Impressões

Duelo

sexta-feira, 5 de março de 2010 Texto de

Jo­seph Con­rad (1857-1924), um dos meus es­cri­to­res pre­di­le­tos, é o au­tor de “Os du­e­lis­tas”, li­vro pu­bli­ca­do em 1908 e que em 1977 foi adap­ta­do pa­ra a te­lo­na por Ri­dley Scott. O ca­so é apa­ren­te­men­te sim­ples: dois ofi­ci­ais fran­ce­ses dis­pu­tam uma sé­rie de du­e­los. Mas não é tão sim­ples as­sim. Nas tin­tas de Con­rad, o li­vro trans­for­ma-se nu­ma his­tó­ria per­tur­ba­do­ra en­tre dois ho­mens cu­ja ani­mo­si­da­de, de ori­gem ba­nal, mu­da­rá o ru­mo de su­as vi­das.

Con­rad é au­tor de gran­des tí­tu­los, co­mo “O co­ra­ção das tre­vas” (que no ci­ne­ma vi­rou “Apo­calyp­se now”) e “Lor­de Jim”. Aliás, lan­ço aqui uma pi­ta­da de po­lê­mi­ca: ve­jo a gran­de mai­o­ria dos lei­to­res des­se bri­lhan­te es­cri­tor pre­fe­rir “O co­ra­ção das tre­vas”. Mas eu sou mais “Lor­de Jim”. Po­de ser al­go mui­to sub­je­ti­vo de mi­nha par­te, tal­vez. Mas acho o con­fli­to hu­ma­no des­cri­to em “Lor­de Jim” ar­re­ba­ta­dor.

Pa­ra quem não sa­be, Jo­seph Con­rad nas­ceu na Ucrâ­nia, mas tem sua obra es­cri­ta em lín­gua in­gle­sa. Ele pas­sou gran­de par­te da vi­da tra­ba­lhan­do e vi­ven­do no mar. Foi daí que ti­rou a es­sên­cia de sua ma­ra­vi­lho­sa nar­ra­ti­va.

Mas mi­nha di­ca de ho­je é mes­mo “Os du­e­lis­tas”. Co­mo se cos­tu­ma di­zer, é li­vro que vo­cê lê nu­ma sen­ta­da.

Leia um pe­que­no tre­cho:

“Em­bo­ra fre­quen­te­men­te mar­chas­sem nas mes­mas fi­lei­ras ou es­ca­ra­mu­ças­sem la­do a la­do nas flo­res­tas, os dois ofi­ci­ais ig­no­ra­vam um ao ou­tro – nem tan­to por ani­mo­si­da­de quan­to por uma re­al e au­tên­ti­ca in­di­fe­ren­ça. To­das as su­as re­ser­vas de ener­gia mo­ral eram des­pen­di­das no re­sis­tir à ter­rí­vel hos­ti­li­da­de da na­tu­re­za e à sen­sa­ção es­ma­ga­do­ra do de­sas­tre ir­re­me­diá­vel. Ao fim e ao ca­bo, con­ta­vam en­tre os mais ati­vos, os me­nos des­mo­ra­li­za­dos do ba­ta­lhão; sua vi­go­ro­sa vi­ta­li­da­de con­fe­ria-lhes, aos olhos de seus ca­ma­ra­das, os as­pec­to de um pa­ra he­roi­co. E am­bos ja­mais tro­ca­vam mais que uma ou du­as pa­la­vras for­tui­tas...”

Mi­nha co­ta­ção: mui­to bom

Compartilhe