Por isso eles existem | Márcio ABC

Crônicas

Por isso eles existem

segunda-feira, 8 de outubro de 2012 Texto de

Não, não me re­fi­ro a lo­bi­so­mens, mu­las-sem-ca­be­ça e se­me­lhan­tes. Nun­ca os vi pes­so­al­men­te, mas pe­lo sim, pe­lo não, di­go que los hay. Re­fi­ro-me a uma pra­ga con­cre­ta e pal­pá­vel, em­bo­ra seu mo­dus ope­ran­di se­ja es­con­der-se atrás de ár­vo­res, por­tões e em ci­ma de te­lha­dos, na ca­ça im­pla­cá­vel ao fla­gran­te de ce­le­bri­da­des. A pra­ga da era da co­mu­ni­ca­ção ins­tan­tâ­nea e de tu­do-pe­lo-lu­cro e que se cha­ma pa­pa­raz­zo – pro­fis­si­o­nal ou ama­dor.

Uau! A prin­ce­sa tem ce­lu­li­te! Olha só, a atriz não usa cal­ci­nha! Fu­la­no e Bel­tra­na re­a­ta­ram! Fu­la­no e Bel­tra­na ter­mi­na­ram o ro­man­ce! Ve­jam quem es­tá com quem! Olha a bar­ri­ga do mi­nis­tro, sain­do da aca­de­mia! A Fu­la­na es­tá sain­do com o Ci­cla­no, ex da Bel­tra­na, que por sua vez aca­bou o noi­va­do com o ex da Fu­la­na. Adi­vi­nhe quem é o ca­sal tran­san­do na praia?

A ce­le­bri­da­de, vo­lun­tá­ria ou in­vo­lun­ta­ri­a­men­te, ali­men­ta os pa­pa­raz­zi, que ali­men­tam a mí­dia es­pe­ci­a­li­za­da, que ali­men­ta o pú­bli­co lei­tor e voyeur, se­den­to de no­vi­da­des de vi­das alhei­as, já que nas su­as não de­ve acon­te­cer na­da de in­te­res­san­te.

Com o agra­van­te de que ago­ra não pre­ci­sa ser ce­le­bri­da­de pa­ra ser cli­ca­do. Se vo­cê es­cor­re­gar, tro­pe­çar ou cair num bu­ra­co na rua, meia dú­zia de clicks e flashes acon­te­ce­rão pa­ra re­gis­trar o even­to. Se al­guém vai aju­dá-lo a se le­van­tar ou per­gun­tar se es­tá bem, é se­cun­dá­rio – quan­do acon­te­ce. O im­por­tan­te é re­gis­trar a ce­na e ime­di­a­ta­men­te jo­gar na in­ter­net co­mo as­sun­to ri­sí­vel pa­ra o pú­bli­co vir­tu­al se di­ver­tir. Pois é, is­so é di­ver­são pa­ra mui­tos.

As fo­tos na­ve­gam pe­la in­ter­net, de en­de­re­ço em en­de­re­ço, em si­tes de ví­deo, ca­da um que re­ce­be pas­sa adi­an­te pa­ra sua lis­ta de ami­gos e tu­do é uma fes­ta só. Uma fes­ta efê­me­ra, é ver­da­de, pois dois di­as às ve­zes são su­fi­ci­en­tes pa­ra es­go­tar a no­vi­da­de, já que ou­tra es­tá sain­do quen­ti­nha pa­ra ocu­par olhos e men­tes va­zi­os. Com tan­to in­te­res­se de­mons­tra­do por seu tra­ba­lhi­nho su­jo, o pa­pa­raz­zo acir­ra a bus­ca do fla­gran­te, da in­ti­mi­da­de alheia ou da aber­ra­ção, ven­dá­veis a bom pre­ço no mer­ca­do es­pe­ci­a­li­za­do.

Há ce­le­bri­da­des e ce­le­bri­da­des. Al­gu­mas sa­bem per­fei­ta­men­te se pre­ser­var, mas mes­mo as­sim são per­se­gui­das, às ve­zes im­pla­ca­vel­men­te, por es­se ti­po de pre­da­dor. “Eu só es­tou fa­zen­do o meu tra­ba­lho” – jus­ti­fi­ca-se um de­les. Se es­sa es­pé­cie de tra­ba­lho con­ti­nua a exis­tir é por­que o ti­po de lei­tor e sua cu­ri­o­si­da­de es­pe­cí­fi­ca o ali­men­tam e o es­ti­mu­lam a con­ti­nu­ar. Aca­ban­do a de­man­da, aca­ba a ofer­ta.

Ou al­guém ima­gi­na o re­pre­sen­tan­te da Mai­son Cha­nel no Bra­sil inau­gu­ran­do uma lo­ja no ser­tão do Pi­auí, e o trá­fi­co de ar­mas ten­tan­do ex­pan­dir seus ne­gó­ci­os en­tre mon­ges bu­dis­tas? Ele­men­tar, meu ca­ro lei­tor.

Palavras-chave

Compartilhe