Leia en­saio iné­di­to do jor­na­lis­ta e es­cri­tor Lu­cius de Mel­lo, gen­til­men­te en­vi­a­do ao blog.

Jor­ge Luis Bor­ges

Car­mi­nha


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não cho­res por mim, Car­mi­nha
(ENSAIO DE LUCIUS DE MELLO)

Uma mi­to­lo­gia de pu­nhais
No es­que­ci­men­to aos pou­cos se des­gas­ta.
E dis­per­sou-se uma can­ção de ges­ta
Em sór­di­das no­tí­ci­as po­li­ci­ais.
(Jor­ge Luis Bor­ges – O Tan­go)

Nos ca­mi­nhos que cor­tam as me­tró­po­les la­ti­nas um diá­lo­go ra­ro. Ave­ni­das tão dis­tan­tes tor­nam-se pa­ra­le­las com en­con­tro mar­ca­do. Cru­za­men­tos que pa­re­ci­am im­pos­sí­veis de ser trans­pos­tos, es­tan­ca­dos por cris­ta­li­za­dos si­nais ver­me­lhos, são fu­ra­dos, brus­ca e sur­pre­en­den­te­men­te, pe­la ima­gi­na­ção de um ou­sa­do fic­ci­o­nis­ta da te­vê bra­si­lei­ra.

A trom­ba­da en­tre te­le­no­ve­la e li­te­ra­tu­ra é ine­vi­tá­vel. Ao vo­lan­te, João Ema­nu­el Car­nei­ro, au­tor da no­ve­la Ave­ni­da Bra­sil, mai­or su­ces­so do gê­ne­ro dos úl­ti­mos dez anos, exi­bi­do na Re­de Glo­bo de Te­le­vi­são. Ba­ti­da, ca­po­ta­men­to, im­pru­dên­cia ou ape­nas uma der­ra­pa­da, não im­por­ta. O cho­que pro­vo­ca­do pe­la in­crí­vel in­ter­tex­tu­a­li­da­de acon­te­ce num dos lu­ga­res mais im­pro­vá­veis e inós­pi­tos à sub­je­ti­vi­da­de, e faz a ra­sa dra­ma­tur­gia te­le­vi­si­va bra­si­lei­ra ser atro­pe­la­da por en­tre­li­nhas da mais al­ta li­te­ra­tu­ra.

Acre­di­to que, em Ave­ni­da Bra­sil, Car­nei­ro não só en­sai­ou uma tí­mi­da ten­ta­ti­va de diá­lo­go com o ter­ri­tó­rio ge­o­grá­fi­co, mas tam­bém fler­tou com uma pe­que­na par­te do cor­pus li­te­rá­rio de Jor­ge Luis Bor­ges. A his­tó­ria de Ni­na, he­roí­na de Car­nei­ro, in­ter­pre­ta­da pe­la atriz Dé­bo­ra Fa­la­bel­la, nos re­me­te ao dra­ma vi­vi­do pe­la per­so­na­gem bor­ge­se­a­na Em­ma Zunz.

En­con­trei Em­ma Zunz no con­to que le­va seu no­me, pu­bli­ca­do no pri­mei­ro vo­lu­me das Obras Com­ple­tas de Bor­ges, lan­ça­do no Bra­sil pe­la Edi­to­ra Glo­bo. As­sim co­mo Ni­na, Em­ma tam­bém vi­ve ob­ce­ca­da pe­la ideia de vin­gar a mor­te do pai.

O con­to de Bor­ges se pas­sa em 1922. Em­ma Zunz,

ao vol­tar da fá­bri­ca de te­ci­dos Tar­bu­ch e Lo­ewenthal, en­con­trou no fun­do do ves­tí­bu­lo uma car­ta, da­ta­da do Bra­sil, pe­la qual sou­be que seu pai ti­nha mor­ri­do (...) Em­ma dei­xou cair o pa­pel. A pri­mei­ra sen­sa­ção foi de mal-es­tar no ven­tre e nos jo­e­lhos, de­pois de ce­ga cul­pa, de ir­re­a­li­da­de, de frio, de te­mor; de­pois, quis já es­tar no dia se­guin­te.[1]

Se­gun­do a car­ta, o pai de Em­ma ti­nha in­ge­ri­do, por en­ga­no, uma for­te do­se de ve­ro­nal e fa­le­ci­do no hos­pi­tal da ci­da­de de Ba­gé, no Rio Gran­de do Sul. Um seu com­pa­nhei­ro de pen­são as­si­na­va a no­tí­cia.

A mor­te por en­ve­ne­na­men­to tam­bém ocor­re na no­ve­la bra­si­lei­ra. Num pas­sa­do dis­tan­te, a per­so­na­gem mãe Lu­cin­da, in­ter­pre­ta­da por Ve­ra Holtz, en­ve­ne­nou e ma­tou a mãe de Car­mi­nha, gran­de vi­lã da his­tó­ria. Cri­me que te­ria mar­ca­do o des­ti­no das prin­ci­pais per­so­na­gens da tra­ma, ou se­ja, le­va­dos to­dos pa­ra o “li­xão”.

Sui­cí­dio ou as­sas­si­na­to, Em­ma  se re­vol­ta ao sa­ber da mor­te do pai, que, nos ve­lhos di­as fe­li­zes, fo­ra Ema­nu­el Zunz. A jo­vem re­cor­dou ve­ra­nei­os nu­ma chá­ca­ra, per­to de Gua­le­guay, a ca­si­nha de La­nús, o au­to de pri­são, as car­tas anô­ni­mas so­bre o “des­fal­que do cai­xa”... Em­ma guar­da­va um se­gre­do com­par­ti­lha­do por seu pai de que Aa­ron Lo­ewenthal, an­ti­go ge­ren­te, e ago­ra um dos do­nos da fá­bri­ca, era o la­drão.

Mas a tra­ma do au­tor ar­gen­ti­no se apro­xi­ma do fo­lhe­tim bra­si­lei­ro es­pe­ci­al­men­te na gran­de lou­cu­ra da pro­ta­go­nis­ta, que não me­de es­for­ços pa­ra con­cre­ti­zar seu pla­no de vin­gan­ça. Ni­na che­ga a cor­rer o ris­co de per­der o gran­de amor pa­ra atin­gir seu ob­je­ti­vo fi­nal: aca­bar com Car­mi­nha, a mu­lher que des­truiu a fe­li­ci­da­de da sua fa­mí­lia.

Em­ma vi­ve uma noi­te co­mo pros­ti­tu­ta até as úl­ti­mas con­sequên­ci­as e dor­me com um ma­ri­nhei­ro es­cro­to no por­to da ci­da­de de Al­ma­gro, on­de vi­via só pa­ra des­truir Aa­ron Lo­ewenthal, o vi­lão, uma ver­são mas­cu­li­na da “Car­mi­nha”, e, com is­so, vin­gar o no­me do pai.

Anun­ci­a­da por lu­zes e des­pi­da pe­los olhos fa­min­tos (...) En­trou em dois ou três ba­res, viu a ro­ti­na ou os mo­dos de ou­tras mu­lhe­res. Por fim, deu com os ho­mens do Nordst­jar­nan. Te­meu que um de­les, mui­to jo­vem, lhe ins­pi­ras­se al­gu­ma ter­nu­ra e op­tou por ou­tro, tal­vez mais bai­xo que ela e mais gros­sei­ro, a fim de que a pu­re­za do hor­ror não fos­se di­mi­nuí­da. O ho­mem con­du­ziu-a a uma por­ta e de­pois a um tur­vo sa­guão...” (BORGES, cit., p. 629).

E o nar­ra­dor bor­ge­se­a­no con­ti­nua cons­truin­do os sen­ti­men­tos da vin­ga­do­ra. Con­ta que Em­ma pen­sou no pai na ho­ra em que se en­tre­gou ao des­co­nhe­ci­do, e que, lo­go de­pois de se dei­xar to­car pe­la vi­o­lên­cia se­xu­al, con­so­la­va-se acre­di­tan­do que, as­sim co­mo ela ti­nha si­do um ins­tru­men­to pa­ra o ma­ri­nhei­ro, ele tam­bém foi usa­do por ela. Ela ser­viu pa­ra o go­zo. Ele, pa­ra jus­ti­ça.

Apa­ren­te­men­te “vi­o­len­ta­da”, Em­ma, en­tão, mar­ca um en­con­tro com o as­sas­si­no do pai no es­cri­tó­rio da fá­bri­ca, e o ma­ta com dois ti­ros de re­vól­ver. Pa­ra a po­lí­cia, dis­se que ati­rou em le­gí­ti­ma de­fe­sa, por­que es­ta­va sen­do abu­sa­da se­xu­al­men­te pe­lo pa­trão.

Vin­guei meu pai e não me po­de­rão cas­ti­gar. (...) Acon­te­ceu uma coi­sa ina­cre­di­tá­vel... O se­nhor Lo­ewenthal me fez vir com o pre­tex­to da gre­ve... Abu­sou de mim, eu o ma­tei (...) Ver­da­dei­ro era o tom de Em­ma Zunz, ver­da­dei­ro o pu­dor, ver­da­dei­ro o ódio. Ver­da­dei­ro tam­bém era o ul­tra­je que pa­de­ce­ra; só eram fal­sas as cir­cuns­tân­ci­as, a ho­ra e um ou dois no­mes pró­pri­os (BORGES, cit., p. 631).

Em Ave­ni­da Bra­sil, a he­roí­na que tem dois no­mes, Ni­na e Ri­ta, cria e se en­vol­ve em múl­ti­plas cir­cuns­tân­ci­as fal­sas, in­ven­ta­das por ela pa­ra des­truir a mu­lher que en­ga­nou, rou­bou e aca­bou, de cer­ta for­ma, cau­san­do a mor­te do seu pai.

Na no­ve­la tam­bém há ou­tras pas­sa­gens que nos re­me­tem ao con­to bor­ge­se­a­no. Ni­na, de­pois de fi­car ór­fã, ain­da cri­an­ça, é ado­ta­da por uma fa­mí­lia de ar­gen­ti­nos e vai mo­rar no in­te­ri­or da­que­le país. De­pois, já adul­ta, vol­ta ao Bra­sil pa­ra re­a­li­zar seu pla­no de vin­gan­ça.

O pai de Em­ma Zunz, co­mo di­to, tam­bém dei­xa a Ar­gen­ti­na pa­ra mo­rar no Bra­sil, mais exa­ta­men­te em Ba­gé, no Rio Gran­de do Sul. As­sim co­mo o pai de Em­ma te­ria mor­ri­do “en­ve­ne­na­do” com uma over­do­se de so­ní­fe­ro com pro­pri­e­da­des hip­nó­ti­cas, na no­ve­la, a “mãe do li­xão” que cui­dou de Ni­na até ela ser ado­ta­da, a mis­te­ri­o­sa mãe Lu­cin­da, tam­bém, no pas­sa­do, ma­tou a mãe da vi­lã da his­tó­ria com uma do­se de ve­ne­no.

Uma jo­vem ca­paz de tu­do pa­ra vin­gar a mor­te do pai; he­roí­na e ban­di­da, sa­bo­ta­do­ra de­la mes­ma, mes­tre em in­ven­tar e rein­ven­tar re­a­li­da­des; a Ar­gen­ti­na co­mo ce­ná­rio e pa­no de fun­do; gran­des se­gre­dos, gol­pes fi­nan­cei­ros, tra­pa­ças, as­sas­si­na­tos... Im­pos­sí­vel o aten­to lei­tor de Bor­ges não se lem­brar do con­to Em­ma Zunz ao acom­pa­nhar a no­ve­la de Car­nei­ro. Se­rá que ele se ins­pi­rou mes­mo no con­to de Bor­ges pa­ra es­cre­ver a no­ve­la?

Coin­ci­dên­cia ou não, es­se en­con­tro tor­na-se ain­da mais ele­tri­zan­te quan­do as ce­nas de Ave­ni­da Bra­sil são mar­ca­das pe­los acor­des do tan­go In­fil­tra­do do gru­po Ba­jo­fon­do, for­ma­do por vá­ri­os mú­si­cos con­tem­po­râ­ne­os ar­gen­ti­nos e uru­guai­os. A mes­ma ban­da de tan­go ele­trô­ni­co que tam­bém foi res­pon­sá­vel por “Pa” Bai­lar, can­ção usa­da na aber­tu­ra da no­ve­la A Fa­vo­ri­ta, do mes­mo au­tor.

Não bas­tas­se o tan­go, ain­da tem o fu­te­bol. Tu­fão, o “Ma­ra­do­na” do bair­ro do Di­vi­no, um dos per­so­na­gens-cha­ve da no­ve­la, tam­bém ti­ra o cha­péu pa­ra o ca­pi­tal li­te­rá­rio do po­vo ar­gen­ti­no ao apren­der com Ni­na o gos­to pe­la lei­tu­ra. A he­roí­na, que cres­ceu na ter­ra de Evi­ta Pe­rón, es­ti­mu­la o jo­ga­dor bra­si­lei­ro a ler clás­si­cos, co­mo Me­ta­mor­fo­se, de Franz Kaf­ka, Ma­da­me Bo­vary, de Gus­ta­ve Flau­bert, Dom Cas­mur­ro e Me­mó­ri­as Pós­tu­mas de Braz Cu­bas, de Ma­cha­do de As­sis, A in­ter­pre­ta­ção dos so­nhos, de Sig­mund Freud, en­tre ou­tros.

Nun­ca tan­tos li­vros con­sa­gra­dos ga­nha­ram ta­ma­nho es­pa­ço em ho­rá­rio no­bre na mai­or re­de de te­le­vi­são aber­ta do Bra­sil. E co­mo deu au­di­ên­cia! Sal­ve, Bor­ges!

Ago­ra, a per­gun­ta que não quer ca­lar: se­rá que no con­to do au­tor ar­gen­ti­no es­tá a cha­ve pa­ra des­co­brir o fi­nal da he­roí­na e da vi­lã de Ave­ni­da Bra­sil? Ho­la, ho­la, ho­la...


Lu­cius de Mel­lo
 é es­cri­tor , jor­na­lis­ta, mes­tran­do em Li­te­ra­tu­ra e Cul­tu­ra He­brai­ca (USP), pes­qui­sa­dor do LEER - La­bo­ra­tó­rio de Es­tu­dos so­bre Et­ni­ci­da­de, Ra­cis­mo e Dis­cri­mi­na­ção da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo, pes­qui­sa­dor do ARQSHOAH- Ar­qui­vo vir­tu­al do Ho­lo­caus­to e An­tis­se­mi­tis­mo. Foi fi­na­lis­ta do Prê­mio Ja­bu­ti em 2003 com a bi­o­gra­fia Eny e o Gran­de Bor­del Bra­si­lei­ro,- Ed. Ob­je­ti­va. Tam­bém é au­tor do ro­man­ce his­tó­ri­co A Tra­ves­sia da Ter­ra Ver­me­lha – Uma Sa­ga dos Re­fu­gi­a­dos Ju­deus no Bra­sil e do ro­man­ce Mes­ti­ços da Ca­sa Ve­lha. 


[1] BORGES, Jor­ge Luis. Obras Com­ple­tas, vol. I. São Pau­lo: Edi­to­ra Glo­bo, 1998, p. 627.

Compartilhe