Filmes que fazem pensar | Márcio ABC

Impressões

Filmes que fazem pensar

segunda-feira, 11 de junho de 2012 Texto de


“O es­pião que sa­bia de­mais” (ba­se­a­do em li­vro homô­ni­mo do es­cri­tor in­glês John Le Car­ré lan­ça­do no Bra­sil pe­la Edi­to­ra Re­cord) é um bom fil­me pa­ra quem gos­ta do gê­ne­ro. Pa­ra quem qui­ser sa­ber mais so­bre o li­vro, cli­que aqui e leia ma­té­ria na Folha.com.

O fil­me, di­ri­gi­do por To­mas Al­fred­son e pro­ta­go­ni­za­do por Gary Old­man, tem tam­bém ou­tras gran­des es­tre­las, co­mo Co­lin Firth e John Hurt. Ge­or­ge Smi­ley (Gary Old­man) é cha­ma­do de vol­ta de sua apo­sen­ta­do­ria do ser­vi­ço se­cre­to bri­tâ­ni­co pa­ra des­co­brir quem é o agen­te du­plo que tam­bém pres­ta ser­vi­ços pa­ra os so­vié­ti­cos. O fil­me se pas­sa du­ran­te a cha­ma­da Guer­ra Fria.

Em­bo­ra eu só re­co­men­de pa­ra quem gos­ta de fil­mes de es­pi­o­na­gem, não con­cor­do com um crí­ti­co que du­ran­te o Os­car dis­se que achou a obra “con­fu­sa”. Is­so me faz pen­sar co­mo es­ta­mos fi­can­do ca­da vez mais aco­mo­da­dos em re­la­ção ao ci­ne­ma e à li­te­ra­tu­ra. O que não é mas­ti­ga­do, co­mo nos en­si­nou Hollywo­od, pas­sa a ser con­fu­so.

Eu não as­sis­ti a mui­tos fil­mes de Gary Old­man ul­ti­ma­men­te, mas des­de “Mi­nha Ama­da Imor­tal” que eu não o via tão bem. A in­di­ca­ção ao Os­car foi jus­tís­si­ma.

Bom, quem não es­tá dis­pos­to a lo­car fil­me de es­pi­o­na­gem, po­de ti­rar “Pre­ci­sa­mos fa­lar so­bre o Ke­vin”. Pra mim, um acha­do que con­se­gue im­por um for­te ape­lo psi­co­ló­gi­co a um dra­ma que per­tur­ba e ater­ro­ri­za. A ação re­tra­ta uma das gran­des neu­ro­ses da atu­a­li­da­de: o ris­co de a qual­quer mo­men­to ser de­fla­gra­da uma ma­tan­ça co­le­ti­va. Aliás, tam­bém ba­se­a­do em li­vro do mes­mo no­me do es­cri­tor Li­o­nel Sh­ri­ver (Edi­to­ra In­trín­se­ca).

“O es­pião que sa­bia de­mais”, por sua pró­pria ca­rac­te­rís­ti­ca, e “Pre­ci­sa­mos fa­lar so­bre o Ke­vin”, por sua cru­e­za e re­a­lis­mo, são fil­mes que fa­zem pen­sar. Bo­as pe­di­das pa­ra fu­gir­mos um pou­co da me­di­o­cri­da­de que as­so­la te­lo­nas e te­li­nhas.

Compartilhe