Impressões

Emoção não se planeja

domingo, 4 de julho de 2010 Texto de

Mui­tas ve­zes as coi­sas mais emo­ci­o­nan­tes de nos­sas vi­das não es­tão li­ga­das aos prin­ci­pais fa­tos de nos­sas vi­das. Na Co­pa do Mun­do tam­bém é as­sim. Nem sem­pre as gran­des emo­ções são re­ser­va­das pa­ra os prin­ci­pais du­e­los.

Quem po­de­ria ima­gi­nar que Uru­guai x Ga­na e Es­pa­nha x Pa­ra­guai pu­des­sem ser os dois jo­gos mais dra­má­ti­cos da Co­pa?

Quem po­de­ria ima­gi­nar que não foi na ho­ra da sua mai­or con­quis­ta, mas quan­do vo­cê viu uma me­ni­ni­nha su­ja e seu olhar de fo­me do ou­tro la­do da rua? Que foi aí que vo­cê per­deu o jo­go con­tra uma lá­gri­ma?

Dun­guis­mo

Com o Bra­sil eli­mi­na­do, aflo­ram to­dos os er­ros, to­das as bes­tei­ras le­va­das a ca­bo pe­lo trei­na­dor da se­le­ção. Des­de a con­vo­ca­ção mal fei­ta que exa­ge­rou na pre­ser­va­ção a qual­quer cus­to do gru­po ali­a­do até a pos­tu­ra pre­po­ten­te no tra­to com a im­pren­sa, tor­ce­do­res e com quem se me­tes­se em seu ca­mi­nho, Dun­ga es­cre­veu uma ex­ce­len­te re­cei­ta pa­ra nun­ca mais ser usa­da.

É pre­ci­so, con­tu­do, ser ho­nes­to. Sem­pre. Não foi es­sa re­cei­ta o prin­ci­pal mo­ti­vo da eli­mi­na­ção bra­si­lei­ra. O Bra­sil caiu fo­ra por­que os ca­ras que jo­ga­ram fo­ram in­com­pe­ten­tes pa­ra ma­tar o jo­go no pri­mei­ro tem­po. Po­de­ría­mos ter fei­to, sem qual­quer exa­ge­ro, 3 a 0, o que fa­ria a Ho­lan­da en­fi­ar a vi­o­la no sa­co já no in­ter­va­lo.

Cla­ro que é di­fí­cil pin­çar o jo­go con­tra a Ho­lan­da do con­tex­to. A par­ti­da fez par­te do es­ta­do de coi­sas cri­a­do a par­tir do cha­ma­do “dun­guis­mo”. Mas se pin­çar­mos so­men­te o jo­go, fi­ca es­sa sen­sa­ção: a sen­sa­ção de que, com dun­guis­mo ou sem dun­guis­mo, o Bra­sil po­de­ria ter ven­ci­do o jo­go.

Al­go pa­re­ci­do ocor­reu em ou­tras co­pas. Em 1990, pa­ra ci­tar ape­nas um ca­so pa­re­ci­do, a se­le­ção hor­ro­ro­sa mon­ta­da pe­lo La­za­ro­ni caiu nas oi­ta­vas-de-fi­nal con­tra a Ar­gen­ti­na. Aliás, con­tra uma Ar­gen­ti­na po­dre. O ti­me es­ta­va em pan­da­re­cos, des­fal­ca­da e con­tun­di­da.

A exem­plo do que ocor­reu na era Dun­ga, quan­do as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas do fu­te­bol bra­si­lei­ro fo­ram ex­tir­pa­das pa­ra dar lu­gar às igre­ji­nhas, à fal­ta de cri­a­ti­vi­da­de e ao exor­cis­mo de nos­sa ar­te de jo­gar bo­la, tam­bém na­que­la Co­pa o Bra­sil foi po­da­do, foi de­ce­pa­do no que me­lhor sa­be fa­zer.

Só que no dia da eli­mi­na­ção em 1990, a cul­pa não foi do La­za­ro­ni ou de to­dos es­ses pro­ble­mas. A cul­pa foi dos ata­can­tes bra­si­lei­ros. Com vin­te mi­nu­tos de jo­go, o pla­car já po­de­ria mos­trar 4 a 0 con­tra aque­la Ar­gen­ti­na.

Tal­vez, ho­je e on­tem, o cas­ti­go te­nha al­gum pro­vei­to.

Compartilhe