Geral

Mais opiniões de leitores sobre o livro PATER

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014 Texto de

Ca­pa do li­vro PATER

Pu­bli­co aqui al­gu­mas opi­niões que es­tou re­ce­ben­do de lei­to­res que con­cluí­ram PATER.

“O pri­mei­ro ca­pí­tu­lo do li­vro co­me­ça com o ano que nas­ci, 1985. Lem­brei, em lei­tu­ra da pri­mei­ra pá­gi­na, do Mun­do de So­fia; fa­la da re­la­ção de um co­ro­nel do exér­ci­to e seu fi­lho re­vo­lu­ci­o­ná­rio. Tem co­mo não gos­tar? É mui­to pa­no pra man­ga! Um pai au­to­ri­tá­rio e um fi­lho Ca­ra-pin­ta­da.” (Cli­que aqui pa­ra ler a re­se­nha na ín­te­gra)
Li­li­an Fa­ri­as, for­ma­da em letras/português, es­cri­to­ra, blo­guei­ra e ati­vis­ta so­ci­al

“Nar­ra­ti­va de­li­ci­o­sa, emo­ci­o­nan­te!!! Amei es­se li­vro! Pa­ra­béns Már­cio Abe­cê!!! É o pri­mei­ro li­vro seu que leio e ago­ra que­ro ler Pa­ra­ba­la e Des­ru­mo!!!”
Ana Pau­la Za­ca­ri Fa­ria
Pro­fes­so­ra

Nem sem­pre po­de­mos es­pe­rar que a vi­da nos dê tu­do que desejamos...a cer­ta al­tu­ra da vi­da, di­an­te das con­sequên­ci­as dos ca­mi­nhos que nós mes­mos es­co­lhe­mos, não mais nos é pos­sí­vel re­cu­ar, não mais nos é pos­sí­vel to­mar um ata­lho que nos le­ve a cor­ri­gir o per­cur­so.

Tre­cho do li­vro PATER... tão re­al que me­xeu mui­to comigo...me le­vou de vol­ta a mo­men­tos de mi­nha vi­da que ha­vi­am fi­ca­do ador­me­ci­dos e re­pen­san­do os fa­tos, con­se­gui en­ten­der o porquê.”
Mar­cia M. Na­gae

“Te­nho que re­co­men­dar aos ami­gos a mi­nha mais re­cen­te lei­tu­ra. O li­vro PATER, do jor­na­lis­ta Már­cio ABC (Giz Edi­to­ri­al, 2012), con­ta con­fli­tos vi­vi­dos na Era Col­lor en­tre um pai Co­ro­nel do Exér­ci­to e um fi­lho que des­pon­ta co­mo lí­der es­tu­dan­til na ado­les­cên­cia. En­quan­to a lei­tu­ra nos faz re­vi­ver im­por­tan­tes mo­men­tos da his­tó­ria do Bra­sil, tam­bém nos faz re­fle­tir so­bre con­fli­tos e emo­ções pre­sen­tes em qua­se to­das as fa­mí­li­as.
Me­re­cem des­ta­que pe­lo me­nos du­as pas­sa­gens: a des­cri­ção da en­ce­na­ção da Odis­seia du­ran­te as pas­se­a­tas, com Pe­né­lo­pe re­pre­sen­tan­do a pá­tria; e o Co­ro­nel in­te­ra­gin­do com um dos cães do seu ca­nil, que não se adap­ta­va ao res­to do ban­do. Afi­nal, quem nun­ca sen­tiu que não se adap­ta ao seu ban­do?
O es­ti­lo de tex­to é le­ve e agra­dá­vel, mas con­fes­so que, no co­me­ço da lei­tu­ra, não en­ten­di por que o nar­ra­dor cons­ci­en­te pas­sa­va da cons­ci­ên­cia de um per­so­na­gem pa­ra a de ou­tro sem mu­dan­ça de ca­pí­tu­los ou pa­rá­gra­fos co­mo é co­mum nos tex­tos que apre­sen­tam si­tu­a­ção se­me­lhan­te. Não co­nhe­ci o au­tor pes­so­al­men­te. Es­tu­dei jor­na­lis­mo em Bau­ru, on­de ele tra­ba­lha, mas não fo­mos con­tem­po­râ­ne­os de fa­cul­da­de. No en­tan­to, al­go me di­zia que, pe­la ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal que tem, Már­cio ti­nha um pro­pó­si­to nes­sa nar­ra­ção con­ti­nu­a­da en­tre as cons­ci­ên­ci­as de vá­ri­os per­so­na­gens. E não me en­ga­nei. Cla­ro que não vou con­tar o porquê. Su­gi­ro que leia o li­vro.”
Pa­trí­cia Ma­glio
Jor­na­lis­ta

“Em PATER me afei­ço­ei a dois per­so­na­gens em es­pe­ci­al: Dou­to­ra Dag­mar, que a des­pei­to de fa­tos e pes­so­as, na­ve­ga pe­la his­tó­ria com su­as co­xas ro­li­ças, e Clint, o bo­bo da cor­te. Ale­xan­dre é en­can­ta­dor, em­bo­ra to­do mun­do di­ga que ado­les­cen­te é cha­to; pon­to pra se­le­ção e or­ga­ni­za­ção de me­mó­ri­as fei­ta pe­lo Co­ro­nel- em­bo­ra to­do mun­do des­con­fie que Dag­mar, Clint, Ale­xan­dre e o co­ro­nel te­nham um úni­co pai.”
Mar­li Nu­nes

“Ex­ce­len­te! Per­fei­ta e en­vol­ven­te ra­di­o­gra­fia li­te­rá­ria dos anos Col­lor! Um sím­bo­lo da for­ça da ju­ven­tu­de, que abor­ta­da na épo­ca, re­nas­ceu ago­ra nas ru­as de ju­nho!”
Luiz Vi­tor Mar­ti­nel­lo
Es­cri­tor

“PATER é um li­vro que traz uma emo­ção que acho que nem sa­be­mos que exis­te den­tro de nós. Fi­quei mui­to sa­tis­fei­to com a lei­tu­ra.”
Ra­fa­el Sou­za
Es­tu­dan­te

“A sen­si­bi­li­da­de com que seu li­vro tra­ta um te­ma tão de­li­ca­do, a re­la­ção en­tre pai e fi­lho, é de se ad­mi­rar. Fi­quei co­mo­vi­da em vá­ri­as opor­tu­ni­da­des du­ran­te a lei­tu­ra. É um li­vro que não dá pra dei­xar pra de­pois, quan­do eu co­lo­ca­va ele de la­do eu ou­via ele me cha­mar. Óti­mo li­vro!”
Ali­ce S. Fer­nan­des
Es­tu­dan­te

“Li PATER e me emo­ci­o­nei com o li­vro.”
Ná­dia Bar­nes
Se­cre­tá­ria exe­cu­ti­va

“Sen­sa­ci­o­nal o li­vro PATER.”
Mar­ce­lo Ro­cha
Jor­na­lis­ta

“Li Pa­ter e ado­rei. Li­vro de gen­te gran­de.”
Ma­ria Ele­na Co­vre
Jor­na­lis­ta

“Ca­ro Már­cio ABC, apro­vei­tei o Car­na­val pa­ra ler seu li­vro PATER. Vou ser sin­ce­ro, não gos­to de ler au­to­res que não co­nhe­ço por­que já te­nho mui­tos que gos­to e ain­da pre­ci­so ler mui­ta coi­sa de­les. Ou­tra coi­sa é que não com­prei seu li­vro e não o le­ria se uma ami­ga não ti­ves­se me em­pres­ta­do. Co­me­cei a ler seu li­vro no do­min­go de Car­na­val du­ran­te a tar­de e sem qua­se ter per­ce­bi­do no ou­tro dia em vá­ri­os mo­men­tos me lem­brei que que­ria con­ti­nu­ar len­do de noi­te. Uma lei­tu­ra emo­ci­o­nan­te no avan­çar das pá­gi­nas. Pa­ra­béns pe­lo seu li­vro e pe­lo seu blog tam­bém, pois o co­nhe­ci ho­je.”
Fer­nan­do Jo­sé
Pro­fes­sor

“Már­cio, vi­a­jei por 30 ho­ras na vin­da de Cá­ce­res pa­ra Ca­fe­lân­dia, os atra­sos ha­bi­tu­ais de­vi­do as inú­me­ras pa­ra­das e as chu­vas que fo­ram de­mais, po­rém não sen­ti o tem­po pas­sar, pois a lei­tu­ra de “PATER” me en­vol­veu tan­to que não per­ce­bi o tem­po, nem a dis­tân­cia. En­can­ta-me ler os seus es­cri­tos tão chei­os de de­ta­lhes, e ain­da me ale­gra mui­to sa­ber que pos­so di­zer que o Es­cri­tor Már­cio ABC fez par­te de mi­nha ado­les­cên­cia e sem­pre se­rá meu di­le­to ami­go. PATER de­ve­ria ser um li­vro de ca­be­cei­ra pa­ra tan­tos pais que so­frem o di­le­ma de não sa­ber de­mons­trar e vi­ver o amor que sen­tem por seus fi­lhos. A lei­tu­ra pren­de a nos­sa aten­ção, pas­sa­mos a ser par­te in­te­gran­te da his­tó­ria, por­que tor­ce­mos mui­to pe­lo jo­vem Ale­xan­dre, que sou­be su­pe­rar os seus con­fli­tos pes­so­ais e to­mar as ré­de­as de sua vi­da e se­guir mes­mo sem o apoio do pai, e ao mes­mo tem­po tor­ce­mos pa­ra que o pai se­ja trans­for­ma­do , se não an­tes, pe­lo me­nos de­pois da que­da do seu pe­des­tal, que era a sua pa­ten­te. O fim, bom o fim, lá­gri­mas né, cla­ro! Pa­ra­béns, mui­to bom!”
Ze­li Car­va­lho

“Gos­to de­mais do seu jei­to de escrever...a gen­te se sen­te par­te da nar­ra­ti­va. Por is­so não pre­ci­so nem di­zer quan­to amei PATER, que ter­mi­nei de ler ago­ra. Ma­ra­vi­lho­so.”
Sonya Tei­xei­ra
Ad­vo­ga­da

“Pre­za­do Már­cio ABC, ao ler seu li­vro me ba­teu uma gran­de sau­da­de da épo­ca em que fo­mos pa­ra a rua com as ca­ras pin­ta­das. Vin­te anos se pas­sa­ram e mui­ta coi­sa con­ti­nua se re­pe­tin­do na nos­sa po­lí­ti­ca. Mas len­do seu li­vro, no fim, é per­cep­tí­vel a ca­pa­ci­da­de de su­pe­ra­ção das pes­so­as, dos bra­si­lei­ros. Pa­ra­béns por sua ca­pa­ci­da­de de nos trans­mi­tir es­sa es­pe­ran­ça em seu li­vro.”
Ví­tor Ri­bei­ro
For­ma­do em le­tras

“Te­mi­nei PATER. Me an­gus­ti­a­va tan­ta coi­sa pa­ra acon­te­cer e fal­ta­rem pou­cas pá­gi­nas. Mas tu­do se en­cai­xou no fi­nal... A prin­cí­pio me pa­re­ceu in­ve­ros­sí­mil o co­ro­nel nar­rar com tan­tos de­ta­lhes os pas­sos do fi­lho que pou­co co­nhe­cia, mas pu­de en­ten­der co­mo mer­gu­lhou em su­as me­mó­ri­as pa­ra, en­fim, fi­car ín­ti­mo de­le. Pa­ra­béns pe­la obra! Que ve­nham mui­tas ou­tras.”
Fer­nan­do Be­a­gá
Jor­na­lis­ta

“Óti­mo. Lei­tu­ra agra­dá­vel e en­vol­ven­te. Os per­so­na­gens (es­pe­ci­al­men­te os dois pro­ta­go­nis­tas) são com­ple­tos, tri­di­men­si­o­nais, e o dra­ma en­tre eles foi mui­to bem cons­truí­do (se o au­tor fos­se eu, pro­va­vel­men­te vi­ra­ria uma no­ve­la me­xi­ca­na, não ia dar cer­to, mas tu o fi­zes­te com ele­gân­cia). Pa­ra­béns mais uma vez. Es­tás cons­truin­do uma car­rei­ra de ro­man­cis­ta fir­me, con­sis­ten­te, e eu me or­gu­lho de acom­pa­nhá-la des­de o co­me­ço (ain­da le­vo o Pa­ra­ba­la a sa­raus, quan­do me pe­dem pa­ra ler al­gu­ma coi­sa).”
Le­o­nar­do Bra­si­li­en­se
Es­cri­tor ven­ce­dor do Ja­bu­ti

“Li Pa­ter em du­as noi­tes, de­vo­ran­do ca­da pa­la­vra, ne­gan­do o so­no por­que que­ria ver o que acon­te­ce­ria com Ale­xan­dre. Cho­rei no fi­nal. Amei! De­li­ci­o­so, im­pre­vi­sí­vel, si­tu­a­do his­tó­ri­ca e ma­ra­vi­lho­sa­men­te bem.”
Már­cia Bu­za­laf
Jor­na­lis­ta

“Aca­bo de ler o seu li­vro PATER. Fan­tás­ti­co! Pa­ra­béns!!!!”
Pa­blo Fer­rei­ra
En­ge­nhei­ro ci­vil

“Aca­bei de ler seu li­vro. Sur­pre­en­den­te e ma­ra­vi­lho­so! O mo­vi­men­to dos ca­ras pin­ta­das em SP mar­cou meu ter­cei­ro co­le­gi­al, par­ti­ci­pa­mos ati­va­men­te em 92! Que sau­da­de. Fi­quei en­can­ta­da com o li­vro!”
Jo­el­ma Ma­ri­no
Jor­na­lis­ta

“Pa­ter em uma pa­la­vra: ENVOLVENTE. Lei­tu­ra sen­sa­ci­o­nal!!!! Na era que so­mos obri­ga­dos a con­tar ca­rac­te­res, es­cre­ver ca­da vez mais em me­nos pa­la­vras, seu li­vro tem o po­der de fa­zer es­que­cer es­sa ‘di­ta­du­ra con­tem­po­râ­nea’.”
Fer­nan­da Ia­ros­si
Jor­na­lis­ta

“Co­me­cei a ler Pa­ter on­tem e ho­je já ter­mi­nei. Es­tou, no mo­men­to, do­mi­na­do pe­la tris­te­za que ba­te quan­do uma lei­tu­ra boa che­ga ao fim. Que his­tó­ria ma­ra­vi­lho­sa! Ori­gi­nal, bem es­cri­ta e emo­ci­o­nan­te. Pa­re­ce cli­chê de ma­té­ria elo­gi­o­sa en­co­men­da­da, mas não é: é im­pos­sí­vel pa­rar de ler. Ain­da es­tou sem fô­le­go e com lá­gri­mas nos olhos por con­ta do fi­nal.”
Ga­bri­el Gar­cia Mar­ti­não
Es­tu­dan­te

“Pre­za­do Már­cio, gos­tei mui­to de teu ro­man­ce PATER. Ex­ce­len­te nar­ra­ti­va. A pe­te­ca não cai, is­to é, tu man­téns o lei­tor sem­pre aten­to, se­guin­do uma his­tó­ria que não per­de o rit­mo.
“Quan­do a his­tó­ria pa­re­ce ir pa­ra de­ter­mi­na­do ca­mi­nho, tu pro­vo­cas gran­des sur­pre­sas. Uma abor­da­gem de­li­ca­da da re­la­ção en­tre pai e fi­lho, e, mes­mo as­sim, um ro­man­ce que não fi­ca con­ti­do nes­te as­pec­to psi­co­ló­gi­co - im­por­tan­tís­si­mo, é cla­ro (quem sou eu pa­ra di­zer que es­sa re­la­ção não é fun­da­men­tal...).
“ Na cer­ta mui­tos dos teus lei­to­res de­vem ter se quei­xa­do do que acon­te­ce com teu per­so­na­gem prin­ci­pal. Uma lás­ti­ma! Na­que­la ho­ra, fiz par­te da tur­ma que dis­se: pu­xa vi­da, por quê? Mas o úl­ti­mo ca­pí­tu­lo me fez mu­dar de ideia. Ex­ce­len­te. Vi­rou a his­tó­ria no­va­men­te.
Um bai­ta li­vro!”
Vi­tor Bi­a­so­li
Es­cri­tor e po­e­ta

“Oi Már­cio tu­do bem? Aca­bei de ler Pa­ter. Ado­rei. Que lei­tu­ra de­li­ci­o­sa a gen­te faz quan­do há uma es­tó­ria ri­ca em de­ta­lhes. Uma vi­a­gem no tem­po, lem­bran­ças não tão agra­dá­veis so­bre acon­te­ci­men­tos po­lí­ti­cos que não gos­ta­ría­mos de ter vi­vi­do, mas um emo­ci­o­nan­te re­la­to das re­la­ções hu­ma­nas e uma boa do­se de re­fle­xão so­bre co­mo nós mes­mos es­ta­mos tra­çan­do nos­sas vi­das. Pa­ra­béns.”
Ma­ria Amé­ri­ca Fer­rei­ra
Jor­na­lis­ta

“Már­cio, aca­bei de ler seu li­vro Pa­ter. Co­mo sem­pre acon­te­ce quan­do leio seus li­vros, fi­quei pre­sa à his­tó­ria, à ma­nei­ra co­mo vo­cê nar­ra os fa­tos que acom­pa­nhei de per­to na épo­ca em que acon­te­ce­ram, e aos per­so­na­gens que vo­cê cri­ou. Pa­ra­béns mais uma vez.”
Ana Flo­res
Es­cri­to­ra e tra­du­to­ra

“Már­cio, o seu li­vro es­tá es­pan­to­sa­men­te bem es­cri­to, o lé­xi­co uti­li­za­do é per­fei­to, lim­po, en­xu­to, sim­ples, e, por is­so mes­mo, ex­tre­ma­men­te ele­gan­te; cons­tru­ções de ima­gens efi­ci­en­tes, emo­ci­o­nan­tes e ex­pres­si­vas; ca­pí­tu­los bem equi­li­bra­dos e bem di­vi­di­dos; diá­lo­gos bem fei­tos; os per­so­na­gens são, sem ex­ce­ção, mui­to bem cons­truí­dos e co­e­ren­tes.
“De ma­nei­ra mui­to sen­sí­vel, vo­cê vai des­fi­an­do a di­fí­cil re­la­ção en­tre pai e fi­lho. Am­bos de per­so­na­li­da­des com­ple­xas (afi­nal de con­tas, co­mo to­dos nós), imer­sos em um gran­de so­fri­men­to pro­vo­ca­do pe­la in­co­mu­ni­ca­bi­li­da­de. A evo­lu­ção do pai é cla­rís­si­ma, ape­sar de su­til, na sua mu­dan­ça, por exem­plo, na ma­nei­ra de ver o ami­go gay do fi­lho; no es­for­ço em se man­ter ape­nas em es­pe­ra di­an­te de si­tu­a­ções com as quais não con­cor­da, con­tra­ri­an­do o há­bi­to exi­gi­do por sua pro­fis­são.
“A evo­lu­ção do fi­lho tam­bém é es­miu­ça­da de ma­nei­ra co­mo­ven­te, em sua pas­sa­gem de cri­an­ça a ho­mem, em sua for­ça ao aguen­tar, em si­lên­cio, re­ve­la­ções ter­rí­veis so­bre o pai.
“O fi­nal é sur­pre­en­den­te, com a lembrança/descoberta do que de­li­ne­ou es­sa re­la­ção tão di­fí­cil e do­lo­ri­da.
“Seu li­vro é uni­ver­sal, co­mo a boa li­te­ra­tu­ra, por­que traz à to­na do­res pro­fun­das pos­sí­veis na vi­da de ca­da um de nós, em nos­sos re­la­ci­o­na­men­tos. PATER ‘es­fre­ga na ca­ra do lei­tor’ a res­pon­sa­bi­li­da­de de to­dos nós ao to­mar­mos de­ci­sões, ao agir­mos de uma ma­nei­ra ou de ou­tra, ao dei­xar­mos pa­ra de­pois um abra­ço, um bei­jo, um ges­to ou pa­la­vra de amor. Mos­tra a ine­xo­ra­bi­li­da­de do des­ti­no e a fra­gi­li­da­de do con­tro­le da vi­da e da mor­te. Mos­tra, por fim, a ca­pa­ci­da­de de su­pe­ra­ção que nos acom­pa­nha, tor­nan­do-nos so­bre­vi­ven­tes ain­da ca­pa­zes de ser fe­li­zes.
“Além dis­so, o li­vro é um ex­ce­len­te tes­te­mu­nho des­sa fa­se tão con­tur­ba­da da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra, pas­san­do pe­los anos de chum­bo da di­ta­du­ra mi­li­tar.
Meus pa­ra­béns!”
Lú­cia Fac­co
Dou­to­ra em li­te­ra­tu­ra e crí­ti­ca li­te­rá­ria

“Co­mo sem­pre a sur­pre­en­der a to­dos, in­clu­si­ve no seu pró­prio mun­do com PATER. Ti­nha uma ideia já for­mu­la­da so­bre o li­vro até que ela foi des­truí­da com o uso de pou­cas pa­la­vras: es­se é o Már­cio, o nos­so Már­cio, o Már­cio de to­dos (ou de pou­cos), mas ain­da as­sim o Már­cio O gran­de Már­cio com seu gran­de li­vro.”
Ga­bri­el Fe­za
Es­tu­dan­te

“Ter­mi­nei de ler PATER, do que­ri­do Már­cio ABC. Sem for­ma­ção de crí­ti­ca cul­tu­ral, con­si­go ir pou­co além do “gos­tei”, “li-em-uma-sen­ta­da” ou “é-um-li­vro-que-pren­de”. De to­da for­ma, vou com­par­ti­lhar al­gu­mas per­cep­ções, mes­mo que não se­jam bri­lhan­tes.
“A elas: de fa­to, o li­vro pren­de, li em uma se­ma­na e gos­tei mui­to. A obra cum­pre aque­la fun­ção da li­te­ra­tu­ra de nos fa­zer re­fle­tir so­bre nós mes­mos, nos­sas emo­ções, a for­ma co­mo ve­mos o mun­do.
“No ca­so de PATER, a re­fle­xão prin­ci­pal gi­ra em tor­no das re­la­ções mais pró­xi­mas, co­mo fi­lhos ou co­mo pais. E is­so foi tão in­ten­so que pre­ci­sei de qua­se ou­tra se­ma­na pa­ra con­se­guir es­cre­ver so­bre o li­vro, mes­mo que pou­cas li­nhas. É co­mo aque­le fil­me, que não ter­mi­na ao sair do ci­ne­ma. Fi­ca in­sis­ten­te­men­te mar­te­lan­do em nos­sa men­te por di­as. Mi­nha re­la­ção com PATER foi as­sim. De­pois da úl­ti­ma pá­gi­na, ele con­ti­nu­a­va in­do e vin­do.
“Além des­sa in­ten­si­da­de com que Már­cio tra­ba­lha os per­so­na­gens, gos­ta­ria de des­ta­car que ele con­se­gue sur­pre­en­der, tam­bém no es­ti­lo, em re­la­ção às du­as ou­tras obras – Pa­ra­ba­la e Des­ru­mo (sou sua lei­to­ra fi­el). Ho­nes­ta­men­te, es­ta­va cu­ri­o­sa pa­ra ver co­mo ele se li­vra­ria do am­bi­en­te ru­ral e, mui­to pro­va­vel­men­te, da ins­pi­ra­ção vin­da de su­as ex­pe­ri­ên­ci­as em La­goa Se­ca. Mas, ABC tam­bém tran­si­ta com ma­es­tria pe­lo mun­do ur­ba­no. Pa­re­ce-me um in­di­ca­ti­vo cla­ro de um óti­mo es­cri­tor. Re­co­men­do!”
Ro­se­a­ne An­dre­lo
Jor­na­lis­ta e pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria

“Ca­ro Már­cio ABC, eu não o co­nhe­cia. Um ami­go es­tu­di­o­so de li­te­ra­tu­ra in­di­cou-me seu li­vro “Des­ru­mo”, que li e con­si­de­rei uma gran­de obra por sua mag­ni­tu­de li­te­rá­ria, cons­tru­ção de pa­la­vras e fra­ses ines­que­cí­veis. Ago­ra, co­nhe­cen­do o au­tor, vi seu no­vo li­vro nu­ma lo­ja vir­tu­al e o en­co­men­dei. Com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do an­te­ri­or e no­va­men­te uma de­lí­cia de lei­tu­ra. Ou­tra lin­gua­gem, mas a mes­ma ca­pa­ci­da­de de nos pren­der e nos fa­zer pen­sar so­bre a vi­da. Gos­tei, apro­vei e já o em­pres­tei.”
Al­ci­no Li­ma
Pro­fes­sor

“Acho tão di­fí­cil es­cre­ver qual­quer coi­sa so­bre obras de ar­te... Pi­or ain­da quan­do a obra é de um ami­go, ca­so do li­vro “PATER”, do Már­cio ABC. Gos­to sem­pre de ser isen­ta e, num ca­so des­se, ad­mi­to: é qua­se im­pos­sí­vel. A me­lhor coi­sa é ten­tar ser sin­ce­ra. Lá vai: gos­tei mui­to do per­fil psi­co­ló­gi­co dos per­so­na­gens. Bem de­fi­ni­dos, pro­fun­dos. En­gra­ça­do, mas vi o Már­cio tan­to no pai co­mo no fi­lho. O tem­po to­do. Is­so foi o mais mar­can­te. Co­mo já es­cre­ve­ram ou­tras pes­so­as, é li­vro pa­ra pe­gar e só lar­gar no fim. Li­vro que gru­da. Na ten­ta­ti­va qua­se im­pra­ti­cá­vel de man­ter a sin­ce­ri­da­de, tem uma coi­sa que me dei­xou in­tri­ga­da e com von­ta­de de sa­ber mais. É so­bre a tor­tu­ra de um mi­li­tar por ou­tros mi­li­ta­res. Foi cas­ti­go? Foi pa­ra ar­ran­car uma con­fis­são? Mi­li­ta­res tor­tu­ram mes­mo ou­tros mi­li­ta­res? Acho que o te­ma dá um PATER 2.”
Cris­ti­na Ca­mar­go
Jor­na­lis­ta

“Aca­bei de ler o li­vro PATER de Már­cio ABC. ADOREI!!!! Ele é um es­cri­tor ma­ra­vi­lho­so. Seu tex­to é ine­bri­an­te e tem o po­der de pren­der a aten­ção até a úl­ti­ma li­nha. In­di­co a to­dos vcs. Não per­cam!!!!!!!!”
Ch­ris­ti­a­ne Lip­pi
Ban­cá­ria

“Pre­za­do au­tor, du­ran­te a lei­tu­ra de seu li­vro, num mo­men­to ini­ci­al, sus­pei­tei es­tar len­do uma obra de um es­cri­tor di­rei­tis­ta, por su­as alu­sões a um co­ro­nel até cer­to pon­to sen­sí­vel, mas em se­gui­da, no an­da­men­to da his­tó­ria, com­pre­en­di a be­la men­sa­gem que vo­cê pro­cu­ra pas­sar. Pa­ra­béns!”
Flá­vio Mar­tins
Con­sul­tor de ven­das

“Már­cio ABC, li seu li­vro e não acho que se­ja uma obra-pri­ma, mas é um li­vro mui­to bom, sem dú­vi­da, da­que­les que co­me­ça­mos a ler e nos­sa men­te fi­ca nos lem­bran­do a to­do mo­men­to que pre­ci­sa­mos con­ti­nu­ar, nos­sa cu­ri­o­si­da­de fi­ca nos co­bran­do, sa­be? Uma coi­sa que me mar­cou bas­tan­te foi ver o tra­ta­men­to que vo­cê deu ao co­ro­nel. Ge­ral­men­te, os mi­li­ta­res são tra­ta­dos de um jei­to frio e cal­cu­lis­ta. Vo­cê deu uma chan­ce a ele. Gos­tei mui­to dis­so tam­bém. Va­leu a pe­na co­nhe­cer um no­vo au­tor.”
Ve­ra Lú­cia Frei­tas
Co­mer­ci­an­te


Ve­ja tam­bém al­gu­mas pu­bli­ca­ções so­bre o li­vro na mí­dia

Palavras-chave

Compartilhe