Impressões

Júlio Garcia, o livro e a sombra

quinta-feira, 20 de outubro de 2011 Texto de

O jor­na­lis­ta e es­cri­tor Jú­lio Ce­zar Gar­cia (fo­to re­pro­du­zi­da de seu li­vro)

No iní­cio dos anos 1970, o jor­na­lis­ta Jú­lio Ce­zar Gar­cia atu­a­va em São Pau­lo. Era o pe­río­do mais pe­sa­do da di­ta­du­ra mi­li­tar que co­me­ça­ra com o gol­pe de 1964 e só ter­mi­na­ria em 1985. Diz ele: “Nu­ma noi­te, eu es­ta­va in­do pra ca­sa nu­ma rua de­ser­ta quan­do vi um vul­to ao meu la­do; dei um pu­lo ten­tan­do me pro­te­ger, já pen­san­do nos mi­li­cos...” O epi­só­dio, con­tu­do, dei­xou-o en­tre o cons­tran­gi­men­to e o ri­dí­cu­lo. Ha­via se as­sus­ta­do com a pró­pria som­bra! Nun­ca me es­que­ço des­sa pas­sa­gem em­ble­má­ti­ca da vi­da do Jú­lio e da vi­da do pró­prio país. Ele a con­tou du­ran­te even­to de jor­na­lis­mo nu­ma fa­cul­da­de em que eu da­va au­las em 2003 ou 2004, o ano não me lem­bro ao cer­to.

Em 2008, ele lan­çou “O dia em que Je­sus pi­lo­tou um avião” (THS Edi­to­ra, 134 pá­gi­nas), be­lo li­vro de crô­ni­cas e me­mó­ri­as que re­fle­te o pro­fis­si­o­nal cor­re­to, éti­co e crí­ti­co, e o ho­mem do­ce, ho­nes­to e fran­co, ca­rac­te­rís­ti­cas la­ten­tes no au­tor. Faz al­gum tem­po, es­tou pa­ra es­cre­ver al­gu­mas pa­la­vras pa­ra fa­lar do Jú­lio e do li­vro, que ado­rei. En­tre ou­tras joi­as, con­ta­das nos tex­tos in­ve­já­veis do Jú­lio, há “So­bre pré­di­os e mo­nu­men­tos” (pag. 35). Ele des­cre­ve um epi­só­dio emo­ci­o­nan­te em que, ao seu la­do, a avó ten­ta con­ven­cer a di­re­to­ra de uma es­co­la de As­sis a lhe ar­ru­mar uma va­ga no meio do ano. Ti­nham mu­da­do pa­ra lá em ju­lho e nes­sa épo­ca a es­co­la já es­ta­va com seus ban­cos chei­os.

Não ha­via co­mo acres­cen­tar mais um alu­no, ex­pli­cou a di­re­to­ra. A avó, en­tão, quei­xou-se: “É tris­te um ho­mem tra­ba­lhar no Es­ta­do e não ter, do Es­ta­do, um lu­gar pa­ra o fi­lho es­tu­dar”. Do­na Ma­ria Emery Pi­res So­a­res, en­tão, sen­si­bi­li­zou-se. Uma so­lu­ção foi en­con­tra­da pa­ra que Jú­lio pu­des­se es­tu­dar. Ele en­cer­ra o tex­to as­sim: “Ho­je, quan­do ta­teio na ne­bli­na da me­mó­ria mi­nhas lem­bran­ças de As­sis, os ho­téis Vi­ei­ra Di­as e San­ta Ro­sa (*** O tex­to já ha­via avi­sa­do ao lei­tor que na dé­ca­da de 1960 es­ses ho­téis eram pré­di­os im­po­nen­tes) fi­cam pe­que­nos per­to de um mo­nu­men­to que só eu en­xer­go. Cha­ma-se Ma­ria Emery”.

Na épo­ca, eu dis­se a ele que me emo­ci­o­nei com es­se des­fe­cho. Pa­ra es­cre­ver al­go as­sim, tão sim­ples e gran­di­o­so co­mo uma obra fei­ta de ti­jo­los, é pre­ci­so ser ao mes­mo tem­po pro­fun­do e sen­sí­vel. Es­sas são ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas do au­tor, tal­vez as prin­ci­pais. As que fa­zem com que o Jú­lio tra­te os ami­gos co­mo flo­res e as mu­lhe­res, co­mo pé­ta­las (aqui, por fa­vor, sem ne­nhum du­plo sen­ti­do: é que ele de­ve es­tar no quin­to ca­sa­men­to). Mas o ca­so é que o li­vro in­tei­ro é emo­ci­o­nan­te, lí­ri­co, irô­ni­co, cu­ri­o­so, en­gra­ça­do e dra­má­ti­co. Sim, o Jú­lio con­se­gue reu­nir tu­do is­so de­bai­xo de su­as pa­la­vras.

Na de­di­ca­tó­ria do exem­plar que te­nho co­mi­go (e que cos­tu­mo re­ler de vez em quan­do com mui­to pra­zer), ele me tra­ta co­mo “gran­de ami­go”. A re­cí­pro­ca é in­tei­ra­men­te ver­da­dei­ra. E o cu­ri­o­so é que se so­mar­mos o tem­po em que es­ti­ve­mos jun­tos, no tra­ba­lho ou na va­di­a­gem, se­rão ape­nas al­gu­mas ho­ras. Is­so, no en­tan­to, é pou­co re­pre­sen­ta­ti­vo. O re­ló­gio da ami­za­de dá vol­tas inex­pli­cá­veis. Não é pos­sí­vel com­pre­en­dê-lo. Te­mos, eu e o Jú­lio, um gran­de ami­go: o tam­bém jor­na­lis­ta (atua prin­ci­pal­men­te na área fo­to­grá­fi­ca) Otá­vio Val­le, o Ta­tau. Cer­ta vez, ele che­ga e me diz: “Mar­cião, vo­cê pre­ci­sa co­nhe­cer o Jú­lio Gar­cia, te­nho cer­te­za de que vo­cês vão se cur­tir”. Nes­sa épo­ca, o Jú­lio tra­ba­lha­va em Rio Pre­to. Eu, em Bau­ru. Apro­xi­ma­da­men­te um ano de­pois, eu ou­vi a his­tó­ria da som­bra. Fi­nal­men­te, tí­nha­mos nos co­nhe­ci­do. E foi pre­ci­so mui­to pou­co pa­ra que eu pas­sas­se a ad­mi­rá-lo sin­ce­ra­men­te. Ho­je, pe­lo que sei, o Jú­lio es­tá em Bra­sí­lia. Faz tem­po que não o ve­jo. A dis­tân­cia do Jú­lio, é tris­te di­zer, nos em­po­bre­ce.

Ca­pa do li­vro que traz crô­ni­cas e me­mó­ri­as do jor­na­lis­ta

Compartilhe