Colaboradores

Desse jeito é complicado

segunda-feira, 1 de Março de 2010 Texto de

Não sei por quê, mas a pa­la­vra que mais te­nho ou­vi­do no no­ti­ciá­rio diá­rio do rá­dio – sou ou­vin­te as­sí­dua des­se meio de co­mu­ni­ca­ção - é o ad­je­ti­vo “com­pli­ca­do”. Se­ja por po­bre­za de vo­ca­bu­lá­rio dos re­pór­te­res, se­ja por sua com­pre­en­sí­vel ten­são di­an­te de uma si­tu­a­ção trá­gi­ca por cu­ja co­ber­tu­ra são res­pon­sá­veis, ou sim­ples­men­te pe­la co­mo­di­da­de de lan­ça­rem mão de cer­tos co­rin­gas da Lín­gua, co­mo, aliás, tam­bém vem acon­te­cen­do com o ver­bo “co­lo­car”. Mas de­le tra­ta­mos adi­an­te.

Vol­te­mos ao “com­pli­ca­do”. Se­rá que uma obra ina­ca­ba­da na Rua Tal, atra­pa­lhan­do o flu­xo de veí­cu­los às 11h da ma­nhã de um dia de se­ma­na po­de ser qua­li­fi­ca­da da mes­ma ma­nei­ra que a ex­plo­são de uma fá­bri­ca clan­des­ti­na de fo­gos de ar­ti­fí­cio que pro­vo­cou de­ze­nas de mor­tes e mui­tos fe­ri­dos? A fi­la nos pos­tos de saú­de ou o en­gar­ra­fa­men­to de 6 km na Pon­te Rio-Ni­te­rói são tão “com­pli­ca­dos” quan­to a si­tu­a­ção das pes­so­as que per­de­ram tu­do du­ran­te um tem­po­ral? O al­to ín­di­ce de aci­den­tes e mor­tes cau­sa­dos por mo­to­ris­tas al­co­o­li­za­dos po­de ser des­cri­to com o mes­mo ad­je­ti­vo de uma gre­ve, por mais jus­ta que es­ta se­ja? Pois no no­ti­ciá­rio de rá­dio pa­re­ce que tu­do se ni­ve­lou se­man­ti­ca­men­te.

Não é uma ques­tão de pre­ci­o­sis­mo. A Lín­gua Por­tu­gue­sa é riquís­si­ma e vem sen­do em­po­bre­ci­da pe­la pre­gui­ça dos usuá­ri­os de es­co­lhe­rem a pa­la­vra ade­qua­da a ca­da si­tu­a­ção, ta­re­fa fun­da­men­tal do pro­fis­si­o­nal que li­da com tex­tos. Sim­ples­men­te ele­gem uma e a usam pro que der e vi­er, e a mo­da vai se es­pa­lhan­do. Não se ou­ve mais a in­for­ma­ção de que o trá­fe­go es­tá in­ten­so na Rua Tal, ou que es­ta­mos acom­pa­nhan­do a si­tu­a­ção dra­má­ti­ca dos mo­ra­do­res do Mor­ro X ou que se re­pe­tem to­dos os anos as trá­gi­cas con­sequên­ci­as do so­ter­ra­men­to de pes­so­as e ca­sas du­ran­te um tem­po­ral. Tu­do pas­sou a ser com­pli­ca­do...

Que tal, en­tão, re­la­tar so­bre a pers­pec­ti­va ater­ro­ri­zan­te, a so­li­ci­ta­ção dra­má­ti­ca, o trá­fe­go con­fu­so, a si­tu­a­ção de­li­ca­da, a de­ci­são po­lê­mi­ca, a res­pos­ta ina­de­qua­da etc? E por que não, tam­bém, des­cre­ver a si­tu­a­ção com­pli­ca­da? Afi­nal, es­sa pa­la­vra tem e sem­pre te­rá seu lu­gar na nos­sa Lín­gua, só não pre­ci­sa­va era tra­ba­lhar ho­ra ex­tra, co­mo an­da fa­zen­do ul­ti­ma­men­te.

Exa­ta­men­te co­mo o que vem acon­te­cen­do com seu com­pa­nhei­ro de Lín­gua, o ver­bo “co­lo­car”. Nin­guém mais ves­te a ca­mi­sa ou cal­ça o sa­pa­to; ra­ra­men­te se tam­pa a pa­ne­la ou se põem os pin­gos nos iis e a mão na mas­sa, e nun­ca mais se adi­ci­o­nou o azei­te na re­cei­ta ou se guar­dou o li­vro na es­tan­te. Ago­ra, tu­do se co­lo­ca. Até a opi­nião do co­le­ga é “co­lo­ca­da” na as­sem­bleia.

Tu­do in­di­ca que o vo­ca­bu­lá­rio dos bra­si­lei­ros an­da bas­tan­te com­pli­ca­do... oops, an­da bas­tan­te es­cas­so. Uma pe­na!

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe