Impressões

A farra da casa grande

quinta-feira, 20 de março de 2014 Texto de

Não sei se foi Bal­zac, mas dis­se­ram uma vez es­ta fra­se que se per­pe­tu­ou (al­go as­sim): to­da gran­de for­tu­na es­con­de um gran­de cri­me. Tal­vez fi­cas­se me­lhor as­sim: to­da for­tu­na es­con­de um cri­me.

Por­que, in­de­pen­den­te­men­te de ter co­me­ti­do um cri­me tal qual a con­cep­ção con­ven­ci­o­nal, to­da for­tu­na, sim, é cri­mi­no­sa. E na­da há de pi­or pa­ra jus­ti­fi­car es­se cri­me do que sua pró­pria ca­rac­te­rís­ti­ca fun­da­men­tal: a con­cen­tra­ção nu­ma só mão dos re­cur­sos que po­de­ri­am sal­var mi­lha­res de po­bres fa­min­tos in­jus­ti­ça­dos.

Te­o­ri­as à par­te, o fa­to é que o Bra­sil es­tá to­ma­do (tal­vez des­de seu pri­mei­ro dia) pe­los ten­tá­cu­los ab­je­tos de se­nho­res cu­jo en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to se dis­si­pa en­tre as bru­mas de uma so­ci­e­da­de que já nas­ceu te­men­te a Deus e a reis va­ga­bun­dos, pre­gui­ço­sos e co­var­des, pra di­zer o mí­ni­mo da­que­les co­me­do­res de ga­li­nha e en­tre­ga­do­res do ou­ro, do ou­ro alheio, do ou­ro bra­si­lei­ro.

De lá pra cá, o que mu­dou quan­to à ca­sa gran­de e à sen­za­la? Qua­se na­da. Ho­je, é cer­to, às ve­zes en­con­tram-se ne­gros ex­plo­ra­do­res as­su­min­do o lu­gar que an­tes era pri­vi­lé­gio ape­nas dos bran­cos, e bran­cos mi­se­rá­veis cain­do na des­gra­ça que an­tes era des­ti­no ape­nas dos ne­gros.

Mas is­so, di­ga­mos, fi­ca por con­ta da mis­ci­ge­na­ção. Quan­to ao res­tan­te da re­la­ção en­tre po­der e mi­sé­ria, o tom é, co­mo sem­pre, de­fi­ni­do pe­la for­tu­na.

Ve­ja­mos as de­nún­ci­as que ro­lam pe­lo Bra­sil afo­ra. De­nún­ci­as con­tra po­lí­ti­cos de to­das as co­res par­ti­dá­ri­as. De­nún­ci­as que atin­gem gran­des con­glo­me­ra­dos em­pre­sa­ri­ais. Do­nos de po­der. Do­nos de for­tu­na. Ca­pa­zes de tra­mar rou­bos que ul­tra­pas­sam bi­lhões de re­ais, bi­lhões de dó­la­res, bi­lhões de sa­cri­fí­ci­os hu­ma­nos, bi­lhões de sa­ca­na­gens.

E to­dos, po­lí­ti­cos e gran­des for­tu­nas, po­lí­ti­cos e gran­des for­tu­nas cri­mi­no­sos, se­guem com sua vi­da de cham­pa­nhe, ca­vi­ar e sor­ri­sos de­bo­cha­do­res.

Vi­ra­mos, nós os mi­se­rá­veis, nós que es­ta­mos do ou­tro la­do dos po­lí­ti­cos e das gran­des for­tu­nas cri­mi­no­sos, vi­ra­mos pi­a­da. Bas­ta a eles man­da­rem seus por­ta-vo­zes da­rem uma ex­pli­ca­ção va­ga­bun­da qual­quer e pron­to. Es­tá fei­to. Seus ad­vo­ga­dos fa­zem o res­to. Seus re­cur­sos dão con­ta. Sua ca­pa­ci­da­de ime­mo­ri­al de des­tro­çar o que acham pe­la fren­te é su­fi­ci­en­te.

Rou­bam, ma­tam e dão ri­sa­da. Rou­bam, ma­tam e to­mam cham­pa­nhe. Rou­bam, ma­tam e co­mem ca­vi­ar.

Ri­em dos mi­se­rá­veis que, aqui em­bai­xo, es­tão se co­men­do uns aos ou­tros por cau­sa das mi­ga­lhas caí­das das gran­des man­sões lu­xu­o­sas, dos gran­des pa­lá­ci­os acin­to­sos, dos gran­des bol­sos dou­ra­dos.

Ri­em dos mi­se­rá­veis que, aqui em­bai­xo, es­tão tro­can­do ti­ros nos mor­ros, es­tão ar­ras­tan­do mu­lhe­res pe­las ru­as.

Ri­em dos mi­se­rá­veis que, aqui em­bai­xo, es­tão com pu­ta­ri­a­zi­nhas de en­co­xar no me­trô, de bri­gar no trân­si­to, de in­va­dir clu­bes de fu­te­bol pa­ra de­pre­dar e sei lá mais o quê.

Ri­em por­que têm mo­ti­vos de so­bra pa­ra rir. Têm di­nhei­ro e, por­tan­to, saú­de, di­ver­são e pra­zer.

To­da gran­de for­tu­na es­con­de um gran­de cri­me, dis­se­ram.

To­da gran­de for­tu­na es­con­de um ban­do de idi­o­tas, di­go. Um ban­do de idi­o­tas, que so­mos.

Compartilhe