ASSOMBRANDO OS POLÍTICOS: manifestantes no Congresso Nacional

ASSOMBRANDO OS POLÍTICOS: ma­ni­fes­tan­tes no Con­gres­so Na­ci­o­nal (Fo­to: Agên­cia Bra­sil)

Com to­do o res­pei­to de sem­pre às opi­niões con­trá­ri­as, acho uma gran­de bo­ba­gem es­sa his­tó­ria de fi­car li­gan­do o atu­al mo­vi­men­to das ru­as a uma pró­xi­ma elei­ção qual­quer.

Vin­cu­lar a im­por­tân­cia das ma­ni­fes­ta­ções a um de­ter­mi­na­do re­sul­ta­do nas ur­nas soa ao ve­lho es­pec­tro con­ser­va­dor e co­mo­dis­ta que cos­tu­ma mar­car a po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra.

É exa­ta­men­te o com­ba­te a es­se es­tig­ma que me pa­re­ce ser o prin­ci­pal as­pec­to da no­va ati­tu­de que to­ma as ru­as de to­do o país.

Vo­to não é a úni­ca ar­ma do po­vo.

Sem­pre ten­tam nos fa­zer crer nes­sa men­ti­ra, des­mas­ca­ra­da ago­ra nas noi­tes ra­di­an­tes de nos­so ou­to­no. Ve­jam co­mo é cô­mo­do: vo­tem bem, mas se er­ra­rem é só es­pe­rar mais qua­tro anos, co­mo cor­dei­ri­nhos, en­quan­to nós con­ti­nu­a­mos aqui com as sa­ca­na­gens de sem­pre.

O vo­to nes­te mo­men­to é se­cun­dá­rio. Com­ple­ta­men­te se­cun­dá­rio.

A es­co­lha de bons no­mes em 2014, as­sim co­mo em qual­quer ou­tra elei­ção, de­ve ser uma con­sequên­cia das ações po­lí­ti­cas da so­ci­e­da­de, e não o con­trá­rio.

Di­zer que o atu­al mo­vi­men­to só te­rá re­sul­ta­do con­cre­to se sou­ber­mos ele­ger bons can­di­da­tos é qua­se um des­res­pei­to à ver­da­dei­ra trans­for­ma­ção por que pas­sa o Bra­sil nes­te mo­men­to. A elei­ção de­ve ser o de­sa­gua­dou­ro de um de­se­jo po­pu­lar cons­truí­do exa­ta­men­te em ma­ni­fes­ta­ções po­pu­la­res, se pos­sí­vel tão es­pon­tâ­ne­as quan­to as de ho­je.

Um vo­to não é ca­paz de for­mu­lar um bom can­di­da­to, mas uma con­tí­nua ação po­lí­ti­ca po­pu­lar é ca­paz de cons­truí-lo.

Aliás, eu per­gun­to: o que são bons can­di­da­tos? Um bom can­di­da­to pa­ra mim po­de ser um mau can­di­da­to pa­ra vo­cê, e vi­ce-ver­sa. Cla­ro, não es­tou fa­lan­do aqui dos ban­di­dos, fi­chas su­jas e afins.

Quem aí nun­ca vo­tou em al­guém que ti­nha tu­do pa­ra ser um bom po­lí­ti­co e, elei­to, tor­nou-se uma de­cep­ção?

Pra mim, a elei­ção im­por­ta tan­to quan­to a pres­são po­pu­lar, a fis­ca­li­za­ção cons­tan­te, a co­bran­ça, a ati­tu­de do elei­to­ra­do. Só as­sim o po­lí­ti­co, bom ou mau, vai pen­sar dez ve­zes an­tes de vo­tar um pro­je­to im­por­tan­te, an­tes de cair na ten­ta­ção dos cor­rup­tos, an­tes de re­zar na car­ti­lha dos apro­vei­ta­do­res, an­tes de bo­tar no nos­so ra­bo, amém.

Compartilhe