Crônicas, Impressões

Mão boba

segunda-feira, 5 de abril de 2010 Texto de

O jor­na­lis­mo de ce­le­bri­da­des trou­xe por es­tes di­as al­guém pas­san­do a mão no bum­bum de não sei quem. Acho que um ator bo­be­ou em pú­bli­co e foi fla­gra­do por um fo­tó­gra­fo quan­do, di­ga­mos, ave­ri­gua­va as con­di­ções do tra­sei­ro de uma atriz (me des­cul­pem, mas não me lem­bro dos no­mes por­que acho que são ame­ri­ca­nos, o que, por fim, dá na mes­ma, pois o que es­tá em pau­ta é o ato e não os pro­ta­go­nis­tas).

Eu acho que já es­cre­vi em ou­tro es­pa­ço des­te mes­mo si­te que o apa­ra­to tec­no­ló­gi­co de ho­je em dia, se­ja pa­ra cap­tu­rar a in­for­ma­ção ou pa­ra di­vul­gá-la, é al­go ex­tre­ma­men­te trai­ço­ei­ro – por­que ao mes­mo tem­po em que é de­ci­si­vo pa­ra vi­a­bi­li­zar com ra­pi­dez ope­ra­ções im­por­tan­tes pa­ra o jor­na­lis­mo, ao mes­mo tem­po em que re­pre­sen­ta um sig­ni­fi­ca­ti­vo avan­ço na pro­du­ção da in­for­ma­ção, es­se mes­mo apa­ra­to po­de nos jo­gar nu­ma va­la pe­ri­go­sa on­de os pa­râ­me­tros que cer­cam o pri­va­do e o pú­bli­co po­dem es­tar or­bi­tan­do num uni­ver­so de di­fí­cil com­pre­en­são. E mais: po­de, com sua for­ça, cri­ar e re­cri­ar ima­gens, hi­pó­te­ses, his­tó­ri­as, fa­tos.

E es­se as­pec­to es­ten­de-se tam­bém a qual­quer seg­men­to da vi­da mo­der­na que se apoia na tec­no­lo­gia. Ve­jam o que po­de ter sig­ni­fi­ca­do a uti­li­za­ção de al­ta tec­no­lo­gia no Ca­so Nar­do­ni. Não hou­ve tes­te­mu­nhas. Nin­guém pre­sen­ci­ou o cri­me. Mas a pe­rí­cia con­se­guiu en­ca­de­ar a his­tó­ria de tal mo­do que, se­gun­do sua ver­são, não res­ta dú­vi­da so­bre a cul­pa dos acu­sa­dos, ago­ra con­de­na­dos.

A tec­no­lo­gia in­clui um con­jun­to de fer­ra­men­tas que es­tá na fron­tei­ra do bem e do mal. Tan­to pa­ra quem co­me­te um cri­me quan­to pa­ra quem re­sol­ve dar uma pas­sa­di­nha de mão na bun­da alheia.

In­fan­til

É cu­ri­o­so que ho­je se pas­se tão fa­cil­men­te a mão na bun­da dos ou­tros. Eu me lem­bro que na mi­nha épo­ca de es­co­la pri­má­ria (lá pe­la dé­ca­da de 1970), um ato des­sa mag­ni­tu­de po­de­ria cau­sar gra­ves des­do­bra­men­tos. Não hou­ve uma nem du­as de­sa­ven­ças mo­ti­va­das pe­la ve­lha “mão bo­ba”. Fo­ram mui­tas. O ter­ri­tó­rio era sa­gra­do. Le­va­va à di­re­to­ria. Pro­vo­ca­va so­cos e pon­ta­pés. Evo­ca­va me­lan­co­li­ca­men­te por meio de pa­la­vras obs­ce­nas a mãe do ou­tro. Aca­ba­va com bo­as ami­za­des. Ho­je, po­de-se di­zer, as coi­sas che­ga­ram a tal pon­to que tal­vez se­jam as bun­das que vi­vem à pro­cu­ra de su­as an­ti­gas co­nhe­ci­das de cin­co de­dos.

Pornô

Uma vez, as­sis­tin­do a um fil­me pornô com mi­nha mu­lher, ri­mos mui­to da ce­na: a atriz pra­ti­ca­va um ator­do­an­te se­xo oral em seu par­cei­ro quan­do es­te le­vou a mão até à di­ta cu­ja. Ela, en­tão, sus­pen­den­do por um ins­tan­te a ação bu­cal, des­fe­riu-lhe um be­lo ta­pa, con­de­nan­do a ou­sa­dia. E o mais im­pac­tan­te foi a fra­se que ela pro­nun­ci­ou: “Olha a mão bo­ba!” (Ah!Ah!Ah!)

Compartilhe