Colaboradores

Bate-papo com Beto Pampa

terça-feira, 3 de agosto de 2010 Texto de


Ca­pa do li­vro so­bre mú­si­ca e fu­te­bol do jor­na­lis­ta Be­to Xa­vi­er, edi­ção da Pan­da Bo­oks

A jor­na­lis­ta Isa­bel Car­va­lho con­ver­sou com o jor­na­lis­ta Be­to Pam­pa e co­la­bo­ra com o blog en­vi­an­do o pa­po de­les. Se­gue o tex­to:

O jor­na­lis­ta Be­to Xa­vi­er, co­nhe­ci­do pe­los bau­ru­en­ses co­mo Be­to Pam­pa, cons­truiu par­te de sua car­rei­ra em Bau­ru, on­de pro­du­zia, no fim da dé­ca­da de 80 e co­me­ço dos anos 90, o “Vi­va­ci­da­de”, um dos mais ou­vi­dos pro­gra­mas de no­tí­ci­as e MPB, que ia ao ar das 7 às 9 ho­ras pe­la 96 FM.

Nos­so Be­to Pam­pa de tan­ta sau­da­de, gre­mis­ta, ho­je vi­ven­do em Por­to Ale­gre e tra­ba­lhan­do pa­ra a Ita­pe­ma FM, do Gru­po RBS, fa­lou co­mi­go no sá­ba­do, dia 31 de ju­lho, so­bre fu­te­bol e mú­si­ca, su­as gran­des pai­xões.

Be­to lan­çou em 2008 o li­vro “Fu­te­bol no País da Mú­si­ca”, pe­la Pan­da Bo­oks. Na edi­ção com 276 pá­gi­nas, ele con­ta a his­tó­ria do ca­sa­men­to da mu­si­ca com o fu­te­bol. En­tre­vis­tas com jo­ga­do­res e mú­si­cos, tre­chos de can­ções e uma ex­ten­sa pes­qui­sa re­chei­am as his­tó­ri­as que tra­tam pa­ra­le­los en­tre as du­as mai­o­res pai­xões na­ci­o­nais.

Isa­bel Car­va­lho - Ana­li­san­do a Áfri­ca do Sul pós-Co­pa, um país que fi­cou mais de­ca­den­te com as ilu­só­ri­as pro­pos­tas de me­lho­ri­as de­pois do mai­or even­to fu­te­bo­lís­ti­co do pla­ne­ta, com to­do o lu­cro in­do pa­ra a Fi­fa e o po­vo mais mi­se­rá­vel e de­ses­pe­ran­ço­so ao per­der os mais de 136 mil em­pre­gos ge­ra­dos pe­lo fu­te­bol, co­mo vo­cê vê o go­ver­no e a mí­dia bra­si­lei­ros, os gas­tos pa­ra a cons­tru­ção de vá­ri­as obras fa­raô­ni­cas e a pu­bli­ci­da­de oti­mis­ta pa­ra o Bra­sil re­ce­ber a Co­pa em 2014?

Be­to Xa­vi­er - Ló­gi­co que não sou con­tra a Co­pa no Bra­sil. Acho bom o país ser o cen­tro das atra­ções do mun­do, um es­por­te que ge­ra mui­tos em­pre­gos, di­nhei­ro, opor­tu­ni­da­des. O xis da ques­tão é que tu­do is­so es­tá nas mãos de um gru­po de pes­so­as, cu­jos ver­da­dei­ros in­te­res­ses não têm na­da a ver com o in­te­res­se co­mum. Em su­ma, o fu­te­bol bra­si­lei­ro es­tá do­mi­na­do por uma equi­pe de se­nho­res de re­pu­ta­ção na­da ili­ba­da.

Isa­bel Car­va­lho - O po­vo res­pi­ra fu­te­bol. Por­tan­to, ser con­tra a Co­pa no Bra­sil se­ria ser con­tra os bra­si­lei­ros ta­ma­nho o fa­na­tis­mo pe­lo gla­mour e pe­la be­le­za do es­por­te? O que po­de­ria ser fei­to pa­ra dei­xar o fu­te­bol mais ho­nes­to e eli­mi­nar es­ses se­nho­res de re­pu­ta­ção na­da ili­ba­da de ime­di­a­to?

Be­to Xa­vi­er - O fu­te­bol não é mais um es­por­te. É um ne­gó­cio, um co­mér­cio. Imen­so, glo­bal, ime­di­a­to. Não ve­jo ne­nhu­ma chan­ce de vol­tar a ser uma coi­sa me­nos mer­can­ti­lis­ta e mais lú­di­ca. É me­lhor es­que­cer es­sa hi­pó­te­se. E co­mo fa­lei, o fu­te­bol vai vol­tar a ser co­mo no co­me­ço da cha­ma­da era mo­der­na do es­por­te bre­tão: es­pe­tá­cu­lo das eli­tes. Al­gu­mas exi­gên­ci­as da Fi­fa pa­ra os es­tá­di­os são ab­sur­das, não pre­ci­sa­va tan­to. É a “eu­ro­pei­za­ção” com­ple­ta do fu­te­bol. E eles têm ra­zão, né? Afi­nal, o fu­te­bol mo­der­no nas­ceu lá e eles pa­re­ce que es­tão pe­gan­do a par­te que lhes é de di­rei­to.

Isa­bel Car­va­lho - E o nos­so fu­te­bol no ge­ral? A mú­si­ca...

Be­to Xa­vi­er - Acho que o fu­te­bol bra­si­lei­ro es­tá to­man­do o mes­mo rit­mo do jor­na­lis­mo im­pres­so bra­si­lei­ro e dos prin­ci­pais paí­ses da Eu­ro­pa. Se con­ti­nu­ar as­sim, só vão so­brar os clu­bes bem es­tru­tu­ra­dos, com mar­ke­ting agres­si­vo, qua­dro so­ci­al for­te e com con­di­ções de ofe­re­cer al­go além do es­pe­tá­cu­lo das qua­tro li­nhas. Nes­se pon­to, um clu­be cen­te­ná­rio co­mo o No­ro­es­te, por exem­plo, tem gran­des chan­ces de aca­bar, in­fe­liz­men­te. Por­que num clu­be co­mo o “No­rus­ca”, só es­tou ci­tan­do um exem­plo, não se es­tá le­van­do em con­ta ape­nas o fu­te­bol, mas uma his­tó­ria co­mu­ni­tá­ria, de su­pe­ra­ção, dos fer­ro­viá­ri­os, en­fim, de uma ci­da­de. Quan­to à se­le­ção bra­si­lei­ra, pre­fi­ro não co­men­tar. Foi tu­do mui­to hor­rí­vel, des­de a de­sas­tro­sa cam­pa­nha dos guer­rei­ros, ab­sur­da. Os co­mer­ci­ais da Ar­gen­ti­na eram bem me­lho­res. Deu no que deu. Per­de­mos uma guer­ra que não exis­tiu, o que é pi­or ain­da. Mú­si­ca e fu­te­bol são as du­as coi­sas que sa­be­mos fa­zer de me­lhor. Além dos cra­ques das du­as ar­tes que co­nhe­ce­mos e ado­ra­mos, há uma le­gião de anô­ni­mos ta­len­to­sos es­pa­lha­dos por es­te país. Mú­si­cos e jo­ga­do­res. É uma fon­te ines­go­tá­vel de ta­len­tos. Tal­vez o fu­te­bol e a mú­si­ca se­jam a se­nha pa­ra en­ten­der es­te país, tão com­ple­xo e in­jus­to.

Fo­to do jor­na­lis­ta Be­to Pam­pa, ou Be­to Xa­vi­er, pos­ta­da no si­te da Ita­pe­ma FM

Compartilhe