Mo­ro num bair­ro ri­co de São Pau­lo. Por con­ta da lo­ca­li­za­ção do es­cri­tó­rio de tra­ba­lho, re­sol­vi pa­gar um alu­guel mais ca­ro e fi­car bem per­to. Em com­pen­sa­ção, eco­no­mi­zei em ou­tros gas­tos com lo­co­mo­ção. E, cla­ro, com saú­de. Su­por­tar o trân­si­to di­a­ri­a­men­te por aqui é ar­ris­car co­ra­ção, fí­ga­do etc. Faz 21 me­ses que vim pra cá. E uma das coi­sas mais per­cep­tí­veis nas ru­as é o ver­ti­gi­no­so cres­ci­men­to de uma po­pu­la­ção in­vi­sí­vel pa­ra os car­ni­cei­ros que co­man­dam o país: pe­din­tes, de­sem­pre­ga­dos, mo­ra­do­res de rua.

Nas es­qui­nas, e tam­bém en­tre elas, au­men­ta di­a­ri­a­men­te o nú­me­ro de pes­so­as que ser­pen­tei­am sem ru­mo en­tre pa­le­tós e co­la­res, em­po­bre­cen­do cru­el­men­te: é a me­ni­ni­nha loi­ra que ven­de guar­da­na­pos com en­fei­tes tra­ba­lha­dos ma­nu­al­men­te pe­la mãe, o me­ni­no ne­gro que pe­de um tro­ca­do pa­ra a mar­mi­ta, o ga­ro­to ma­gro e de olhos tris­tes que quer por­que quer en­gra­xar o sa­pa­to, a ga­ro­ta de­ci­di­da que in­ter­rom­pe meu ca­fe­zi­nho na pa­da­ria pa­ra pe­dir um do­ce, a fa­mí­lia que se re­ve­za pa­ra abor­dar a mul­ti­dão apres­sa­da no iní­cio da noi­te, e por aí vai.

Não en­con­tro se­re­ni­da­de. É uma an­gús­tia aqui den­tro que só ven­do. Com­pro o guar­da­na­po, com­ple­to o di­nhei­ro da mar­mi­ta, man­do en­gra­xar, pa­go o do­ce, ve­jo a fa­mí­lia con­se­guir umas mo­e­das aqui e ali, mas sei que na­da dis­so re­sol­ve. Qual a pers­pec­ti­va pa­ra es­sas cri­an­ças? Nem adi­an­ta mais se re­fe­rir aos pais de­las. Es­tes es­tão mor­tos pa­ra o país. Aliás, o país os ma­tou. E ago­ra, com a ab­sur­da e men­ti­ro­sa re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, jo­gou so­bre eles a úl­ti­ma pá de cal. Por­tan­to, fi­que­mos ape­nas nas cri­an­ças.

Elas, as cri­an­ças, es­tão cres­cen­do na rua, pe­din­do es­mo­las, hu­mi­lhan­do-se sem pers­pec­ti­vas. São so­nhos es­tu­pra­dos e abor­ta­dos. Elas mui­to pro­va­vel­men­te fa­rão par­te da mas­sa clan­des­ti­na que tam­bém se avo­lu­ma e mar­cha fir­me­men­te na di­re­ção do cri­me. Pa­rem com bo­ba­gens e sai­bam que não é do co­ra­ção que vem o que os in­gê­nu­os cha­mam de “mal­da­de”. Es­sa “mal­da­de” vem do estô­ma­go.

Is­to pos­to, se­nhor juiz, re­quei­ro des­de já o se­guin­te:

- Quan­do uma des­sas cri­an­ças, trans­for­ma­da e alheia à dig­ni­da­de da vi­da hu­ma­na, me ma­tar por con­ta de seu ter­rí­vel mer­gu­lho no abis­mo im­pos­to pe­los car­ni­cei­ros da pá­tria, evi­te con­de­nar o que res­tou de sua in­fân­cia efê­me­ra e já dis­tan­te, pois com to­da a cer­te­za ela não sa­be o que faz. Apli­que uma pe­na cu­jo fim se­ja ca­paz de trans­for­má-la, de dar a ela a opor­tu­ni­da­de que nun­ca te­ve, apre­sen­te-lhe a es­co­la e os li­vros, a me­sa e a co­mi­da, o tra­ba­lho e a cons­ci­ên­cia. Abra a ela uma pos­si­bi­li­da­de.

Pe­ço à mi­nha fi­lha, her­dei­ra tal­vez de uns par­cos re­cur­sos, que os di­vi­da com a cri­an­ça que aju­dei a cri­ar pa­ra me as­sas­si­nar. À fa­mí­lia e aos ami­gos, uma pre­ce. Não a mim, mas ao adul­to que ain­da po­de­rão sal­var.

Compartilhe