Crônicas

Paulo Neves: monstro sagrado

domingo, 13 de Maio de 2012 Texto de

Pau­lo Ne­ves é o se­gun­do da es­quer­da pa­ra a di­rei­ta

Quan­do eu co­me­cei no jor­na­lis­mo em Bau­ru, no ano de 1987, na re­da­ção do Diá­rio, com Edu­ar­do Nas­ra­la, Ma­ria Amé­ri­ca Fer­rei­ra, He­li­a­na De We­e­se, João Ra­naz­zi, Car­los Tor­ren­te, Er­ling­ton Gou­lart, Acei­tu­no Jr., Mil­ton Bill de Oli­vei­ra, Éder Aze­ve­do e Do­na Ana (mãe da San­dra Ca­mar­go), nes­sa épo­ca eu ou­via fa­lar de Ce­li­na Ne­ves co­mo uma deu­sa bau­ru­en­se.

Eu não en­ten­dia di­rei­to o que is­so que­ria di­zer à épo­ca. Foi pre­ci­so es­pe­rar o tem­po pas­sar: pa­ra co­nhe­cer um pou­co da gran­de di­re­to­ra te­a­tral. Acho que fiz só uma en­tre­vis­ta com ela. O tem­po foi cor­ren­do e al­guns anos de­pois eu co­nhe­ci Pau­lo Ne­ves.

Pau­lo Ne­ves, o fi­lho. Pau­lo Ne­ves, o her­dei­ro do pa­trimô­nio ar­tís­ti­co. Pau­lo Ne­ves, o mes­tre de tan­tos gran­des ato­res e atri­zes. Pau­lo Ne­ves, o pai do Thi­a­go e da Ta­li­ta, co­mo ele sem­pre es­cre­via em seus ar­ti­gos.

Ho­je, olhan­do pa­ra es­ses di­as que cha­ma­mos de pas­sa­do, com­pre­en­do me­lhor a obri­ga­ção de re­ve­ren­ci­ar­mos Ce­li­na Ne­ves. De re­ve­ren­ci­ar­mos Pau­lo Ne­ves. De re­ve­ren­ci­ar­mos uma fa­mí­lia que se en­tre­gou à ci­da­de, ao te­a­tro, à ar­te. Que se en­tre­gou à sua vo­ca­ção. (Me pa­re­ce) sem me­do. Sem li­mi­tes!

Hou­ve uma épo­ca em que fui che­fe do Pau­lo Ne­ves (no Diá­rio de Bau­ru). Eu me sen­tia cons­tran­gi­do. Não por­que eu não pu­des­se ser che­fe de al­guém cu­ja re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de no nos­so uni­ver­so de atu­a­ção era in­fi­ni­ta­men­te su­pe­ri­or à mi­nha. Eu sin­ce­ra­men­te nun­ca li­guei pa­ra is­so. Eu, na ver­da­de, sem­pre quis es­tar abai­xo de to­dos. Por­que é as­sim que me sin­to bem. Pon­to. Não era por is­so que eu me sen­tia cons­tran­gi­do. Eu me sen­tia cons­tran­gi­do por­que al­guém co­mo Pau­lo Ne­ves não de­ve­ria nun­ca ter che­fe. Al­guém co­mo Pau­lo Ne­ves de­ve­ria ter li­ber­da­de ab­so­lu­ta em sua atu­a­ção. De­ve­ria ter to­dos os ca­mi­nhos aber­tos.

A úl­ti­ma vez que con­ver­sei por um tem­pi­nho ra­zoá­vel com o Pau­lo Ne­ves já faz um tem­pão. Foi em 2007. No “Sa­rau do In­te­ri­or – Um tri­bu­to lí­te­ro-mu­si­cal”, um be­lís­si­mo even­to cul­tu­ral pro­mo­vi­do pe­la Em­pó­rio (agên­cia de co­mu­ni­ca­ção) em co­me­mo­ra­ção aos seus 10 anos.

Ali, eu tam­bém me sen­ti cons­tran­gi­do. Por­que es­ti­ve ao la­do de fi­gu­ras im­por­tan­tes pa­ra Bau­ru. Pes­so­as que fi­ze­ram his­tó­ria. Na­que­la noi­te, ao mi­cro­fo­ne, eu dis­se que a di­fe­ren­ça en­tre mim e eles (es­se pes­so­al to­do que es­tá na fo­to aci­ma) era a se­guin­te: eles de­ram al­go a Bau­ru; e Bau­ru me deu al­go. Al­go as­sim.

Quan­do, de­pois do even­to, nos sen­ta­mos pa­ra ba­ter pa­po, en­quan­to con­ver­sá­va­mos, eu olha­va pa­ra o Pau­lo Ne­ves e pen­sa­va: eu con­ti­nuo pe­gan­do al­go de Bau­ru. E vo­cê, Pau­lo, con­ti­nua dan­do al­go a Bau­ru.

Ho­je é ani­ver­sá­rio do Pau­lo Ne­ves. Eu não pos­so di­zer pa­ra­béns a ele. Quem sou eu pa­ra di­zer is­so a ele? Quem pre­ci­sa di­zer is­so a ele é Bau­ru. É o te­a­tro. É a ar­te.

Compartilhe