Contos

O badalo misterioso

quinta-feira, 23 de Janeiro de 2014 Texto de
Achei esta foto linda para ilustrar o conto (mas infelizmente não achei o crédito)

Achei es­ta fo­to lin­da pa­ra ilus­trar o con­to (mas in­fe­liz­men­te não achei o cré­di­to)

O pe­que­no gru­po de alu­nos reú­ne-se de­pois das au­las no­tur­nas pa­ra ler em voz al­ta e dis­cu­tir obras li­te­rá­ri­as de gran­des au­to­res. Um dos es­tu­dan­tes, fi­lho do do­no de uma mo­des­ta li­vra­ria nas ime­di­a­ções da es­co­la, con­ven­ce­ra o pai a ce­der-lhes o es­pa­ço pa­ra as ses­sões se­ma­nais.

E lá es­tão na­que­la noi­te com­bi­na­dos de fa­lar so­bre Tchékhov*. Pa­ra co­me­çar, uma das qua­tro mo­ças ha­via es­co­lhi­do a lei­tu­ra de um con­to pou­co co­men­ta­do cu­jo tí­tu­lo da edi­ção que tem em mãos é “Pa­vo­res”.

- É um dos meus pre­fe­ri­dos – in­ter­rom­pe-se de­pois de ler as pri­mei­ras li­nhas, nas quais o nar­ra­dor con­fes­sa que em to­da a sua vi­da só sen­tiu pa­vor três ve­zes, sen­do o pri­mei­ro ca­so o de um cam­pa­ná­rio, vis­to por ele à dis­tân­cia e de on­de es­ca­pa­va uma dé­bil e inex­pli­cá­vel lu­zi­nha: es­te o ob­je­to do pa­vor enun­ci­a­do e so­bre o qual dis­cor­re o au­tor na par­te ini­ci­al do con­to.

Ao ter­mi­nar a lei­tu­ra, en­quan­to ob­ser­va os co­le­gas com seus gran­des olhos cla­ros, a mo­ça de­tém-se a um ti­que já cap­ta­do pe­los de­mais e, no­va­men­te, as­so­pra os ca­be­los que lhe ca­em so­bre a fa­ce an­tes de acres­cen­tar que tal­vez a his­tó­ria a fa­ça lem­brar uma es­tra­nha pas­sa­gem fa­mi­li­ar e que tal­vez se­ja es­se o mo­ti­vo de sua pre­di­le­ção.

- Por que não nos con­ta? – ani­ma-se a es­tu­dan­te sen­ta­da bem à sua fren­te, do ou­tro la­do da me­sa, cu­jos ca­be­los apa­ra­dos na tes­ta por uma fran­ja bem cur­ta lhe con­fe­rem uma apa­rên­cia cu­ri­o­sa­men­te in­fan­til.

- É uma boa ideia – con­cor­da um dos ra­pa­zes pa­re­cen­do cheio de si ao la­do da nar­ra­do­ra.

- Bem – a mo­ça sor­ri de um mo­do tí­mi­do e sim­pá­ti­co, dá dois sus­pi­ri­nhos e de no­vo faz uma ven­ta­nia com a bo­ca na di­re­ção dos ca­be­los, – en­tão aqui vai.

Ela dis­se as­sim:

- Mi­nha avó, que já é bem ve­lhi­nha, con­ta que no po­vo­a­do on­de meu avô mor­reu, is­so há bas­tan­te tem­po, ha­via uma igre­ji­nha a me­nos de meio quilô­me­tro da ca­sa de­les. E to­das as ma­dru­ga­das, quan­do o si­lên­cio era ain­da mais fun­do do que du­ran­te o dia, eles ou­vi­am o si­no ba­da­lar a ca­da uma das ho­ras chei­as. Eles vi­ve­ram lá mui­tos anos, até que cer­to dia as au­to­ri­da­des re­li­gi­o­sas anun­ci­a­ram a re­ti­ra­da do si­no. Na ver­da­de, a igre­ji­nha fe­cha­ria su­as por­tas ali. Acho que na­que­la épo­ca o dis­tri­to se en­con­tra­va pra­ti­ca­men­te de­sa­bi­ta­do, res­tan­do ape­nas du­as ou três fa­mí­li­as de si­ti­an­tes, co­mo eram meus avós. Bem, o ca­so é que le­va­ram o si­no em­bo­ra, mas pa­ra eles pa­re­cia que às ve­zes as ba­da­la­das con­ti­nu­a­vam a eco­ar pe­los ares do lu­gar. Noi­te após noi­te, eles po­di­am ju­rar que em cer­tas ho­ras ou­vi­am o ba­da­lo. Até que meu avô mor­reu. É quan­do vem o des­fe­cho da his­tó­ria. A cer­ta al­tu­ra do ve­ló­rio, mi­nha avó de­bru­çou-se so­bre o ma­ri­do pa­ra bei­jar-lhe a tes­ta e en­tão sen­tiu-se co­mo se sa­cu­di­da por uma on­da de pa­vor e cu­ri­o­si­da­de: ela ju­ra que do ou­vi­do do de­fun­to va­za­va o som de um ba­da­lo cu­jas ba­ti­das ces­sa­ram um se­gun­do an­tes que ela pu­des­se con­fir­má-las com o tes­te­mu­nho de al­guém pre­sen­te.

E nis­so, quan­do ela aca­ba de con­tar o epi­só­dio e to­dos per­ma­ne­cem em si­lên­cio por ins­tan­tes, co­mo se ab­sor­ves­sem al­gum sen­ti­do da des­pre­ten­si­o­sa nar­ra­ti­va, a ga­ro­ta de fran­ji­nha er­gue as so­bran­ce­lhas e faz um mo­vi­men­to com a ca­be­ça que abar­ca em seu olhar in­tri­ga­do to­do o te­to da li­vra­ria:

- Tem al­gu­ma igre­ja aqui per­to, gen­te?

De uma vez, to­do o gru­po vol­ta-se a ela.

- É que...

Sim, sim. Não é pre­ci­so con­ti­nu­ar. To­dos ali ti­nham ou­vi­do. O ba­da­lo. O ní­ti­do som, acom­pa­nha­do de um bre­ve eco, que atra­ves­sa­ra as pa­re­des, as pra­te­lei­ras, os li­vros, in­si­nu­an­do-se num ru­mor­zi­nho que lo­go se dis­si­pou.

O som de um ba­da­lo – pen­sa a es­tu­dan­te que lhes con­ta­ra o pe­que­no epi­só­dio. – O som de um ba­da­lo que ba­te eter­na­men­te. Um ba­da­lo à pro­cu­ra de su­as ho­ras. E que por is­so mes­mo ba­te pa­ra sem­pre. Por­que ja­mais en­con­tra­rá o que se per­deu com o tem­po.

Quan­do se dá con­ta, ago­ra li­vre de seus de­va­nei­os re­cen­tes, ela ou­ve que a da fran­ji­nha já lê ve­loz­men­te a se­gun­da par­te do con­to. O per­so­na­gem de Tchékhov es­tá di­an­te de um mis­té­rio na noi­te: na es­cu­ri­dão, so­bre os tri­lhos fer­ro­viá­ri­os, per­ce­be a apro­xi­ma­ção de um ruí­do que cres­ce ver­ti­gi­no­sa­men­te e, em se­gui­da, a pas­sa­gem de um gran­de vul­to ne­gro...

*(No­ta: uma das gra­fi­as uti­li­za­das por edi­to­ras bra­si­lei­ras)

Compartilhe