Impressões

Complexidades

terça-feira, 11 de Maio de 2010 Texto de

A te­o­ria ma­ni­queis­ta que mui­tas ve­zes é apli­ca­da a pes­so­as ou a es­tru­tu­ras das quais es­sas pes­so­as fa­zem par­te nun­ca me con­ven­ceu.

Re­vi por es­tes di­as, na TV fe­cha­da, um fil­me ca­paz de ilus­trar bem o que eu con­si­de­ro um equí­vo­co. “A vi­da dos outros”(2006, Ale­ma­nha, ven­ce­dor do Os­car de me­lhor fil­me es­tran­gei­ro) é so­bre o es­que­ma de vi­gi­lân­cia mon­ta­do pe­lo go­ver­no da ex-Ale­ma­nha Ori­en­tal pa­ra acom­pa­nhar os pas­sos do mais im­por­tan­te dra­ma­tur­go do país e de sua na­mo­ra­da, uma fa­mo­sa atriz, na épo­ca da Guer­ra Fria.

Quem rou­ba a ce­na é o res­pon­sá­vel pe­lo es­que­ma, o ca­pi­tão Gerd (Ul­ri­ch Mühe), cu­jo in­te­res­se pe­la vi­da dos vi­gi­a­dos tor­na-se um ver­da­dei­ro fas­cí­nio, ca­paz de le­vá-lo a atos im­pen­sá­veis pa­ra al­guém que in­te­gra um sis­te­ma des­se gê­ne­ro. No fim, o pró­prio vi­gi­a­do lhe con­ce­de uma emo­ci­o­nan­te ho­me­na­gem.

Acho mui­to sim­plis­ta di­zer­mos que tal su­jei­to ou tal sis­te­ma po­lí­ti­co ou se­ja lá o que for é bom ou mau. Um su­jei­to con­si­de­ra­do mau po­de guar­dar ca­rac­te­rís­ti­cas que des­men­tem sua fa­ma. Um sis­te­ma con­si­de­ra­do ruim po­de ter bons su­jei­tos. E o in­ver­so tam­bém va­le.

Acho que, no fun­do, to­dos so­mos bons e maus. Do pa­pa ao pi­or ban­di­do.

Se­le­ção
Tam­bém não dá pa­ra sair ati­ran­do no Dun­ga por­que ele não con­vo­cou jo­ga­do­res que to­do mun­do gos­ta­ria de ver na Co­pa. Eu, co­mo tor­ce­dor, le­va­ria vá­ri­os cra­ques que ele des­pre­zou. E dei­xa­ria de fo­ra ou­tros que ele vai le­var.

Mas não sei se eu, ca­so fos­se o téc­ni­co da Se­le­ção, agi­ria de mo­do di­fe­ren­te. Pra mim, não se ga­nha uma Co­pa do Mun­do ape­nas com cra­ques. Se não hou­ver um ele­va­do grau de com­pro­mis­so e de união (sei que é di­fí­cil exi­gir is­so das cha­ma­das es­tre­las), a es­tra­da vi­ra tri­lho (co­mo se diz lá na ro­ça).

A ver­da­de é que se a se­le­ção do Dun­ga che­gar lá, o tor­ce­dor não vai nem se lem­brar do que ho­je é con­si­de­ra­do sa­cri­lé­gio. E fran­ca­men­te não acho que se­ja tão im­pro­vá­vel. O Dun­ga, quei­ram ou não seus de­sa­fe­tos, ga­nhou qua­se tu­do que dis­pu­tou co­mo téc­ni­co da Se­le­ção.

Sei que al­guém aí vai di­zer em tom de de­bo­che: “Ga­nhou o quê? Eli­mi­na­tó­ri­as? Co­pa das Con­fe­de­ra­ções? Co­pa Amé­ri­ca?”. E eu di­rei: “Sim, foi o que ele dis­pu­tou, fo­ra as Olim­pía­das”. Por­tan­to, quei­ram ou não seus de­sa­fe­tos, o ca­ra tem ca­ci­fe. Is­so é fa­to.

Mas que ele po­dia ter le­va­do mais gen­te boa, is­so po­dia.

En­fim, no fun­do, to­dos so­mos bons e maus. Do Gan­so ao Dun­ga.

Compartilhe