Crônicas

A caminhada e o garoto de bicicleta

quinta-feira, 18 de agosto de 2011 Texto de

Re­to­mo aos pou­cos mi­nhas ati­vi­da­des fí­si­cas, que con­si­de­ro fun­da­men­tais pa­ra mi­nha so­bre­vi­vên­cia. As­sim co­mo ex­pe­ri­men­to o es­tí­mu­lo im­pres­si­o­nan­te da ca­feí­na após meus (no má­xi­mo) dois ca­fe­zi­nhos diá­ri­os, tam­bém sin­to a en­dor­fi­na pro­du­zir seus efei­tos co­mo se um sol par­ti­cu­lar nas­ces­se di­an­te de mim. Fi­quei pa­ra­do du­ran­te al­gu­mas se­ma­nas, nem sei ex­pli­car o porquê. Mas o fa­to é que des­de já la­men­to o que per­di nes­se pe­río­do. Por­que ca­mi­nhar é tam­bém vi­ven­ci­ar uma crô­ni­ca da vi­da.

Ve­jam o que me ocor­reu ago­ra há pou­co, por vol­ta das se­te e meia da noi­te.

Pa­rei num de­ter­mi­na­do pon­to da ca­mi­nha­da e, apoi­an­do-me ao pos­te de uma pla­ca, co­me­cei a fa­zer meus alon­ga­men­tos. E lá veio, en­quan­to is­so, um ga­ro­to, 7 ou 8 anos, de bi­ci­cle­ta e bo­né. Coin­ci­den­te­men­te, se­ria ali tam­bém o pon­to que ele con­tor­na­ria pa­ra re­tor­nar à com­pa­nhia dos pais, a coi­sa de trin­ta me­tros de on­de es­tá­va­mos. Tu­do se­ria nor­mal se ele não me olhas­se com sim­pa­tia e sol­tas­se aque­la fra­se. Uma fra­se que me co­mo­veu: “Oi, bom dia... quer di­zer, boa noi­te, né?”.

Le­vei al­guns se­gun­dos pa­ra res­pon­der. Fi­quei sur­pre­so. Co­mo­vi­do de ver­da­de. Não é fá­cil nos di­as de ho­je um ga­ro­to de 7 ou 8 anos cum­pri­men­tar um adul­to des­se mo­do. Eu es­ta­va já no fim dos meus alon­ga­men­tos e ao ter­mi­ná-los, num im­pul­so, dei três ou qua­tro pas­sos na di­re­ção de on­de es­ta­vam os pais e a pró­pria cri­an­ça. Num lap­so, pen­sei em di­zer, aos pais, pa­ra­béns pe­lo me­ni­no que vo­cês es­tão edu­can­do.

Mas an­tes que eu com­ple­tas­se meu tra­je­to, al­go me tra­vou. Não hou­ve en­dor­fi­na que me ani­mas­se a ir adi­an­te. Não sei. Fi­quei pen­san­do no que os pais po­de­ri­am achar de um su­jei­to que fi­ca con­ver­san­do com o fi­lho de 7 ou 8 anos. Pen­sei se iri­am me in­ter­pre­tar de mo­do po­si­ti­vo. Pen­sei coi­sas as­sim. E pas­sei re­to, car­re­gan­do um pe­so a mais que o sim­ples can­sa­ço.

Ho­je, por mais que o mun­do nos abra to­das as por­tas pa­ra as mais di­ver­sas pos­si­bi­li­da­des de in­te­gra­ção hu­ma­na, a ver­da­de é que às ve­zes ain­da lu­ta­mos con­tra bar­rei­ras cri­a­das por nos­sas pró­pri­as li­mi­ta­ções, por nos­sos me­dos, por nos­sas in­cer­te­zas, por nos­sa in­se­gu­ran­ça di­an­te de ta­ma­nha abran­gên­cia.

Cem me­tros abai­xo, na sequên­cia da ca­mi­nha­da, ob­ser­vei um ado­les­cen­te jo­gar, de den­tro do car­ro, uma gar­ra­fa de cer­ve­ja va­zia que se es­pa­ti­fou na sar­je­ta. Es­pe­ro que aque­la cri­an­ça não se tor­ne es­te ado­les­cen­te. Es­pe­ro que aque­la cri­an­ça não se­ja in­fec­ta­da por nos­sas li­mi­ta­ções. Que ela não te­nha me­do de con­ti­nu­ar di­zen­do boa noi­te e an­dan­do de bi­ci­cle­ta em meio a to­dos nós.

Compartilhe