Colaboradores

DNA de consumidor

quarta-feira, 26 de novembro de 2008 Texto de

Ca­da vez te­nho mais cer­te­za de que um có­di­go de bar­ra apa­re­ce na tes­ta dos ci­da­dãos bra­si­lei­ros no mo­men­to em que eles se en­con­tram na po­si­ção de con­su­mi­do­res. Não im­por­ta se é um em­pre­sá­rio bem-su­ce­di­do, uma co­zi­nhei­ra de mão cheia, um pai ad­mi­ra­do pe­los fi­lhos ou uma com­po­si­to­ra de ta­len­to, to­dos re­co­nhe­ci­dos em seu meio. O fa­to é que quan­do vão com­prar um car­ro, en­cer­rar uma con­ta ban­cá­ria, fe­char um pa­co­te de vi­a­gem, fa­zer uma as­si­na­tu­ra de TV a ca­bo, en­trar num su­per­mer­ca­do, ad­qui­rir tí­que­tes pa­ra um show ou uma par­ti­da de fu­te­bol, pa­re­ce que al­gu­ma coi­sa mu­da no seu DNA, no seu ros­to, no seu ges­tu­al, que lo­go os pi­lan­tras de plan­tão fa­re­jam mais um otá­rio a ser en­go­li­do, co­zi­di­nho e bem tem­pe­ra­do.

Per­de-se a con­ta de epi­só­di­os em que pes­so­as de qual­quer clas­se, ida­de ou gê­ne­ro são en­ga­be­la­das, por mi­nu­to, nes­te país. Epi­só­di­os às ve­zes ina­cre­di­tá­veis a olhos e ou­vi­dos es­tran­gei­ros, quan­do es­tes mes­mos não aca­bam en­tran­do nas jo­ga­das, pe­la fa­ci­li­da­de en­con­tra­da por aqui, tão di­fe­ren­te das leis rí­gi­das de seus paí­ses de ori­gem. Mas o gros­so mes­mo es­tá nos nas­ci­dos em ter­ras bra­si­lei­ras, afi­nal nis­so tam­bém so­mos cam­peões mun­di­ais, ula­lá.

Cam­bis­tas, pro­du­to­res e dis­tri­bui­do­res de pro­du­tos pi­ra­tas, ven­de­do­res bem trei­na­dos pa­ra se­du­zir o con­su­mi­dor até o mo­men­to de ele fe­char o ne­gó­cio, mas fu­gin­do de­le quan­do o pro­du­to com­pra­do não era na­da da­qui­lo que ele ju­rou que era, se­ja um pla­no de saú­de ou um ele­tro­do­més­ti­co; em­pre­sá­ri­os de má-fé ex­plí­ci­ta pa­ra com os usuá­ri­os de sua mer­ca­do­ria, se­jam io­gur­tes ou apar­ta­men­tos. Se­ria can­sa­ti­vo en­cher lau­das e lau­das de si­tu­a­ções tão co­muns ao nos­so co­ti­di­a­no e ne­nhu­ma se­ria exa­ta­men­te uma no­vi­da­de pa­ra nin­guém, de tão ha­bi­tu­al. Le­van­ta o de­do quem nun­ca foi pas­sa­do pa­ra trás nu­ma fal­ca­trua qual­quer do dia-a-dia. Vo­cê não, baby, aca­bou de nas­cer e ain­da es­tá no ber­çá­rio. Mas es­pe­ra só co­me­çar a con­su­mir lei­te de va­ca e ou­tros pro­du­tos in­dus­tri­a­li­za­dos...

Há saí­das, cla­ro, ape­sar de o bo­te nem sem­pre es­tar mui­to à vis­ta. Olhar crí­ti­co ao que vê e ou­ve na pu­bli­ci­da­de, im­per­me­a­bi­li­da­de a elo­gi­os exa­ge­ra­dos a pro­du­tos de con­su­mo, prin­ci­pal­men­te se eles vêm do ven­de­dor; pron­to con­tra-ata­que di­an­te de pre­juí­zos, em for­ma de quei­xa for­mal ou pro­ces­sos, que dão tra­ba­lho e cau­sam abor­re­ci­men­tos de to­da na­tu­re­za, mas às ve­zes fun­ci­o­nam. E, prin­ci­pal­men­te, ou­vi­dos mou­cos a mo­dis­mos, do ti­po da­que­le, por exem­plo, que faz dois mi­lhões de pes­so­as com­pra­rem ou as­sis­ti­rem a um ví­deo pi­ra­ta só por­que “to­do mun­do tá ven­do, ué”. A não ser que vo­cê não li­gue pro có­di­go de bar­ra no seu DNA com a ins­cri­ção “mais um otá­rio”.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe