Afo­ra em­ba­tes po­lí­ti­cos e econô­mi­cos (aos quais não me ape­ga­rei aqui), o epi­só­dio en­tre a em­pre­sá­ria Lui­za He­le­na Tra­ja­no e o es­cri­tor Di­o­go Mai­nar­di, no Ma­nhat­tan Con­nec­ti­on, mar­te­la um pre­go en­fer­ru­ja­do que só faz ar­rui­nar o cou­ro do jor­na­lis­mo ao ex­por bru­tal­men­te de­sin­for­ma­ção e ar­ro­gân­cia. Es­ta, a ar­ro­gân­cia, foi ex­pe­li­da num ins­tan­te de pos­sí­vel sur­pre­sa: o es­cri­tor co­lu­nis­ta pro­cu­ra con­tra­por-se à for­ça su­pe­ri­or dos da­dos econô­mi­cos e quan­do é aba­ti­do, ven­do-se num be­co sem saí­da, ten­ta dis­far­çar o sor­ri­so ner­vo­so com a iro­nia gros­sei­ra di­an­te de um en­tre­vis­ta­do “me pou­pe, por fa­vor, Lui­za...”.

O fa­to é que o pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção não é obri­ga­do a abar­car to­do ti­po de co­nhe­ci­men­to, a ser o do­no da ver­da­de. Cla­ro que é pre­ci­so se pre­pa­rar pa­ra uma en­tre­vis­ta, mas di­fi­cil­men­te se che­ga ao ní­vel de in­for­ma­ção do en­tre­vis­ta­do, prin­ci­pal­men­te quan­do ele fa­la so­bre um te­ma de seu ab­so­lu­to do­mí­nio. Aliás, se não fos­se as­sim, pa­ra que a en­tre­vis­ta? O pró­prio en­tre­vis­ta­dor po­de­ria di­zer tu­do, não é?

Por­tan­to, não é ver­go­nha ne­nhu­ma ao en­tre­vis­ta­dor ser sur­pre­en­di­do por da­dos en­tre­gues pe­lo en­tre­vis­ta­do. O en­tre­vis­ta­dor de­ve, ao con­trá­rio, sa­bo­re­ar aque­le gos­ti­nho de ter ob­ti­do uma in­for­ma­ção da qual ele mes­mo não ti­nha co­nhe­ci­men­to. Ne­gan­do es­sa ver­da­de, mar­te­lan­do ob­ses­si­va­men­te a ca­be­ça do pre­go de su­as con­vic­ções, o en­tre­vis­ta­dor co­la­bo­ra pa­ra a de­sin­for­ma­ção. Ele pró­prio não se in­for­ma.

A do­en­ça se dis­se­mi­na ra­pi­da­men­te no meio jor­na­lís­ti­co (pa­re­ce-me que Mai­nar­di não é jor­na­lis­ta, mas ho­je em dia quem é jor­na­lis­ta, né?). E tor­nar es­sa do­en­ça ex­plí­ci­ta, em­bo­ra de um mo­do de­se­le­gan­te, é um im­por­tan­te le­ga­do que o es­cri­tor co­lu­nis­ta ro­tei­ris­ta dei­xa pa­ra os ecos do jor­na­lis­mo. Por­que quan­do a do­en­ça é ex­pos­ta cla­ra­men­te, co­mo nes­se ca­so, fi­ca mais fá­cil com­ba­tê-la.

Ar­ro­gân­cia e de­sin­for­ma­ção, tu­mo­res da do­en­ça ex­pos­ta, não cons­ti­tu­em um mal in­cu­ba­do nes­te ou na­que­le pro­fis­si­o­nal de im­pren­sa. Lon­ge dis­so! Sal­va pou­cos e es­tá sol­to por to­da a imen­sa pas­ta­gem jor­na­lís­ti­ca, co­mo um adu­bo trai­ço­ei­ro e ma­lé­vo­lo que atrai os jor­na­lis­tas pa­ra uma len­ta e per­sis­ten­te ru­mi­na­ção de sua pró­pria vai­da­de.

Compartilhe