dor, ver as on­das in­va­din­do as cal­ça­das, ar­ras­tan­do o que es­tá à sua fren­te e dei­xan­do seu ras­tro de areia quan­do co­me­çam a amai­nar. Co­mo os olhos de Ca­pi­tu. Mas re­co­nhe­ço que só é pra­zer pa­ra quem es­tá ali de es­pec­ta­dor, co­mo eu, e não pa­ra quem per­de seu dia de praia ao sol, o qui­os­que, o car­ro, a bi­ci­cle­ta ou ou­tro bem.

Nu­ma des­sas res­sa­cas, a que as­sis­ti de mui­to lon­ge en­tre fas­ci­na­da e ame­dron­ta­da, cer­ta­men­te ar­ma­ze­nei em meu pa­co­te cár­mi­co vá­ri­os pe­sos pa­ra res­ga­tar em ou­tras vi­das, ca­so elas exis­tam. É que a ca­da vez que as on­das se re­traíam, de­pois de te­rem in­va­di­do e var­ri­do tu­do, eu ima­gi­na­va – e de­se­ja­va mes­mo ver - cer­tas pes­so­as sen­do le­va­das pa­ra sem­pre ao abis­mo ma­ri­nho. Co­mo se­ria bom que o mar le­vas­se pa­ra bem lon­ge de­ter­mi­na­dos ti­pos em­ble­má­ti­cos que po­vo­am nos­so co­ti­di­a­no com o úni­co ob­je­ti­vo de nos cho­car, des­per­tar-nos sen­ti­men­tos ruins, nos pas­sar a per­na, nos rou­bar e fa­zer-nos per­der um tem­po ir­re­cu­pe­rá­vel na ten­ta­ti­va de cor­ri­gir o ru­mo da vi­da, cons­ci­en­te­men­te en­tor­ta­do por eles, pe­lo po­der que têm em mãos, con­tra o qual não há boa-fé, co­ra­gem ou pas­se­a­ta que dê jei­to.

In­fe­liz­men­te ne­nhu­ma on­da gi­gan­tes­ca ou for­ça co­mo es­sa me de­vol­ve­ria a paz, o di­nhei­ro ou a saú­de que es­ses ti­pos ao lon­go de su­as vi­das fo­ram rou­ban­do de ca­da um de nós ou de to­dos. Por­que os bu­ra­cos nas ro­do­vi­as nun­ca se­rão con­ser­ta­dos de­cen­te­men­te; as cri­an­ças con­ti­nu­a­rão jo­ga­das nas cal­ça­das, imun­das e do­en­tes, vi­ci­a­das em tu­do; as pes­so­as ido­sas ou não, que mor­rem em fi­las de hos­pi­tais pú­bli­cos por fal­ta ou atra­so no aten­di­men­to, nun­ca res­sus­ci­ta­rão; os ha­bi­tan­tes de re­giões ári­das, que co­mem ca­lan­go com fa­ri­nha pra fin­gir que es­tão se ali­men­tan­do, con­ti­nu­a­rão acre­di­tan­do no pri­mei­ro im­be­cil adi­po­so e cí­ni­co que lhes pro­me­ter qual­quer mi­ga­lha em tro­ca de vo­to, e as ví­ti­mas de aci­den­tes de avião, trem, va­gão de me­trô ou fi­lhi­nho de pa­pai que ma­ta por di­ri­gir em­bri­a­ga­do e que fi­ca sol­to pa­ra cur­tir a vi­da fo­ra do Bra­sil, ne­nhu­ma de­las se­rá de­vol­vi­da às su­as fa­mí­li­as.

Por­tan­to, só me res­ta de­se­jar não que a ter­ra lhes se­ja le­ve, lon­ge de mim es­se ca­ri­nho, mas que o mar em res­sa­ca lhes se­ja bem pe­sa­do e que os le­ve pa­ra mui­to lon­ge, já que até os uru­bus o re­jei­ta­ri­am nos li­xões. Po­bres pei­xes!

Compartilhe