Impressões

Menas, menas

sexta-feira, 25 de junho de 2010 Texto de

É cu­ri­o­so, e qua­se en­gra­ça­do, ver a far­ra que se faz na in­ter­net (prin­ci­pal­men­te no Twit­ter) com ba­se nu­ma for­ça que não exis­te. Sim­ples­men­te não exis­te. Con­si­de­rar que o Twit­ter é uma fer­ra­men­ta de­ci­si­va pa­ra mu­dar há­bi­tos ou de­fi­nir a pos­tu­ra da opi­nião pú­bli­ca é, no mí­ni­mo, um exa­ge­ro.

Ve­jam o que acon­te­ceu ho­je: foi pro­pos­ta no Twit­ter uma cam­pa­nha de boi­co­te à Re­de Glo­bo. Pois bem. O re­sul­ta­do é que a au­di­ên­cia da emis­so­ra, exa­ta­men­te no dia em que a “for­ça” do Twit­ter foi co­lo­ca­da à pro­va, apre­sen­tou cres­ci­men­to se com­pa­ra­da às trans­mis­sões an­te­ri­o­res.

O fa­to é que mui­ta gen­te que vi­ve boa par­te do dia na in­ter­net, se­ja por­que a in­ter­net é uma im­por­tan­te fer­ra­men­ta de tra­ba­lho ou de co­mu­ni­ca­ção ou se­ja por­que a in­ter­net tam­bém reú­ne mui­ta gen­te que não tem o que fa­zer, cos­tu­ma su­pe­res­ti­mar seu po­der de in­fluên­cia.

Es­sa ava­li­a­ção equi­vo­ca­da é in­flu­en­ci­a­da pe­la pró­pria sen­sa­ção cri­a­da pe­la in­ter­net de que o mun­do in­tei­ro es­tá na re­de. E não é bem as­sim. Nos Es­ta­dos Uni­dos, por exem­plo, tal­vez a cam­pa­nha con­tra a Glo­bo ou qual­quer ou­tra te­ria um grau mai­or de in­fluên­cia. Mas em paí­ses co­mo o Bra­sil, a coi­sa é ain­da mui­to di­fe­ren­te.

Há re­giões on­de não há nem ele­tri­ci­da­de, quan­to mais in­ter­net, com­pu­ta­dor ou qual­quer apa­ra­to tec­no­ló­gi­co. O Bra­sil não é ape­nas o Sul-Su­des­te ou São Pau­lo ou Rio de Ja­nei­ro. O Bra­sil é is­so e mais o nor­des­tão, o nor­te, o cen­tro-oes­te, as lon­gín­quas fron­tei­ras de um país que ain­da pre­ci­sa avan­çar mui­to pa­ra fa­zer da in­ter­net – ou do Twit­ter – uma fer­ra­men­ta im­por­tan­te quan­do o as­sun­to é a opi­nião pú­bli­ca.

Me­do­nho

O me­lhor lan­ce do jo­go Bra­sil x Por­tu­gal, ao me­nos na trans­mis­são pe­la TV, ro­lou fo­ra das qua­tro li­nhas. Foi na tri­bu­na, on­de Ka­ká e Ela­no es­ta­vam sen­ta­dos. A olha­da que o Ela­no deu pra loi­ra­ça que pas­sou to­da sor­ri­den­te na fren­te de­les foi da­que­las que che­ga a se­car a ví­ti­ma (Ahahahahah).

No cam­po, o jo­go foi me­do­nho.

É cer­to que o Bra­sil po­de até ser cam­peão do mun­do, mas já dá pra fa­lar com to­da tran­qui­li­da­de: o fu­te­bol não vai ser da­que­les. A mi­nha te­se em Co­pas do Mun­do (es­ta é a dé­ci­ma que eu acom­pa­nho) é sim­ples: tu­do po­de mu­dar e é lá que o fu­te­bol de uma se­le­ção po­de cres­cer ao pon­to de en­can­tar o mun­do.

Mes­mo as gran­des se­le­ções bra­si­lei­ras às ve­zes saí­ram ca­pen­gan­do de eli­mi­na­tó­ri­as, até mes­mo pou­co acre­di­ta­das, e na ho­ra do va­mos ver fi­ze­ram por me­re­cer a fa­ma. Mes­mo a es­pe­ta­cu­lar se­le­ção de 1982 não ha­via fei­to eli­mi­na­tó­ri­as bri­lhan­tes. Jo­gou pro gas­to e pas­sou pe­las frá­geis Bo­lí­via e Ve­ne­zu­e­la.

En­tão, eu sem­pre acho – com ra­zão (rs­ss) – que o Bra­sil po­de che­gar na Co­pa, in­de­pen­den­te­men­te dos jo­gos an­te­ri­o­res, e es­tra­ça­lhar.

Mas nes­ta Co­pa acho que não vai ter jei­to: a se­le­ção tem bo­as chan­ces de che­gar à fi­nal, mas não vai en­can­tar. Sob es­se as­pec­to, es­tou jo­gan­do a to­a­lha. Mas fi­co ain­da com a pon­ti­nha da eti­que­ta en­tre dois de­dos. O fu­te­bol bra­si­lei­ro é tão su­pe­ri­or a te­ses de jor­na­lis­tas e a es­tra­té­gi­as de trei­na­do­res que de re­pen­te... eu pos­so pu­xá-la de vol­ta.

Compartilhe