Colaboradores

Tecendo a rede de afetos

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008 Texto de

Di­zem que o que acon­te­ce pe­la in­ter­net não pa­re­ce re­al. Que o re­la­ci­o­na­men­to afe­ti­vo vir­tu­al é ar­ti­fi­ci­al e qua­se sem­pre pe­ri­go­so. Há quem cri­ti­que a tro­ca de e-mails en­tre ami­gos e co­nhe­ci­dos, mui­tas ve­zes mo­ran­do a mi­lhas de dis­tân­cia uns dos ou­tros, ale­gan­do que o in­subs­ti­tuí­vel ca­lor hu­ma­no ao vi­vo sem­pre foi e con­ti­nua sen­do o me­lhor e o mais au­tên­ti­co ca­ri­nho. Quan­to a is­so não te­nho dú­vi­da, mas não cus­ta pen­sar nos dois la­dos des­sa mo­e­da tão in­jus­ti­ça­da.

Se vo­cê faz ne­gó­ci­os com si­tes sem re­fe­rên­ci­as con­fiá­veis ou con­sul­ta seu sal­do ban­cá­rio pe­la in­ter­net, pa­ga con­tas e faz trans­fe­rên­cia de di­nhei­ro sem to­mar com­pro­va­das pre­cau­ções de se­gu­ran­ça, aí vo­cê tem chan­ce de en­gros­sar a lis­ta de ví­ti­mas da re­de. E o pre­ço a pa­gar po­de ser bem sal­ga­do. Se vo­cê acre­di­ta em cor­ren­tes, obe­de­ce a tu­do o que lhe man­dam fa­zer nes­sas men­sa­gens, en­ca­mi­nha-as pa­ra pes­so­as de sua lis­ta por­que acre­di­ta que se não o fi­zer po­de cor­rer ris­cos em sua vi­da pes­so­al, tam­bém es­tá cain­do nos mo­der­nos con­tos-do-vi­gá­rio e nas len­das ur­ba­nas que pro­li­fe­ram na re­de.

Bom sen­so e cal­do de ga­li­nha nun­ca fi­ze­ram mal a nin­guém. Não é por­que a re­de es­tá aber­ta a to­dos que vou mer­gu­lhar de olhos fe­cha­dos. Nem vou cli­car em links es­tra­nhos, de re­me­ten­tes des­co­nhe­ci­dos, só por­que al­guém es­tá ju­ran­do que foi meu co­le­ga de co­lé­gio e quer mos­trar fo­tos da­que­le tem­po, e ou­tras ba­bo­sei­ras pa­re­ci­das. Nes­ses ca­sos, “Get smart!” é a pa­la­vra de or­dem pa­ra quem quer ter na in­ter­net uma ali­a­da e não uma ini­mi­ga pe­ri­go­sa.

Mas quan­do te­nho a opor­tu­ni­da­de de cor­res­pon­der-me com pes­so­as que­ri­das que de ou­tra ma­nei­ra não po­de­ri­am se co­mu­ni­car co­mi­go, ver pe­las web­ca­me­ras em tem­po re­al fi­lhos, ne­tos e ami­gos que es­tão ge­o­gra­fi­ca­men­te dis­tan­tes de mim, is­so me dá uma cer­te­za pes­so­al­men­te com­pro­va­da: o meio uti­li­za­do po­de ser vir­tu­al, mas o sen­ti­men­to que es­ses mo­men­tos pro­vo­cam é bem re­al.

Ma­ta-se a sau­da­de, sim, quan­do re­ce­be­mos e man­da­mos no­tí­ci­as por e-mail ou sim­ples­men­te ba­te­mos pa­po pe­lo mes­sen­ger, quan­do ou­vi­mos pe­lo sky­pe vo­zes fa­mi­li­a­res ou aque­las que du­ran­te mui­to tem­po fi­ca­ram ape­nas guar­da­das na me­mó­ria. Se­ria me­lhor um abra­ço aper­ta­do e ca­lo­ro­so? Cla­ro que sim! Aper­tar no co­lo os fi­lhos e os ne­tos? Que dú­vi­da! Mas na im­pos­si­bi­li­da­de mo­men­tâ­nea de is­so acon­te­cer, não sou eu que vou des­pre­zar es­sas al­ter­na­ti­vas que a in­ter­net me ofe­re­ce.
Al­ter­na­ti­vas vir­tu­ais, sim. Ir­re­ais, não.

E ago­ra, com li­cen­ça, vou res­pon­der ao e-mail de uma ex-co­le­ga de tra­ba­lho que no mo­men­to dá au­las em Ma­cau. In­té!

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe