Impressões

O novo livro do gênio vivo da literatura mundial

quarta-feira, 28 de setembro de 2011 Texto de

O es­cri­tor nor­te-ame­ri­ca­no Phi­lip Roth (Fo­to re­pro­du­zi­da do si­te da edi­to­ra)

“Nê­me­sis” (Com­pa­nhia das Le­tras, 200 pá­gi­nas), li­vro mais re­cen­te de Phi­lip Roth, se pas­sa em 1944 du­ran­te um sur­to de po­li­o­mi­e­li­te em Newark (EUA), ci­da­de na­tal do au­tor. Uma obra tão pa­ra­li­san­te quan­to a do­en­ça pa­ra a qual ain­da não ha­via va­ci­na na­que­la épo­ca, em ple­na Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. Com­prei o li­vro no sá­ba­do após o al­mo­ço e an­tes do al­mo­ço de do­min­go eu já o ha­via de­vo­ra­do.

Sou sus­pei­to pa­ra di­zer, mas pra mim Phi­lip Roth é um dos mai­o­res gê­ni­os da li­te­ra­tu­ra mun­di­al de to­dos os tem­pos. E aqui co­me­to uma cer­ta he­re­sia em re­la­ção aos meus pró­pri­os prin­cí­pi­os – por­que acho ter­rí­vel ele­ger al­guém a qual­quer pos­to de me­lhor is­so, me­lhor aqui­lo: tal­vez ele se­ja o mai­or ro­man­cis­ta vi­vo. Cla­ro que não é por cau­sa de “Nê­me­sis”. Mas tam­bém.

A nar­ra­ti­va de­le é se­ca, di­re­ta. Sem­pre que o leio, me lem­bro da fa­mo­sís­si­ma re­gra de Gra­ci­li­a­no Ra­mos: ao es­cre­ver, fa­ça co­mo as la­va­dei­ras que tor­cem a rou­pa mo­lha­da até que ela fi­que bem en­xu­ta. Pa­ra Phi­lip Roth, não é pre­ci­so in­ven­tar gran­des pe­ri­pé­ci­as li­te­rá­ri­as. Ele sim­ples­men­te co­me­ça a nar­rar e vai em fren­te. Não re­bus­ca. Não fo­ge de sua es­tra­da. Ape­nas vai em fren­te, nos gui­an­do pa­ra um des­ti­no que que­re­mos des­co­brir de­ses­pe­ra­da­men­te. É as­sim que me sin­to ao ler “Nê­me­sis”, “A Hu­mi­lha­ção”, “In­dig­na­ção”, “O ani­mal ago­ni­zan­te” e por aí afo­ra.

Sin­ce­ra­men­te não sei quem po­de­ria ima­gi­nar fa­zer um ro­man­ce a par­tir de um sur­to de po­li­o­mi­e­li­te. A ideia, de ca­ra, pa­re­ce ser ruim. A pó­lio ho­je é tra­ta­da qua­se ape­nas em tom in­fan­til, com o bom hu­mor da­que­les bo­ne­cões que brin­cam com as cri­an­ças. Mas nos idos dos anos 1940, quan­do ain­da não se ti­nha re­mé­dio pa­ra com­ba­tê-la (a va­ci­na só foi des­co­ber­ta na dé­ca­da de 1950), sua pre­sen­ça cau­sa­va gran­des es­tra­gos. “Nê­me­sis” re­cria cla­ra­men­te es­se ce­ná­rio, um in­fer­no que du­ran­te os sur­tos che­ga­va a pre­o­cu­par mais do que a pró­pria guer­ra.

En­tão, Phi­lip Roth cria o Sr. Can­tor, um pro­ta­go­nis­ta jo­vem, vi­go­ro­so, atle­ta, que dá au­la de edu­ca­ção fí­si­ca pa­ra ga­ro­tos de on­ze, do­ze, tre­ze anos de ida­de. Em­bo­ra a do­en­ça atin­gis­se tam­bém adul­tos, sua mai­or in­ci­dên­cia era en­tre o pú­bli­co in­fan­til. E ela che­ga pa­ra co­me­çar a de­vas­tar a ci­da­de e a ma­tar seus alu­nos. To­dos ti­ve­mos ami­gos nes­sa ida­de, to­dos ti­ve­mos pro­fes­so­res dos quais gos­ta­mos, mo­men­tos bons e ruins dos quais nos lem­bra­mos. Não é pos­sí­vel fi­car imu­ne à emo­ção que tres­pas­sa o li­vro, às cri­ses re­fle­xi­vas do pro­ta­go­nis­ta, ao amor que ele nu­tre por uma jo­vem pro­fes­so­ra que es­tá dis­tan­te e que te­me por ele. À cir­cuns­tân­cia que in­sis­te em le­vá-los pa­ra a tra­gé­dia.

Pa­ra sa­ber mais so­bre o li­vro, no si­te da edi­to­ra, cli­que aqui

Ca­pa do li­vro pu­bli­ca­do pe­la Com­pa­nhia das Le­tras

Compartilhe