Observatório do impossível | Márcio ABC

Crônicas

Observatório do impossível

quarta-feira, 14 de outubro de 2015 Texto de

Daguerreótipo de 1841 C: Divulgação

É no mí­ni­mo es­tra­nha a sen­sa­ção de olhar pa­ra si mes­mo de fo­ra, co­mo se vo­cê fi­zes­se par­te da lis­ta de per­so­na­gens de um re­la­to de fic­ção, co­mo se vo­cê, por me­nos im­por­tan­te que te­nha si­do seu pró­prio pas­sa­do, pu­des­se bis­bi­lho­tar seu pró­prio pas­sa­do, pu­des­se bis­bi­lho­tá-lo atra­vés do olhar de um ter­cei­ro. Es­sa sen­sa­ção me atra­ves­sou por vá­ri­os mo­men­tos do úl­ti­mo fim de se­ma­na e con­ti­nu­ou na ter­ça-fei­ra pós-fe­ri­a­do, quan­do na me­sa ao la­do no ca­fé um gru­po de ra­pa­zes co­men­ta­va coi­sas que ti­nham li­do ou vis­to em re­por­ta­gens na te­le­vi­são.

“Acho que foi no Glo­bo Ru­ral”, dis­se um de­les, ain­da com cer­ta cu­ri­o­si­da­de di­an­te do que ti­nha vis­to. “Na­que­las fa­zen­das de ca­fé, não ha­via ba­nhei­ros den­tro de ca­sa, as pes­so­as le­va­vam jar­ras com água e tam­bém uma ba­cia pa­ra fa­zer o dois du­ran­te a noi­te”, con­ti­nu­ou. “Aí, quan­do usa­vam a ba­cia pa­ra fa­zer o dois, jo­ga­vam ser­ra­gem e tam­pa­vam”.

Eu não me lem­bro da ser­ra­gem, mas ain­da sin­to fu­gaz­men­te o fri­o­zi­nho das bor­das do pe­ni­co nas mi­nhas per­nas de cri­an­ça fi­xa­das em al­gum lu­gar do tem­po que con­si­go me­mo­ri­zar. Eu sou, afi­nal, um dos per­so­na­gens da his­tó­ria da me­sa ao la­do no ca­fé. Atra­vés dos olhos de­les, eu pu­de me ver num lap­so.

A sen­sa­ção a que me re­fi­ro de­ve ser a mes­ma da­que­las ex­pe­ri­ên­ci­as me­ta­fí­si­cas em que vo­cê dá uma es­ca­pa­da do cor­po e po­de olhar pa­ra si mes­mo de fo­ra.

Mas, mui­to além do me­ta­fí­si­co ou mes­mo da sim­ples sen­sa­ção di­an­te de uma per­cep­ção inu­si­ta­da ou à qual vo­cê não es­tá ha­bi­tu­a­do, si­tua-se o as­pec­to his­tó­ri­co. Ge­ral­men­te, olha­mos pa­ra trás co­mo o nar­ra­dor e pou­cas ve­zes co­mo um per­so­na­gem re­al da nar­ra­ti­va. Quan­do nos tor­na­mos um per­so­na­gem re­al, ro­la­mos pa­ra o lim­bo da im­po­tên­cia. Es­ta­mos lá, me­ti­dos em meio ao ca­os que nos tor­na sim­ples bo­ne­cos de pa­no pen­du­ra­dos por cor­dõe­zi­nhos cu­ja ori­gem nos é des­co­nhe­ci­da.

No fim de se­ma­na, nu­ma ex­ten­sa e de­li­ci­o­sa reu­nião fa­mi­li­ar, sen­ti vi­vos os re­fle­xos de uma épo­ca so­bre a qual não pos­so mais exer­cer qual­quer fun­ção ati­va. To­das aque­las pas­sa­gens, in­de­pen­den­te­men­te de seu te­or, com­põem ho­je um ar­qui­vo de di­fí­cil e com­ple­xo aces­so cu­ja se­nha na mai­o­ria das ve­zes não me vem fá­cil à ca­be­ça. São, em ge­ral, atos já cal­ci­na­dos pe­las in­tem­pé­ri­es do tem­po, em­bo­ra es­te­jam eter­na­men­te vin­cu­la­dos à mi­nha ca­pa­ci­da­de de in­te­ra­gir com o pas­sa­do.

Eu ten­to in­te­ra­gir com es­se pas­sa­do que se pul­ve­ri­za en­tre as nu­vens do pre­sen­te e as lu­zes ra­las que pro­cu­ro não per­der de vis­ta lá na­que­le tú­nel que cha­ma­mos de fu­tu­ro. Eu ten­to, mas não é fá­cil. Por­que qua­se sem­pre me pe­go na vez do nar­ra­dor. As en­tra­nhas do per­so­na­gem, no fim das con­tas, pa­re­cem ser ina­ces­sí­veis. Por­que a sen­sa­ção de olhar pa­ra si mes­mo de fo­ra é abrup­ta e ve­loz, du­ra pou­co. É co­mo um so­nho que du­ra na­da mais do que um se­gun­do. Tal­vez ha­ja uma ex­pli­ca­ção ci­en­tí­fi­ca. Mas acho que é ape­nas uma de­fe­sa que nós mes­mos pro­vi­den­ci­a­mos in­cons­ci­en­te­men­te. Pa­ra nos pri­var de nós mes­mos.

Co­mo dis­se o ra­paz da me­sa ao la­do no ca­fé, “é di­fí­cil ima­gi­nar a gen­te dor­min­do com a mer­da to­da bem ali, não é?”.

Palavras-chave

Compartilhe