O ad­ven­to das re­des so­ci­ais e de to­das as fa­ci­li­da­des aber­tas pe­los avan­ços das no­vas tec­no­lo­gi­as ocul­ta, en­tre a far­ra fe­liz de múl­ti­plas vo­zes, um fan­tas­ma ater­ro­ri­zan­te: a ame­a­ça de aces­sar­mos tão so­men­te uma in­for­ma­ção ca­da vez mais su­per­fi­ci­al e pas­sa­gei­ra, si­tu­a­ção que po­de co­la­bo­rar pa­ra a pro­du­ção de uma for­ma­ção hu­ma­na ca­pen­ga. Co­mo tu­do que é gos­to­so, tam­bém nes­se ca­so as con­train­di­ca­ções não são pou­cas.

Ve­jo gen­te des­lum­bra­da com o aces­so a in­crí­veis fer­ra­men­tas vir­tu­ais. Pes­so­as que nem se­quer ima­gi­nam a ar­ma­di­lha so­bre a qual po­dem es­tar de­di­lhan­do in­ge­nu­a­men­te. Co­mo ques­ti­o­nar a im­por­tân­cia da in­ter­net, das re­des so­ci­ais e de to­da a pa­ra­fer­ná­lia tec­no­ló­gi­ca que nos abre ca­mi­nhos im­pen­sá­veis há tão pou­co tem­po? Não, não há co­mo ques­ti­o­nar.

Mas nem tu­do é tão sim­ples co­mo so­nha­mos. Fi­co aqui ape­nas no cam­po das in­fluên­ci­as do jor­na­lis­mo. Ao to­mar co­nhe­ci­men­to de um fa­to por meio de uma úni­ca fra­se, o usuá­rio do Twit­ter, por exem­plo, cor­re o ris­co de con­si­de­rar-se bem in­for­ma­do. Eis o nó que es­tá se com­pon­do de mo­do a não nos per­mi­tir sa­ber por en­quan­to co­mo de­sa­tá-lo.

Se­ria ini­ma­gi­ná­vel nes­te mo­men­to cri­ar me­ca­nis­mos que pu­des­sem ser­vir de aler­ta à ilu­são pro­por­ci­o­na­da por es­se no­vo pra­zer. Se­ria al­go co­mo che­gar pa­ra os pri­mei­ros hu­ma­nos de­li­ci­a­dos pe­las sen­sa­ções do se­xo e pe­dir que usas­sem ca­mi­si­nha. O au­tor da pro­pos­ta cer­ta­men­te le­va­ria uma pau­la­da no meio da tes­ta. Mas nós es­ta­mos sim sob a ame­a­ça de pre­ci­sar­mos, da­qui a um tem­po, pen­sar em pre­ser­va­ti­vos con­tra es­se lu­xu­ri­an­te ban­que­te que nos ser­ve do bom e do me­lhor, mas com in­gre­di­en­tes su­fi­ci­en­te­men­te ca­pa­zes de cor­rom­per nos­so in­te­lec­to.

Compartilhe