Impressões

O livro dos seres imaginários de Edison Veiga

sexta-feira, 23 de setembro de 2011 Texto de

Li “Min­gu­tas: cor­ren­do da car­ran­ca do ca­rim­bo, ca­ram­ba!” (Edi­to­ra Pa­tuá, 144 pá­gi­nas) há al­guns di­as e, con­fes­so, me sen­ti em­ba­ra­ça­do pa­ra ou­sar es­cre­ver al­gu­ma coi­sa lo­go em se­gui­da. Is­so con­tu­do não re­pre­sen­ta uma gran­de no­vi­da­de. Por­que, co­mo já dis­se aqui mes­mo, não sei fa­zer re­se­nha ou crí­ti­ca li­te­rá­ria. Sei ape­nas di­zer se gos­tei ou não, in­cluin­do al­gu­mas ob­ser­va­ções ale­a­tó­ri­as. No ca­so do li­vro de Edi­son Vei­ga (Pa­ra sa­ber mais so­bre au­tor e li­vro, cli­que aqui), es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca se apro­fun­dou ain­da mais em meus sen­ti­dos. Por­que “Min­gu­tas...”, acre­di­to, tem tam­bém es­se pro­pó­si­to, ou se­ja, nos des­con­cer­tar.

A cer­ta al­tu­ra nos de­pa­ra­mos com es­te pe­río­do: “Pa­la­vras têm gos­to e chei­ro, não te­nho cul­pa se vo­cê nun­ca ex­pe­ri­men­tou. Têm som, cor, for­ma tam­bém”. Tal­vez es­te­ja aqui en­cer­ra­do o gran­de mé­ri­to do li­vro, ou o prin­ci­pal mé­ri­to do li­vro: a (no­va) vi­da que ele dá às le­tras, às pa­la­vras, à lín­gua, brin­can­do so­bre seus con­tor­nos, pe­ne­tran­do seus bu­ra­qui­nhos, cor­ren­do en­tre seus es­pa­ços, en­gros­san­do ou afi­nan­do seus de­se­nhos.

Ca­so con­tas­se com al­gu­ma au­to­ri­da­de li­te­rá­ria, eu di­ria que es­tá cri­a­do – ou for­ta­le­ci­do, ca­so pen­se­mos que ho­je em dia an­da mui­to ar­ris­ca­do di­zer que ain­da se po­de cri­ar nes­te mun­do cri­a­do cri­a­ti­vo – um no­vo gê­ne­ro: o des­ro­man­ce. Des­ro­man­ce no sen­ti­do de in­ver­ter a ló­gi­ca do sen­ti­do. Es­ses min­gu­tas, os se­res ima­gi­ná­ri­os de Edi­son Vei­ga, são en­lou­que­ce­do­res ao nos ti­rar dos tri­lhos de qual­quer ló­gi­ca. Eles po­dem es­tar sen­ta­dos ao nos­so la­do no so­fá ven­do TV, po­dem vi­ver es­con­di­dos em nos­sa ca­be­ça dis­far­ça­dos de neurô­ni­os, po­dem ser a di­vin­da­de cós­mi­ca que so­prou no ou­vi­do da hu­ma­ni­da­de a gê­ne­se da pa­la­vra. Es­ses min­gu­tas são fo­da.

São fo­da por­que nos per­tur­bam, nos fa­zem dei­xar aque­la ve­lha zo­na de con­for­to a qual so­mos tão pro­pen­sos em nos­sas vi­das, nos­sas vi­das que sem­pre en­con­tram mil mo­ti­vos pa­ra se abas­te­cer em pos­tos de mes­mi­ce in­te­lec­tu­al e pre­gui­ça fi­lo­só­fi­ca.

Os no­ve min­gu­tas cor de abó­bo­ra são, aci­ma de tu­do, aci­ma da de­lí­cia li­te­rá­ria que com­pu­se­ram na ca­be­ça in­ven­ti­va de Edi­son Vei­ga, aci­ma da vi­va­ci­da­de e da iro­nia so­bre a qual tran­si­tam si­gi­lo­sa­men­te em­bai­xo de nos­sos na­ri­zes, eles são en­ti­da­des he­roi­cas. Exa­ta­men­te por­que nos so­cor­rem e ten­tam nos ti­rar do sé­rio, apre­sen­tan­do aos nos­sos olhos um in­crí­vel e sa­bo­ro­so ca­lei­dos­có­pio (ter­mo usa­do na ex­ce­len­te apre­sen­ta­ção do li­vro pe­lo pro­fes­sor de li­te­ra­tu­ra Fre­de­ri­co Bar­bo­sa) que nos re­ju­ve­nes­ce. Ima­gi­nar o no­vo, pen­sar ho­je co­mo não pen­sá­va­mos on­tem é re­ju­ve­nes­cer.

Pen­so ago­ra: es­sas cri­a­tu­ras do Edi­son es­tão an­dan­do, vo­an­do, na­dan­do, zan­zan­do por to­dos os lu­ga­res. Es­tão na igre­ja sen­ta­das na bor­da do cá­li­ce do pa­dre to­man­do vi­nho en­quan­to a hós­tia é dis­tri­buí­da; es­tão no mo­tel bo­tan­do bra­sa no fo­go dos aman­tes; no céu pin­tan­do de azul as nu­vens pa­ra que se con­fun­dam com o céu; nos li­vros jun­tan­do le­tras que não se dão; so­pran­do ve­li­nhas de ani­ver­sá­rio an­tes do ani­ver­sa­ri­an­te; fa­zen­do o lei­te su­bir na ho­ra em que ti­ra­mos o olho; ba­ten­do na bun­da do be­bê quan­do ele nas­ce; ah, e tam­bém to­man­do sol em A Fa­zen­da e tor­cen­do pa­ra que ve­nha lo­go o no­vo Big Brother pa­ra po­de­rem pas­se­ar nas has­tes dos ócu­los do Bi­al; e, cla­ro, mi­jan­do no azei­te da sua sa­la­da; e por fim te­clan­do es­te tex­to que eu ja­mais es­cre­ve­rei.

E fo­ra is­so, te­nh (É, aca­ba as­sim mes­mo por­que eu que­ro e pron­to. As­si­na­do: Min­gu­ta nú­me­ro 7)

Compartilhe