Crônicas

Gangues

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014 Texto de

Até ho­je ten­to de­co­rar o jei­to cer­to de es­cre­ver o no­me do Le­o­nar­do Di­Ca­prio. Tu­do jun­to (o so­bre­no­me com o C maiús­cu­lo). Pu­ta que o pa­riu, que com­pli­ca­ção! Bom, en­fim, é as­sim. Bom ou­tra vez, fa­zia al­guns di­as que eu que­ria es­cre­ver is­to (acho que des­de que co­me­cei acom­pa­nhar “Amo­res Rou­ba­dos”, a mi­nis­sé­rie da Glo­bo).

Por­que é o se­guin­te: Cauã Rey­mond (ou­tra apor­ri­nha­ção na ho­ra de es­cre­ver – por que as pes­so­as não bo­tam no­mes sim­ples co­mo “Már­cio ABC”, “Sér­gio Ben­to”, “João Pe­dro”, “Ana Cla­ra”?) , Cauã Rey­mond cra­vou em “Amo­res Rou­ba­dos” o que Le­o­nar­do Di­Ca­prio atin­giu em “Gan­gues de No­va York”.

Por que is­so ago­ra?

Sim­ples: che­guei da rua e, en­quan­to co­mia um pão fo­fo que a mu­lher me ven­deu na es­qui­na do bar (eu es­ta­va to­man­do cer­ve­ja com o João Pe­dro Fe­za) e na ho­ra em que eu pe­guei o pão ela me pu­xou pe­lo bra­ço e dis­se “os olhos de Deus es­tão em vo­cê”, en­fim, quan­do che­guei da rua e li­guei a TV, a Fox es­ta­va pas­san­do “Gan­gues de No­va York”.

Foi o fil­me em que o Di­Ca­prio (ago­ra es­tou se­gu­ro pa­ra es­cre­ver o no­me de­le, en­tão es­cre­ve­rei bas­tan­te, co­mo fez meu ami­go De­co uma vez em que, che­gan­do à me­sa do bar, eu o ob­ser­vei in­qui­e­to e ca­la­do – exa­ta­men­te o con­trá­rio de co­mo ele se com­por­ta­va. Sen­tei ao seu la­do e per­gun­tei: “que foi, De­co?”. E ele: “ABC, co­mo é o no­me des­se ca­ra com quem es­tou con­ver­san­do há umas du­as ho­ras e não me lem­bro?” Eu: “É Pe­dro, De­co”. Ele: “Ver­da­de!”. E daí em di­an­te, a noi­te in­tei­ra, nun­ca ou­vi tan­to “Pe­dro” na mi­nha vi­da.) , o Di­Ca­prio (uhu!) su­biu o de­grau do ga­lã­zi­nho ga­to pa­ra ator de ver­da­de, o mes­mo que acon­te­ce ago­ra na be­la mi­nis­sé­rie da Glo­bo com o Cauã.

Pa­ra­béns, bo­ni­tões. Tu­do bem que a di­re­ção aju­da, né? Di­Ca­prio (iéiéiéié), por exem­plo, te­ve a aju­da do mai­or di­re­tor de to­dos os tem­pos (per­dão, Clint, mas o que pos­so di­zer?): Scor­se­se.

Ou­tra aju­da va­li­o­sa pa­ra Di­Ca­prio de­ve ter si­do a de Da­ni­el Day-Lewis, que já ti­nha fei­to “Meu pé es­quer­do” e “Em no­me do pai”.

Se­rá que Pa­tri­cia Pil­lar e Os­mar Pra­do tam­bém aju­da­ram Cauã? Po­de ser.

Bom, em “Amo­res Rou­ba­dos”, re­pi­to, Cauã foi o Di­Ca­prio (to­ma, loi­ri­nho!) de “Gan­gues”, foi o ins­tan­te em que ele su­biu o de­grau, dei­xou de ser a ca­ri­nha bo­ni­ta (Ah, seu fo­da!).

Eu, pra di­zer a ver­da­de, não me lem­bro mais a es­ta al­tu­ra o des­fe­cho pla­ne­ja­do pa­ra es­te tex­to.

Ti­nha al­gu­ma coi­sa pra di­zer, não sei se era do Di­Ca­prio (chu­pa, Léo!) ou do Cauã (acho que não). É que a ce­na fi­nal de “Gan­gues”, quan­do Di­Ca­prio (ahahahahah!) diz (em nar­ra­ção) que nin­guém se lem­bra­rá de­les, sem­pre me faz lem­brar de nós to­dos, os ba­ba­cas pre­o­cu­pa­dos com as me­ni­nas que o Ro­nal­di­nho Gaú­cho es­tá co­men­do, os in­con­for­ma­dos com a opres­são aos ga­ro­tos po­bres que que­rem ir aos shop­pings, os ca­ras que pas­sam a mão na pró­pria bun­da e sen­tem os de­dos gros­sos dos po­lí­ti­cos.

O que eu ia di­zer mes­mo?

Palavras-chave

Compartilhe