Crônicas

O graal e meus cachorros

sexta-feira, 2 de junho de 2017 Texto de

Blog graal e meus cachorros

Eu te­nho me­do de que me fal­te o prin­ci­pal: o tem­po.

É aque­la sen­sa­ção amar­ga da in­cer­te­za. Por­que o de­pois é al­go ab­so­lu­ta­men­te im­pre­vi­sí­vel. Sua fa­ce é inal­can­çá­vel, sem­pre. En­tão, so­bra a es­se res­pei­to ape­nas um va­zio incô­mo­do. O abis­mo as­sus­ta­dor en­tre In­di­a­na Jo­nes e o gra­al. Con­ve­nha­mos, to­dos de­ve­mos so­nhar com nos­so gra­al, in­de­pen­den­te­men­te do qui­la­te de seu me­tal ou da no­bre­za de sua ma­dei­ra. Ele pre­ci­sa es­tar lá, mes­mo dis­tan­te e pro­te­gi­do pe­lo gran­de vá­cuo, mes­mo sen­do às ve­zes qua­se ina­ces­sí­vel, ele pre­ci­sa es­tar lá, pois ine­vi­ta­vel­men­te sem­pre va­mos pa­ra lá.

No fun­do, to­dos so­mos co­mo o pro­ta­go­nis­ta do “De­ser­to dos tár­ta­ros” (de Di­no Buz­za­ti), bem ou mal to­dos vi­ve­mos em bus­ca do con­fron­to com nos­so des­ti­no, ape­sar de es­tar­mos eter­na­men­te ame­a­ça­dos por to­das as pe­ças que ele po­de nos pre­gar. O des­ti­no é uma coi­sa cu­ri­o­sa. Por­que quan­do o afa­ga­mos, nun­ca sa­be­mos se re­al­men­te se tra­ta de­le mes­mo, do des­ti­no. Sua si­lhu­e­ta fan­tas­ma­gó­ri­ca in­sí­pi­da ino­do­ra nos con­fun­de. De to­do mo­do, as­sim mes­mo nós o bus­ca­mos com o ra­bo en­fi­a­do en­tre as per­nas. É que uma mu­lher ou um ho­mem sem um pro­je­to não vi­ve. Ape­nas se en­tre­ga. Não é. Ape­nas es­tá.

Por is­so, quan­do pen­so no meu des­ti­no, que­ro me­ter o be­de­lho em sua de­fi­ni­ção, do “d” ao “o”. Não que­ro fu­gir des­sa res­pon­sa­bi­li­da­de. Que­ro pen­sar que pos­so. Meu de­se­jo é uma or­dem. Pa­ra mim mes­mo, cla­ro. Daí, o tal me­do. Por­que sei que mi­nha lu­ta é ca­paz de in­flu­en­ci­ar meu des­ti­no, mas tam­bém te­nho cons­ci­ên­cia de mi­nha com­ple­ta im­po­tên­cia pa­ra in­ter­vir na li­nha do tem­po. Daí, a ori­gem do tal me­do.

De­pois de uma noi­te em que os pra­ze­res fo­ram se dei­tar co­mi­go nu­ma ca­ma on­de cor­pos ama­nhe­ce­ram fe­den­do a su­or e a sê­men, es­tou ali sen­ta­do nu­ma pe­dra de fren­te pa­ra o ma­to le­ve­men­te mo­lha­do que chei­ra a ar­du­me e me­mó­ria, os fo­ci­nhos ge­la­dos dos meus três ca­chor­ros se re­ve­zam pa­ra me dar bom dia, er­go a ca­ne­ca de alu­mí­nio aci­ma da ca­be­ça pa­ra que a fes­ta de­les não der­ra­me meu ca­fé, dei­xo es­ca­par um lon­go sus­pi­ro, em se­gui­da bo­ce­jo e pei­do rui­do­sa­men­te en­quan­to er­go um pou­co a bun­da do la­do es­quer­do pa­ra dar pas­sa­gem aos ga­ses que se pro­je­tam ru­mo a um es­pa­ço tão imen­so de li­ber­da­de que na­da po­de atra­pa­lhar o pró­xi­mo go­le fu­me­gan­te, ahhhhh, não te­nho na­da pa­ra fa­zer ho­je, só fi­car me lem­bran­do de co­mo foi boa a noi­te, nis­so olho pa­ra a ca­si­nha com a por­ta ain­da en­tre­a­ber­ta, só te­nho que fi­car me lem­bran­do de co­mo po­de­rá ser bom o dia, acho que nem vou pla­ne­jar meu ama­nhã, aca­ri­cio Pan­cho Vil­la Clint, um de ca­da vez pa­ra ser jus­to e não des­per­tar ciú­mes lo­go ce­do, pen­so ou­tra vez: acho que nem vou pla­ne­jar meu ama­nhã, e nis­so meu co­ra­ção dá um sal­to, não sei se de fe­li­ci­da­de, apre­en­são, nos­tal­gia, amar­gu­ra, re­ceio ou o quer que se­ja, bru­tal­men­te es­sa bom­ba in­can­sá­vel me lem­bra aqui den­tro do meu des­ti­no, de que foi pa­ra is­to que vi­vi, ago­ra cu­ri­o­sa­men­te já vol­ta aque­le me­do do iní­cio, é que um ou­tro va­zio co­me­ça a se cri­ar en­tre mim e um no­vo gra­al cu­ja som­bra vai sur­gin­do lá adi­an­te em meio aos ar­bus­tos e ao pio dos pas­sa­ri­nhos, sei que não pos­so fa­zer na­da quan­to ao tem­po, mas é pa­ra lá que eu vou, a úni­ca coi­sa que po­de dar er­ra­do é não en­con­trá-lo a tem­po, o no­vo gra­al, mas ca­so as­sim se­ja já não es­ta­rei aqui pa­ra la­men­tar.

É des­se jei­to, ami­gos, que ma­to, um a um, to­dos os me­dos que me apa­re­cem pe­la fren­te.

Palavras-chave

Compartilhe