Confissões

Confissões: ‘Um erro decisivo’

sexta-feira, 11 de março de 2011 Texto de

MAIS UMA HISTÓRIA DE UM BRASILEIRO ANÔNIMO

Há er­ros em nos­sas vi­das que não po­de­mos ad­mi­tir. Es­ta é a pe­que­na his­tó­ria de um er­ro que meu pai co­me­teu. Ele é um po­li­ci­al mi­li­tar des­ses afei­tos ao per­fec­ci­o­nis­mo den­tro do que lhe exi­ge a pro­fis­são. Des­de que me co­nhe­ço por gen­te, vi meu pai pro­ce­den­do do mes­mo mo­do des­de a ho­ra em que acor­da­va até quan­do se dei­ta­va. Ra­ra­men­te, da­va um pas­so di­fe­ren­te.

An­tes de sair pa­ra o tra­ba­lho, ele fa­zia a bar­ba to­dos os di­as. Ves­tia-se obe­de­cen­do ao mes­mo ri­gor. Via o no­ti­ciá­rio na mes­ma emis­so­ra de TV. Saía no mes­mo ho­rá­rio. E acho até que da­va to­do dia o mes­mo bei­jo de des­pe­di­da na mi­nha mãe. Mas a pri­mei­ra coi­sa que ele fa­zia era lim­par cui­da­do­sa­men­te sua ar­ma. Es­sa era a par­te que eu mais gos­ta­va.

Ele ti­nha um tra­que­jo in­crí­vel pa­ra de­sar­mar, ti­rar a mu­ni­ção, fa­zer a lim­pe­za, pre­pa­rar sua fer­ra­men­ta de tra­ba­lho e por fim en­cai­xá-la com clas­se à cin­tu­ra. Na ver­da­de, pou­cas ve­zes ti­ve per­mis­são pa­ra per­ma­ne­cer no quar­to en­quan­to ele se pre­pa­ra­va. Mas as­sim mes­mo eu ten­ta­va to­dos os di­as fi­car por ali, co­mo quem não quer na­da, an­tes de ir pa­ra a es­co­la.

Cer­to dia, no meio da ma­nhã, ele foi sur­pre­en­di­do por dois mar­gi­nais, que o do­mi­na­ram num des­ses be­cos iso­la­dos de nos­sas gran­des ci­da­des. Pe­lo que meu pai pô­de per­ce­ber, am­bos es­ta­vam dro­ga­dos. Tu­do acon­te­ceu ao aca­so. Quan­do ele se deu con­ta, um dos ra­pa­zes saiu pe­las cos­tas de­trás de um en­tu­lho qual­quer e en­cos­tou um ca­no em sua nu­ca. Em se­gui­da, o ou­tro apa­re­ceu, olhos vi­dra­dos, di­zen­do coi­sas des­co­ne­xas.

Bas­tan­te ex­pe­ri­en­te, meu pai pe­diu cal­ma e ten­tou con­ven­cê-los de que tu­do po­de­ria aca­bar bem. Mas eles não qui­se­ram ou­vir con­ver­sa al­gu­ma. De­sa­jei­ta­do, o ban­di­do que es­ta­va por trás ti­rou a ar­ma de meu pai e a jo­gou ao com­pa­nhei­ro. Man­dou que meu pai se ajo­e­lhas­se e pe­diu pa­ra que o ou­tro fi­zes­se uma brin­ca­dei­ra de ro­le­ta rus­sa.

Na­que­le mo­men­to, meu pai en­trou em de­ses­pe­ro, mas qual­quer mo­vi­men­to mais brus­co po­de­ria apres­sar sua mor­te. O ra­paz, vi­si­vel­men­te des­con­tro­la­do, nem se cer­ti­fi­cou so­bre as ba­las, nem mes­mo olhou o tam­bor. Foi lo­go me­ten­do o re­vól­ver na ca­be­ça do po­li­ci­al. Vai lo­go, dis­pa­ra es­sa mer­da, gri­ta­va o mar­gi­nal que es­ta­va pe­las cos­tas. Tre­men­do mui­to, o ati­ra­dor aper­tou o ga­ti­lho. Mas não saiu na­da. E nis­so, ven­do-se com­ple­ta­men­te em pâ­ni­co, o ban­di­do sol­tou o re­vól­ver e cor­reu em dis­pa­ra­da. O pri­mei­ro, aque­le que che­gou pe­las cos­tas, fez o mes­mo. Tal­vez ele nem mes­mo ti­ves­se uma ar­ma de ver­da­de.

Meu pai es­ti­cou o bra­ço e pe­gou o re­vól­ver. Não ha­via uma ba­la se­quer no tam­bor. Um po­li­ci­al mi­li­tar em ser­vi­ço há tan­to tem­po e na­que­le dia, exa­ta­men­te na­que­le dia, ele fa­lha­ra. Ao lim­par a ar­ma, co­mo fa­zia to­das as ma­nhãs, es­que­ceu-se de co­lo­car a mu­ni­ção. Uma fa­lha im­per­doá­vel dei­xar o re­vól­ver des­car­re­ga­do. Lo­go um sol­da­do.

Ven­de­dor, 29 anos, São Pau­lo

Palavras-chave

Compartilhe