Impressões

Literatura

sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010 Texto de

Os gran­des veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção – prin­ci­pal­men­te os jor­nais, on­de a li­te­ra­tu­ra se en­cai­xa bem – cos­tu­mam dar pou­co es­pa­ço aos cha­ma­dos no­vos au­to­res. Não sei se is­so é re­fle­xo do com­por­ta­men­to do pú­bli­co ou se o pú­bli­co re­fle­te a pos­tu­ra dos jor­nais.

Exem­plo: Le­o­nar­do Bra­si­li­en­se é um es­cri­tor gaú­cho que já fa­tu­rou um prê­mio Ja­bu­ti, o mais im­por­tan­te da li­te­ra­tu­ra na­ci­o­nal. Foi com o li­vro “Adeus con­to de fa­das” (Edi­to­ra 7 Le­tras – 2006), di­ri­gi­do ao pú­bli­co in­fan­to-ju­ve­nil. Fo­ra es­sa obra, Le­o­nar­do tem vá­ri­as ou­tras pu­bli­ca­das. Mas não o ve­jo nas pá­gi­nas de li­te­ra­tu­ra dos jor­nais.

Cli­que aqui pa­ra aces­sar o si­te de­le

Ago­ra, Le­o­nar­do lan­ça mais um li­vro: “Wha­te­ver” (Edi­to­ra Ar­tes e Ofí­ci­os, de Por­to Ale­gre). São dez con­tos em 128 pá­gi­nas. A nar­ra­ção é fei­ta por um jo­vem (João Pe­dro) de clas­se mé­dia que não vê mais sen­ti­do na vi­da. Ain­da não li por­que não o en­con­trei nas li­vra­ri­as do in­te­ri­or de São Pau­lo, mas vou com­prá-lo pe­la in­ter­net ou na ci­da­de de São Pau­lo.

Se eu co­nhe­ço ra­zo­a­vel­men­te (pe­los ou­tros li­vros) a sen­si­bi­li­da­de e a ca­pa­ci­da­de de en­vol­ver o lei­tor de Le­o­nar­do, es­ta se­rá, sem dú­vi­da, mais uma be­lís­si­ma obra.

Pa­ra quem qui­ser um ape­ri­ti­vo, pu­bli­co aqui um pe­que­no tre­cho:

Bons tem­pos
Era di­fí­cil o tem­po to­do.
Mas acor­dar ce­do nun­ca me in­co­mo­dou, eu dor­mia bem. Vi
num do­cu­men­tá­rio na TV que a gen­te so­nha quan­do o so­no é su­per­fi­ci­al, no so­no pro­fun­do não há so­nhos. En­tão era por is­so que eu dor­mia bem, por­que nun­ca so­nha­va. Sem­pre ria quan­do ou­via as pes­so­as di­zen­do que “te­mos que per­se­guir nos­sos so­nhos e tor­ná- los re­a­li­da­de”. A mi­nha re­a­li­da­de era que eu não so­nha­va.
De­pois di­zem que a gen­te só vê bo­ba­gens na te­le­vi­são.
Sim, eu sei, eles fa­lam “so­nho” em ou­tro sen­ti­do. Tu­do bem. Mas eu não so­nha­va. E se so­nhas­se, não se­ria mais fá­cil. Acho que se­ria até mais di­fí­cil. Mi­nha vi­da era mes­mo uma flor.(1)
Quan­do era mais no­vo, ti­nha a sen­sa­ção de que se ti­ves­se
nas­ci­do em ou­tro lu­gar, com tu­do di­fe­ren­te des­de o iní­cio, eu não sen­ti­ria es­se va­zio. Daí acon­te­ceu al­gu­ma coi­sa, não lem­bro quan­do nem o que foi, mas acon­te­ceu al­gu­ma coi­sa que me fez pen­sar...

(1) Por ra­zões edi­to­ri­ais, não se es­cre­ve pa­la­vrão em li­vro ju­ve­nil, em­bo­ra vo­cê lei­tor co­nhe­ça to­dos des­de cri­an­ci­nha. As­sim, to­da vez que apa­re­cer a pa­la­vra “flor”, en­ten­da ali o pa­la­vrão mais ade­qua­do à si­tu­a­ção. Mal­di­tos tem­pos do
“po­li­ti­ca­men­te cor­re­to”!

Res­pon­sa­bi­li­da­de

Es­tá no Por­tal Im­pren­sa: “A de­fe­sa de Su­za­ne Von Ri­chtho­fen, con­de­na­da a 39 anos pe­lo as­sas­si­na­to dos pais, en­trou com ação por da­nos mo­rais na 2ª Va­ra Cí­vel de São Pau­lo con­tra a Edi­to­ra Três, res­pon­sá­vel pe­la re­vis­ta Is­toÉ. O ad­vo­ga­do de Su­za­ne, De­ni­val­do Bar­ni, con­tes­ta re­por­ta­gem pu­bli­ca­da pe­lo se­ma­ná­rio em 2006.” (Pa­ra ver a ma­té­ria com­ple­ta no Por­tal Im­pren­sa, cli­que aqui).

Cla­ro que não sei quem es­tá com a ra­zão nes­se ca­so es­pe­cí­fi­co. A Jus­ti­ça é que di­rá. Mas nem é es­sa a ques­tão. Só ci­to o ca­so aqui por­que me lem­bro de fa­zer o se­guin­te co­men­tá­rio:

Fre­quen­te­men­te veí­cu­los de im­pren­sa e jor­na­lis­tas são le­va­dos à Jus­ti­ça por pes­so­as que se jul­gam ví­ti­mas das pu­bli­ca­ções. É um di­rei­to do ci­da­dão. E tam­bém um aler­ta pa­ra to­dos que tra­ba­lham com jor­na­lis­mo. O equi­lí­brio, o sen­so de res­pon­sa­bi­li­da­de e os cui­da­dos com os no­mes (se­jam pes­so­as, ins­ti­tui­ções, em­pre­sas etc etc) en­vol­vi­dos de­vem es­tar sem­pre aci­ma de qual­quer pro­je­to jor­na­lís­ti­co e de qual­quer es­ti­lo ou per­fil de quem es­cre­ve.

Há mui­tos exem­plos de ca­sos em que na­da era o que pa­re­cia ser. Não é di­fí­cil veí­cu­los e pro­fis­si­o­nais avan­ça­rem o si­nal em no­me do fu­ro, da no­tí­cia vi­bran­te, da ou­sa­dia e por aí vai. Uma no­tí­cia ou uma opi­nião bem fun­da­men­ta­da e cui­da­do­sa tam­bém po­de ser ou­sa­da e vi­bran­te. De na­da adi­an­ta cau­sar fu­ror ho­je e ver tu­do en­la­me­a­do ama­nhã. Prin­ci­pal­men­te por­que a la­ma jo­ga­da so­bre en­vol­vi­dos ino­cen­tes di­fi­cil­men­te po­de­rá ser to­tal­men­te re­ti­ra­da um dia.

Compartilhe