Contos

Primeiro amor com vista para o mar

terça-feira, 26 de Fevereiro de 2013 Texto de

Do al­to do mor­ro, Nan­do viu aque­la on­da vin­do lá do mar, a mai­or de to­das, sem dú­vi­da. De ma­nhã, ele sen­ta­va num mu­ro de con­ten­ção a uns vin­te me­tros abai­xo de on­de mo­ra­va. Só pra fi­car olhan­do lá lon­ge, a água co­mo num de­se­nho em mo­vi­men­to até es­pu­mar na areia. Mas ho­je al­gu­ma coi­sa es­ta­va er­ra­da.

Quan­do a on­da não pa­rou na areia, quan­do en­go­liu to­da a or­la e mes­mo as­sim con­ti­nu­ou avan­çan­do, Nan­do fi­cou em pé e um pen­sa­men­to o ame­dron­tou: se­rá que a mãe ia acer­tar quan­do sem­pre di­zia “é o fim do mun­do”?

A on­da era gi­gan­te, o mar to­do até on­de sua vi­são al­can­ça­va trans­for­ma­ra-se nu­ma bo­lha gi­gan­te. A praia de­sa­pa­re­ce­ra lá em­bai­xo. Nan­do ago­ra es­ta­va em pé so­bre o mu­ro e ar­re­ga­lou uns olhos des­te ta­ma­nho: “ca­ce­te”. O “ce” es­ca­pu­liu de sua bo­ca ti­nin­do, pois Nan­do fi­ca­ra ban­gue­la ha­via pou­cos di­as com a per­da dos dois den­tes de lei­te da fren­te.

As ár­vo­res da ave­ni­da à bei­ra-mar ti­nham su­mi­do. E, sem en­con­trar se­quer for­ça pa­ra ur­rar, Nan­do sol­tou um gru­nhi­do aba­fa­do quan­do viu des­pen­car o pri­mei­ro pré­dio.

Olhou pa­ra trás, pa­ra a di­re­ção de sua ca­sa, pen­sou na mãe, mas ela saí­ra lo­go ce­do pa­ra o tra­ba­lho de do­més­ti­ca. Nan­do olhou lá pa­ra bai­xo ou­tra vez. Sua mãe fo­ra pa­ra lá. A água con­su­mia ra­pi­da­men­te to­da a ci­da­de sob seu in­tra­du­zí­vel olhar.

Foi quan­do, ao seu la­do, apa­re­ceu a Ti­ta. Ao me­nos foi o que ele en­ten­deu quan­do per­gun­tou seu no­me em meio aos gri­tos e à cor­re­ria que se ins­ta­la­ram na fa­ve­la. Ater­ro­ri­za­da, ela agar­ra­ra a mão de­le e ago­ra es­ta­vam os dois co­mo na­mo­ra­dos ob­ser­van­do, ma­ra­vi­lha­dos, o Rio de Ja­nei­ro.

Ne­nhum dos dois la­men­tou a ci­da­de sub­mer­sa, pois não ti­nham aces­so a na­da da­que­la ci­da­de, não a co­nhe­ci­am e não po­di­am an­te­ci­par qual­quer sau­da­de so­bre o que não fa­zi­am ideia. Am­bos te­mi­am is­to sim pe­lo mor­ro e pe­lo qua­se na­da que o mor­ro lhes da­va.

Quan­do per­ce­be­ram a água su­bin­do já bem per­to, qui­se­ram cor­rer, mas não pu­de­ram sair do lu­gar. O ter­ror os imo­bi­li­za­ra.

En­tão, Nan­do aper­tou ain­da mais a mão­zi­nha de Ti­ta. E ela aper­tou ain­da mais a de­le. E Nan­do sen­tiu um aper­to tão for­te no co­ra­ção que sem sa­ber sou­be do que se tra­ta­va: que ele ama­ria Ti­ta pa­ra sem­pre.

E a água veio. E to­mou tu­do.

Não há mais ci­da­de, não há mais mor­ro. Mas Nan­do e Ti­ta es­tão lá sim. Por­que quan­do se sen­te o que Nan­do sen­tiu, quan­do se sen­te um amor de ver­da­de, aque­le ins­tan­te não há água nem fim de mun­do que des­man­che. Aque­le ins­tan­te fi­ca lá pra sem­pre.

E da­qui a dois mil anos, quan­do al­guém pas­se­ar de bar­co por lá, vai sen­tir o ou­vi­do zu­nir e vai pen­sar - er­ra­do - que em seus tím­pa­nos há um som, co­mo se rom­pes­se dis­tan­te: tun­tum-tun­tum-tun­tum-tun­tum.

Compartilhe