Que bom que tem solução | Márcio ABC

Colaboradores

Que bom que tem solução

quinta-feira, 3 de setembro de 2009 Texto de

Em­bo­ra ha­ja si­tu­a­ções em que nós bra­si­lei­ros já po­de­mos nos con­si­de­rar mais es­cla­re­ci­dos e cons­ci­en­tes, al­gu­mas ain­da tei­mam em ser um ver­da­dei­ro de­sas­tre. E a cam­peã ab­so­lu­ta é a pres­ta­ção de ser­vi­ços. Es­sa es­tá ape­nas en­ga­ti­nhan­do na vi­da do país e con­ti­nua to­man­do um tem­po des­ne­ces­sá­rio de quem de­la pre­ci­sa e qua­se sem­pre dei­xan­do a de­se­jar.

Si­tu­a­ção I - Quem já es­te­ve num hos­pi­tal co­mo pa­ci­en­te ou acom­pa­nhan­te de­ve sa­ber o que é ser acor­da­do vá­ri­as ve­zes na ma­dru­ga­da com a en­tra­da ata­ba­lho­a­da de en­fer­mei­ros que abrem a por­ta do quar­to com es­tar­da­lha­ço, acen­dem a luz e vão me­dir a pres­são, a tem­pe­ra­tu­ra ou dar a me­di­ca­ção pres­cri­ta. Es­tão fa­zen­do sua par­te na re­cu­pe­ra­ção do pa­ci­en­te, mas se o fi­zes­sem com um pou­co mais de de­li­ca­de­za, co­mo se­ria me­nos pe­no­so! Di­fi­cil­men­te um pa­ci­en­te apre­sen­ta­rá uma pres­são ade­qua­da de­pois do sus­to de ser acor­da­do des­sa ma­nei­ra no meio da ma­dru­ga­da.

Re­ca­di­nho: en­fer­mei­ros e en­fer­mei­ras e seus res­pec­ti­vos che­fes: vo­cês es­co­lhe­ram uma no­bre pro­fis­são, pe­no­sa pe­la na­tu­re­za do ser­vi­ço e das cir­cuns­tân­ci­as em que tra­ba­lham. E são os pri­mei­ros a sa­be­rem que nin­guém se in­ter­na num hos­pi­tal por­que gos­ta ou por pas­sa­tem­po. Que tal, en­tão, pe­lo me­nos du­ran­te a ma­dru­ga­da, en­trar com um pou­co mais de le­ve­za nos quar­tos dos pa­ci­en­tes? Eles e seus acom­pa­nhan­tes agra­de­cem de ver­da­de.

Si­tu­a­ção II – Ao che­gar mi­nha vez de ser aten­di­da no gui­chê do ban­co, pas­sei pa­ra o cai­xa um pa­pel on­de es­cre­ve­ra a quan­tia que de­se­ja­va sa­car. Is­so por­que se mul­ti­pli­cam os as­sal­tos co­nhe­ci­dos co­mo “sai­di­nha do ban­co” e eu não que­ria di­vul­gar a quan­tia sa­ca­da em voz al­ta e ser a pró­xi­ma ví­ti­ma. Pois foi só o cai­xa pe­gar o pa­pel e ime­di­a­ta­men­te re­pe­tiu pa­ra mim em voz al­ta a quan­tia, pa­ra con­fir­mar. Não sei se eu es­pe­ra­va de­mais do cai­xa ou quem sa­be te­nho vis­to mui­tos se­ri­a­dos po­li­ci­ais. O fa­to é que re­pe­ti is­so em ou­tro ban­co, em ou­tro dia, e acon­te­ceu a mes­mís­si­ma coi­sa. É, es­tou es­pe­ran­do de­mais.

Si­tu­a­ção III - Vo­cê en­tra num ca­fé, des­ses su­per tran­sa­di­nhos que ho­je se es­pa­lham por to­da a ci­da­de. Faz seu pe­di­do e, en­quan­to es­pe­ra, vê a aten­den­te mui­to bem uni­for­mi­za­da pe­gan­do a xí­ca­ra on­de vai ser­vir seu ca­puc­ci­no, dis­trai­da­men­te com um de­do den­tro da xí­ca­ra. Vo­cê se sen­te cons­tran­gi­do em cha­mar a aten­ção da mo­ça, mas ao mes­mo tem­po du­vi­da do res­to das con­di­ções hi­gi­ê­ni­cas do es­ta­be­le­ci­men­to e da ma­nei­ra co­mo os ali­men­tos são fei­tos por ali.

Re­ca­di­nho: se­nho­res pro­pri­e­tá­ri­os des­ses ca­fés su­per bem tran­sa­di­nhos: de na­da adi­an­ta ca­pri­char na de­co­ra­ção do am­bi­en­te e no uni­for­me de seus fun­ci­o­ná­ri­os se não os ori­en­tar so­bre cui­da­dos bá­si­cos de hi­gi­e­ne na ma­ni­pu­la­ção de ali­men­tos, co­pos, ta­lhe­res e xí­ca­ras.

Si­tu­a­ção IV - Na sa­la de es­pe­ra de um con­sul­tó­rio mé­di­co que aten­de cli­en­tes de con­vê­ni­os, e por is­so mar­ca con­sul­tas de 15 em 15 mi­nu­tos, a re­cep­ci­o­nis­ta, de trás do bal­cão, per­gun­ta em voz al­ta aos cli­en­tes que es­tão sen­ta­dos ou em pé, seu te­le­fo­ne, en­de­re­ço, ida­de, pe­so e no­me do pla­no de saú­de. Se ele res­pon­de, to­dos os ou­tros vão ter aces­so a in­for­ma­ções que até pro­va em con­trá­rio de­ve­ri­am ser pri­va­ti­vas. Se o cli­en­te se le­van­ta e vai até o bal­cão pa­ra res­pon­der em voz “nor­mal” ou se ofe­re­ce pa­ra pre­en­cher seus da­dos, é mal­vis­to pe­la aten­den­te, que acha que es­tá per­den­do tem­po por uma bo­ba­gem.

Re­ca­di­nho: Se­nho­res ad­mi­nis­tra­do­res de clí­ni­cas e mé­di­cos que lo­tam su­as sa­las de es­pe­ra: ori­en­tem su­as re­cep­ci­o­nis­tas pa­ra que cha­mem o cli­en­te no bal­cão e lhe pe­çam os da­dos em voz bai­xa. Da­dos par­ti­cu­la­res pa­ra ca­das­tro não de­vem ser di­vul­ga­dos co­mo se fos­se um jo­go de bin­go.

Ou­tras si­tu­a­ções não me­nos cons­tran­ge­do­ras acon­te­cem a to­do mo­men­to. São aten­den­tes que bor­dam tan­to as le­tras e os nú­me­ros ano­ta­dos em ca­das­tros, que es­tes se tor­nam in­de­ci­frá­veis, le­van­do àque­les en­ga­nos tão a gos­to dos bu­ro­cra­tas de plan­tão. Ou te­le­fo­nis­tas, se­cre­tá­ri­os e aten­den­tes que pre­fe­rem dar uma in­for­ma­ção er­ra­da a con­fes­sar que não sa­bem in­for­mar. E por aí vai.

Pres­ta­ção de ser­vi­ços é um se­tor que por aqui ain­da tem mui­to a evo­luir e a se pro­fis­si­o­na­li­zar. Mãos à obra, por­tan­to. Con­su­mi­do­res, cli­en­tes, pas­sa­gei­ros, pa­ci­en­tes e os pró­pri­os pres­ta­do­res de ser­vi­ço só têm a ga­nhar se os ser­vi­ços, sim­ples ou com­ple­xos, fo­rem cum­pri­dos com res­pon­sa­bi­li­da­de e efi­ci­ên­cia.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe