Crônicas

Dois encantos

terça-feira, 24 de abril de 2012 Texto de


Um dos fa­mo­sos mo­sai­cos de Gau­dí, em Bar­ce­lo­na

Por que com­pa­rar as du­as, não sei. Tam­bém não sei se meus cri­té­ri­os são vá­li­dos. Fa­lo ape­nas co­mo uma vi­a­jan­te que vi­si­tou Pa­ris de­pois de 40 anos sem vê-la, e que en­trou em Bar­ce­lo­na pe­la pri­mei­ra vez. Pois é, es­tou me re­fe­rin­do a Pa­ris e Bar­ce­lo­na, que aca­bo de vi­si­tar.

Vol­tar a Pa­ris de­pois de 40 anos foi uma emo­ção di­fí­cil de des­cre­ver por me tra­zer de vol­ta a pri­mei­ra vez em que lá es­ti­ve, ou­tros tem­pos, qua­se ou­tra vi­da.

Pa­ris é só­li­da, bem plan­ta­da no chão, cheia de His­tó­ria, de co­ra­gem, re­sis­tên­cia e re­cu­pe­ra­ção. É char­mo­sa – e bo­ta char­me nis­so! - e in­te­lec­tu­al. Par­ques am­plos, li­vra­ri­as e se­bos, ca­te­drais, mu­seus sem­pre chei­os, Mont­mar­tre e seus ar­tis­tas de rua, Ma­rais e seu en­can­to acon­che­gan­te, o Se­na e su­as mar­gens ins­pi­ra­do­ras, as pon­tes, ár­vo­res que no fi­nal­zi­nho de mar­ço já co­me­ça­vam a re­cu­pe­rar seu ver­de, ao la­do de al­gu­mas ain­da se­cas, em ple­na tran­si­ção en­tre o ge­lo e uma qua­se pri­ma­ve­ra. Por du­as ve­zes vi um mú­si­co li­te­ral­men­te ater­ris­sar seu pi­a­no nu­ma es­qui­na e co­me­çar a to­car, acom­pa­nha­do de um con­tra­bai­xo, e o jazz se es­pa­lhou pe­lo ar. Em ple­na rua! A mú­si­ca “April in Pa­ris” não foi com­pos­ta por aca­so. Yip Har­burg de­via es­tar em êx­ta­se quan­do fez a le­tra.

E tal­vez por ser tão char­mo­sa, im­por­tan­te e com­ple­ta, Pa­ris me deu a im­pres­são de que não pre­ci­sa de nin­guém, e não se im­por­ta se gos­ta­mos de­la ou não. Ela es­tá ali, so­be­ra­na, pai­ran­do aci­ma de qual­quer crí­ti­ca ou elo­gio dos sim­ples mor­tais. Nós é que pre­ci­sa­mos de­la. Pa­ra nos ine­bri­ar­mos com seus vi­nhos, nos de­li­ci­ar­mos com seus pães e quei­jos, dis­trair-nos em seus ca­fés de ca­dei­ras vi­ra­das pa­ra as cal­ça­das pa­ra po­der­mos ver o mo­vi­men­to sem dei­xar de con­ver­sar, pro­var um vi­nho ou um “cro­que mon­si­eur” saí­do do for­no. Co­mo di­zem os mais en­tu­si­as­tas, “Pa­ris é Pa­ris, pon­to fi­nal”.

E en­tão che­guei a Bar­ce­lo­na. A pri­mei­ra im­pres­são foi a de que aque­la ci­da­de me da­va as bo­as-vin­das, es­ta­va fe­liz de me ver ali pa­ra eu apro­vei­tar o que ela ti­nha a ofe­re­cer. Qua­se pu­de ou­vi-la di­zer “que bom que vo­cê veio!” Lá me sen­ti im­por­tan­te, fa­zen­do par­te de seu dia a dia, de sua luz, seu trá­fe­go sem en­gar­ra­fa­men­tos, do sol que me fez ti­rar o ca­sa­co por al­guns di­as, e do seu mar. Ah, en­tão es­tá ex­pli­ca­do! Saí do Rio e me vi no­va­men­te di­an­te do mar... Mas nem só de sol vi­ve o ho­mem, o cin­za de Pa­ris tam­bém tem seu en­can­to. É que Bar­ce­lo­na, que tam­bém tem His­tó­ria, pré­di­os só­li­dos e um his­tó­ri­co de re­vol­tas e lu­tas, pa­re­ce nos con­vi­dar a en­trar, sen­tir sua at­mos­fe­ra con­vi­da­ti­va, apre­ci­ar a ar­te de seus fi­lhos fa­mo­sos nos mo­sai­cos de Gau­dí, nos tra­ços de Mi­ró e na ir­re­ve­rên­cia de Da­lí, en­tre ou­tras be­le­zas. Sem con­tar o or­gu­lho ca­ta­lão por sua re­gião ter si­do a pri­mei­ra a aca­bar com as tou­ra­das. E foi or­gu­lho na­ti­vo que iden­ti­fi­quei quan­do ou­vi um ci­da­dão res­pon­der à per­gun­ta se ele era es­pa­nhol: “Não, sou ca­ta­lão!”

As cons­tru­ções fei­tas em Bar­ce­lo­na pa­ra as Olim­pía­das de 1992 de­ram cer­to e até ho­je em­be­le­zam e fa­ci­li­tam a vi­da da ci­da­de. Es­tu­dan­tes, tu­ris­tas e mo­ra­do­res, de to­das as ida­des, pro­va­vel­men­te pen­sam o mes­mo, ou as uni­ver­si­da­des, os res­tau­ran­tes, os te­a­tros com mú­si­ca e dan­ça fla­men­cas, os fes­ti­vais de jazz, ba­lés e con­cer­tos não es­ta­ri­am sem­pre lo­ta­dos. E quan­do is­so acon­te­ce no Pa­lá­cio da Mú­si­ca Ca­ta­lã, a fes­ta co­me­ça na exu­be­rân­cia da fa­cha­da, con­ti­nua pe­las es­ca­da­ri­as, halls, lus­tres e bri­lhos de seu in­te­ri­or. Um es­pe­tá­cu­lo à par­te.

Pa­ris e Bar­ce­lo­na exis­tem pa­ra se­rem cur­ti­das e vi­ven­ci­a­das. Am­bas são apai­xo­nan­tes, ca­da uma a seu jei­to.

Compartilhe