Impressões

De homens e papas

quarta-feira, 13 de Março de 2013 Texto de
Afresco de Michelangelo na Capela Sistina

Afres­co de Mi­che­lan­ge­lo na Ca­pe­la Sis­ti­na

Na mi­nha ci­da­de ha­via um pa­dre que era su­per mo­der­no, is­so lá pe­la dé­ca­da de 1980. Pois bem, cri­ti­ca­vam-no. An­tes de­le, ti­nha um que era “uma pes­te”, se­gun­do a lín­gua de boa par­te da po­pu­la­ção. O ou­tro não es­pe­ra­va a noi­va que se atra­sa­va. E as­sim vai. To­dos sem­pre têm al­go a ser cri­ti­ca­do. No ca­so dos pa­pas, che­gam a Vas­cu­lhar até a in­fân­cia do di­to cu­jo pa­ra achar al­gu­ma fe­ri­da que ain­da pos­sa fe­der.

So­bre o car­de­al ar­gen­ti­no elei­to pa­pa, já apa­re­cem vá­ri­as ci­ta­ções que o li­gam com a di­ta­du­ra, com a di­rei­ta con­ser­va­do­ra etc etc. A ver­da­de é que se o mun­do ca­tó­li­co (ou não) quer um pa­pa san­to, po­de es­que­cer. Por­que o pa­pa, o bis­po, o ai­a­to­lá, o pai de san­to e to­dos os ou­tros que che­gam ao to­po de su­as igre­jas são hu­ma­nos. E os hu­ma­nos al­gum dia fi­ze­ram mer­da. Es­sa ver­da­de in­con­tes­tá­vel, en­tre­tan­to, não sig­ni­fi­ca que não pos­sam mu­dar e se tor­nar pes­so­as me­lho­res. E is­so ser­ve pa­ra pa­pas e ban­di­dos.

Em tem­po: em­bo­ra eu não se­ja ca­tó­li­co (nem de qual­quer ou­tra re­li­gião), tam­bém gos­ta­ria de ver um pa­pa re­al­men­te pro­gres­sis­ta que que­bras­se ve­lhos ta­bus e com­pre­en­des­se as trans­for­ma­ções do mun­do, mas te­nho cer­te­za de que pra mim não vai dar tem­po. Por­que a cha­ma­da igre­ja ro­ma­na se me­xe e se ex­põe co­mo uma tar­ta­ru­ga gi­gan­tes­ca sob seu cas­co im­pe­ne­trá­vel. E tu­do is­so, cá en­tre nós, é per­fei­ta­men­te pre­vi­sí­vel.

Compartilhe