Impressões

Sobre Mariana e Paris

sábado, 14 de novembro de 2015 Texto de

Des­cas­cá­va­mos as la­ran­jas miú­das e do­ces, e as cas­cas des­pren­den­do su­mo que im­preg­na­va as mãos e os bra­ços caíam so­bre o ca­pim, on­de aos pou­cos, e com o pas­sar dos di­as, mis­tu­ra­vam-se ao so­lo, tal­vez ali­men­tan­do su­as raí­zes ou ape­nas fun­din­do-se na­tu­ral­men­te com a his­tó­ria de seu bi­o­ma, por as­sim di­zer, num se­xo ele­men­tar em que a ter­ra ime­mo­ri­al pe­ne­tra o ve­ge­tal úmi­do, ou vi­ce-ver­sa, tan­to faz, por­que no pra­zer e na dor a or­dem dos fa­to­res não al­te­ra o pro­du­to, e as­sim des­cas­cá­va­mos as la­ran­jas miú­das com pe­que­nas fa­cas cu­jo me­tal dou­ra­va-se aos úl­ti­mos rai­os de sol es­pi­an­do-nos por de­trás das ár­vo­res, e as­sim mor­ria a tar­de de­va­gar­zi­nho en­quan­to a sei­va da fru­ta es­cor­ria por nos­sa pe­le, já per­ti­nho da noi­te, quan­do a tris­te­za dos cam­pos mói nos­sas car­nes e lam­be de le­ve os os­sos, ao me­nos es­sa é a me­mó­ria ago­ra da­que­les di­as, da pai­sa­gem des­man­chan­do-se mi­nu­to a mi­nu­to, num gran­de bor­rão que me aper­ta­va, sei lá, o pei­to, e avi­sa­va, quem sa­be, das coi­sas ce­gas da vi­da que uma ho­ra nos che­gam co­mo num cla­rão atô­mi­co sem que ti­vés­se­mos nos da­do con­ta de su­as con­sequên­ci­as por­que, afi­nal, nem mes­mo dá­va­mos pe­lo­ta pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de sua pre­sen­ça, quem sa­be, avi­sa­va que fi­cás­se­mos aten­tos, que ve­lás­se­mos por to­das a vi­das, to­dos os ob­je­tos, to­das as cas­cas de la­ran­jas e os mais di­mi­nu­tos tor­rões de areia, que ve­lás­se­mos por tu­do o que nos cer­ca, pois tu­do o que nos cer­ca é o que nos com­ple­ta, a Bra­sí­lia e a Ma­ri­a­na, a Da­mas­co e a Pa­ris, pois tu­do o que nos cer­ca é o que te­mos, en­fim, na vi­da e na mor­te, por­que na mor­te, por mais que te­nha­mos vi­vi­do chei­os de amigos,cheios de fi­lhos, chei­os de gen­te, na mor­te se­re­mos só um, ai, que sau­da­de de des­cas­car la­ran­jas miú­das ao cair da­que­las tar­des tris­tes que eu en­ca­ra­va fei­to es­pe­ran­ça na tra­gé­dia, mas não que­ro vol­tar, não, que­ro se­guir, pois acho que de­pois do ato­lei­ro tem que ha­ver ter­ra fir­me, sem la­ma, e com su­mo nas la­ran­jas, e com san­gue nas vei­as, san­gue cor­ren­do nas vei­as, em Ma­ri­a­na, em Pa­ris, em Da­mas­co.

Compartilhe