Colaboradores

Espaço vital - Texto de Otávio Nunes

sábado, 6 de dezembro de 2008 Texto de

O so­nho do re­pór­ter Hél­bon Del­li­de era se trans­fe­rir pa­ra a edi­to­ria de po­lí­ti­ca da re­vis­ta Ta­tu­ra­na, a mai­or se­ma­nal do país. De­di­ca­do e sa­gaz, ha­via con­cluí­do re­cen­te­men­te sua pós-gra­du­a­ção em Jor­na­lis­mo Po­lí­ti­co, de­fen­den­do uma te­se bas­tan­te com­ple­xa, que dei­xou a ban­ca­da de pro­fes­so­res em pa­pos-de-ara­nha, so­bre a re­la­ção (a seu ver, pro­mís­cua) en­tre emis­so­ras de te­le­vi­são e ins­ti­tu­tos de pes­qui­sa de in­ten­ção de vo­tos. Foi um fu­ror. Só não vi­rou li­vro por­que ele não quis. “Pes­qui­sei pe­lo bem da so­ci­e­da­de, não por di­nhei­ro”, res­pon­deu a du­as edi­to­ras.

Mes­mo pós-gra­du­a­do e lau­re­a­do, con­ti­nu­ou a tra­ba­lhar na edi­to­ria de ci­da­des. Su­as ma­té­ri­as eram so­bre bu­ra­cos de rua, su­jei­ra dei­xa­da pe­las fei­ras li­vres, gre­ve em es­co­la pú­bli­ca, ca­chor­ros pe­ri­go­sos no meio da mul­ti­dão, ár­vo­res de­pre­da­das pe­la po­pu­la­ção, fi­las enor­mes nos hos­pi­tais pú­bli­cos, fi­os cor­ta­dos por li­nhas de pia, aci­den­tes de trân­si­to, bri­ga de ca­sais e ou­tras con­fu­sões cau­sa­das pe­lo pro­gres­so nas gran­des ur­bes.

Du­ran­te me­ses, so­li­ci­tou sua trans­fe­rên­cia ao di­re­tor de re­da­ção da Ta­tu­ra­na, Or­nes­to Jo­sé­ti­co. “Pô meu, de no­vo, no­va­men­te. Vo­cê é mais pen­te­lho que tes­te­mu­nha de Je­o­vá nas ma­nhãs de do­min­go”, res­pon­dia Jo­sé­ti­co.

Quan­do es­ta­va de bem com a hu­ma­ni­da­de, Jo­sé­ti­co pro­me­tia a Del­li­de: “meu ca­ro, con­fes­so que ain­da acho ce­do pa­ra um re­pór­ter jo­vem e pro­mis­sor co­mo vo­cê tra­ba­lhar nu­ma edi­to­ria tão com­pli­ca­da co­mo a de po­lí­ti­ca. Vo­cê é mui­to cer­ti­nho, éti­co, tem sen­so de jus­ti­ça, acre­di­ta no que seus pro­fes­so­res de Jor­na­lis­mo apre­go­a­vam. Nes­ta edi­to­ria que vo­cê quer tra­ba­lhar, o re­pór­ter tem de as­su­mir a per­so­na­li­da­de dos nos­sos po­lí­ti­cos. Ou se­ja: to­dos têm de vi­rar pi­ca­re­ta tam­bém. Vo­cê ain­da não es­tá pre­pa­ra­do. Ex­pe­ri­men­te co­me­çar a men­tir pa­ra sua mãe e sua na­mo­ra­da. En­ga­ne-as bas­tan­te, com des­cul­pas con­vin­cen­tes. Apren­da a usar a re­tó­ri­ca. As pes­so­as não que­rem ver­da­des, meu ca­ro, de­se­jam ape­nas ser con­ven­ci­das. Te­nha me­nos es­crú­pu­los e mais per­su­a­são. Por fa­lar nis­so, co­nhe­ci um re­vi­sor que era tão ban­di­do, tão ban­di­do, que tra­ba­lha­va de al­ge­mas na re­da­ção. En­ten­deu, oh meu?” E lá ia Del­li­de de vol­ta pa­ra seus bu­ra­cos de rua.

Mas di­zem que Deus aju­da a quem tem des­per­ta­dor em ca­sa e que a es­pe­ran­ça é a úl­ti­ma a en­trar na UTI. As­sim, me­ses e ape­los de­pois, o ve­lho Jo­sé­ti­co ce­deu. “Pa­ra­béns, Del­li­de. Ago­ra ve­jo que vo­cê es­tá ta­lha­do pa­ra a no­bre fun­ção de es­cre­ver so­bre o que fa­zem, ou dei­xam de fa­zer, nos­sos ho­mens pú­bli­cos. Su­as jus­ti­fi­ca­ti­vas pa­ra a trans­fe­rên­cia de edi­to­ria são de uma des­fa­ça­tez fo­ra do co­mum. Con­ven­ceu-me. Aliás, co­nhe­ci um re­pór­ter que era tão per­sis­ten­te, tão per­sis­ten­te, que es­pe­ra­va até o trem que já ti­nha pas­sa­do.”

No pri­mei­ro dia de tra­ba­lho na no­va edi­to­ria, Del­li­de apa­re­ceu na re­da­ção de bar­ba fei­ta e tra­jan­do ter­no e gra­va­ta, bem di­fe­ren­te dos je­ans ve­lhos e puí­dos que usa­va an­tes. Es­ta­va tão ele­gan­te que até a be­la re­pór­ter de va­ri­e­da­des e cul­tu­ra, que ja­mais o cum­pri­men­tou, ou­sou tor­cer o pes­co­ço em 90 graus pa­ra vis­lum­brar me­lhor o co­le­ga em as­cen­são.

Era sex­ta-fei­ra, a re­vis­ta es­ta­va em fe­cha­men­to. To­dos os jor­na­lis­tas tra­ba­lha­vam as­so­ber­ba­dos e pre­o­cu­pa­dos em ter­mi­nar su­as ma­té­ri­as. Lá do aquá­rio, Or­nes­to Jo­sé­ti­co gri­ta­va pa­ra seus lam­ba­ris: “va­mos fe­char es­ta por­ra, ca­ram­ba”.

Del­li­de pe­gou uma no­tí­cia do cor­res­pon­den­te in­ter­na­ci­o­nal de Ta­tu­ra­na, so­bre o dis­cur­so do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca na se­de da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das, que pre­ten­dia es­ta­be­le­cer trâ­mi­tes bu­ro­crá­ti­cos à ex­por­ta­ção de pro­du­tos dos paí­ses po­bres pa­ra os ri­cos. O su­pre­mo man­da­tá­rio na­ci­o­nal foi ta­xa­ti­vo: “so­mos con­tra”.

O pre­si­den­te, oriun­do das clas­ses mais po­pu­la­res do país, fi­lho de mo­to­ris­ta de ôni­bus com bal­co­nis­ta de ar­ma­ri­nhos, cha­ma­va-se Pau­le­mi­des Quei­roz Pe­rei­ra. Quan­do ve­re­a­dor em sua ci­da­de na­ta­lí­cia, ele des­car­tou o úl­ti­mo so­bre­no­me, pa­ra evi­tar fu­tu­ros mal-en­ten­di­dos, e fi­cou sen­do co­nhe­ci­do ape­nas co­mo PQ.

Del­li­de pe­gou a no­ta e mos­trou pa­ra Jo­sé­ti­co. “Che­fe, is­to é im­por­tan­te, ain­da ca­be na re­vis­ta?”, per­gun­tou o re­pór­ter. “Não te­mos mais es­pa­ço, mas va­mos ver com o di­a­gra­ma­dor”, pro­me­teu Jo­sé­ti­co. Ha­via um pe­da­ci­nho de pá­gi­na ain­da em bran­co que se­ria pre­en­chi­do por um ca­lhau da edi­to­ra, da­que­les que mos­tram o nú­me­ro de te­le­fo­ne pa­ra quem de­se­ja as­si­nar a re­vis­ta.

Jo­sé­ti­co dis­se a Del­li­de que ca­bia uma no­ta, em for­ma de pi­ru­li­to, de ape­nas 700 to­ques com um tí­tu­lo de três li­nhas de três to­ques ca­da. Del­li­de me­xeu no tex­to, en­xu­gou e dei­xou-o do ta­ma­nho ide­al. Mas na ho­ra de es­cre­ver tí­tu­lo seu en­tu­si­as­mo vi­rou de­ses­pe­ro. “Co­mo vou fa­zer um tí­tu­lo com três li­nhas de três to­ques ca­da? Is­to é im­pos­sí­vel”, pen­sou. Mas o jo­vem jor­na­lis­ta não era de ca­pi­tu­lar di­an­te das agru­ras da vi­da e fez o tí­tu­lo.

PQ:

Não

ONU

Jo­sé­ti­co vi­brou de ale­gria ao ver ta­ma­nha cri­a­ti­vi­da­de em es­pa­ço tão in­fi­ni­te­si­mal, uma obra de mi­ni­ma­lis­mo. “Tra­ba­lhei com um re­da­tor que era tão bom em tí­tu­lo, tão bom, que ho­je é po­e­ta con­cre­tis­ta”, elo­gi­ou Jo­sé­ti­co. “Na ver­da­de, acho que vou fa­zer um cur­so de es­cul­tu­ra em grão de ar­roz”, res­pon­deu Del­li­de.

E-mail: otanunes@gmail.com

Palavras-chave

Compartilhe