Contos

O caso da árvore sombria

quinta-feira, 30 de junho de 2011 Texto de

Des­de que, à ca­ça da cri­a­tu­ra, Bar­to­lo­meu Vi­go­ta pu­xou o ga­ti­lho e fez o san­gue cor­rer, fa­la-se do es­tra­nho ca­so da Fa­zen­da das Vin­te Lé­guas. Con­tra­ta­do pa­ra to­mar con­ta do lu­gar, ele mu­da­ra-se pa­ra lá ha­via pou­co tem­po quan­do co­me­çou a sen­tir-se in­co­mo­da­do. Não sa­bia o mo­ti­vo, mas al­go so­a­va-lhe si­nis­tro na som­bra es­cu­ra da­que­la ár­vo­re tão pró­xi­ma da ca­sa on­de mo­ra­va.

À noi­te, cos­tu­ma­va abrir uma pe­que­na fres­ta da ja­ne­la do quar­to pa­ra fi­car lon­gos mi­nu­tos ob­ser­van­do o que nem mes­mo ele con­se­guia de­fi­nir. Na ca­ma, a mu­lher quei­xa­va-se do com­por­ta­men­to de Bar­to­lo­meu. Aqui­lo já co­me­ça­va a pa­re­cer coi­sa de lou­co. Mes­mo com o ma­ri­do em tal es­ta­do, ela não ex­pe­ri­men­ta­va qual­quer per­tur­ba­ção. Le­van­ta­va-se, en­fi­a­va-se na fren­te de­le, es­can­ca­ra­va a ja­ne­la e na­da. Era ape­nas uma ár­vo­re on­de a cla­ri­da­de do lu­ar não pe­ne­tra­va.

Dei­ta­vam-se, ela abra­ça­va-se a ele e a ma­dru­ga­da cor­ria sem que um pu­des­se com­pre­en­der as re­a­ções do ou­tro. Nas noi­tes se­guin­tes, tu­do se re­pe­tia. Até que nu­ma tar­de, pas­san­do por aca­so sob a ár­vo­re, Bar­to­lo­meu pen­sou ver no so­lo es­tra­nhos con­tor­nos. De pe­ga­das, ima­gi­nou. Cha­mou a mu­lher e es­ta mais uma vez pou­co se im­por­tou com to­das as hi­pó­te­ses le­van­ta­das por ele: que ha­via uma cri­a­tu­ra ha­bi­tan­do o lu­gar, que seu es­con­de­ri­jo era bem ali em­bai­xo da ár­vo­re, que is­so e aqui­lo. A mu­lher, en­tre­tan­to, abra­ça­va-o e, sem ver mar­ca al­gu­ma no chão, des­vi­a­va-o de sua ob­ses­são.

Nu­ma noi­te, con­ven­ceu a mu­lher com seu pla­no. Su­bi­ria na ár­vo­re e, ar­ma­do, es­pe­ra­ria que al­go apa­re­ces­se bem em­bai­xo de seus olhos. Pre­ci­sa­va aca­bar com aque­la cri­a­tu­ra ou a cri­a­tu­ra aca­ba­ria com ele. Pa­ra a mu­lher, se­ria o fim do pe­sa­de­lo. Com­bi­na­dos os de­ta­lhes, Bar­to­lo­meu di­ri­giu-se ao seu pos­to. Ele com sua car­tu­chei­ra.

Sen­tou-se num dos ga­lhos, en­cos­tou-se na jun­ção com o tron­co. O tem­po pas­sa­va e a ten­são cres­cia. Ali, en­vol­vi­do pe­la ve­ge­ta­ção fe­cha­da, fa­zen­do par­te da­que­la es­cu­ri­dão, con­se­guiu, co­mo é na­tu­ral em si­tu­a­ções se­me­lhan­tes, ver me­lhor. Seus olhos acos­tu­ma­ram-se à fal­ta de luz. O chão em­bai­xo da ár­vo­re era-lhe per­fei­ta­men­te vi­sí­vel ago­ra. Sem fa­zer ruí­dos dei­tou-se so­bre o ga­lho, in­ten­si­fi­can­do sua vi­gí­lia em to­do o am­bi­en­te lo­go abai­xo.

Foi num mo­men­to em que os ner­vo­so re­la­xa­ram um pou­co. Com a vi­são en­fi­a­da no so­lo, en­quan­to es­ta­va dei­ta­do com a car­tu­chei­ra bem po­si­ci­o­na­da ao seu la­do di­rei­to, o ca­no pas­san­do ren­te à pró­pria fa­ce, Bar­to­lo­meu sen­tiu uma on­da de ter­ror per­cor­rer-lhe o cor­po to­do. Vin­do de al­gum lu­gar aci­ma de on­de es­ta­va, um so­pro ar­re­pi­ou-lhe os pe­li­nhos da nu­ca. To­ma­do pe­lo pâ­ni­co, no jul­ga­men­to abrup­to que po­dia fa­zer de si mes­mo, ima­gi­nou-se lu­di­bri­a­do pe­la coi­sa. A coi­sa es­ta­va aci­ma de­le e não abai­xo. Es­ta­va ba­fe­jan­do às su­as cos­tas.

A men­te de Bar­to­lo­meu nu­blou-se, a som­bra pa­re­cia es­cu­re­cer-se ain­da mais, já não via na­da quan­do sen­tiu uma se­gun­da ba­fo­ra­da. O de­do no ga­ti­lho tre­mia quan­do a noi­te si­len­ci­o­sa foi cor­ta­da pe­lo ru­mor do dis­pa­ro, um só dis­pa­ro.

De ma­nhã, en­quan­to a po­lí­cia re­co­lhia o cor­po de Bar­to­lo­meu que per­ma­ne­ce­ra pre­so às ga­lha­das on­de po­di­am-se ver os resquí­ci­os dos es­tra­gos fei­tos em sua ca­be­ça, a mu­lher, sem ter for­ças pa­ra dei­xar o quar­to, abria uma pe­que­na fres­ta da ja­ne­la e exa­mi­na­va com olhos per­di­da­men­te fi­xos aque­la som­bra mais es­cu­ra do que to­das as ou­tras.

(Meu ami­go An­sel­mo Mo­zer con­tou-me um es­tra­nho epi­só­dio ocor­ri­do com ele quan­do cri­an­ça. Pa­ra as­sus­tar os co­le­gas na vol­ta da es­co­la, ele adi­an­tou-se e su­biu nu­ma ár­vo­re que se de­bru­ça­va so­bre a es­tra­da. Sua in­ten­ção era es­pe­rá-los e no mo­men­to em que pas­sas­sem, sur­pre­en­dê-los com um sal­to, um gri­to, coi­sas as­sim. Mas se­gun­dos an­tes, ele sen­tiu um ar quen­te as­so­pra­do em sua nu­ca. Ele sal­tou da ár­vo­re, saiu em dis­pa­ra­da e nun­ca mais pen­sou em as­sus­tar os com­pa­nhei­ros. O con­to aci­ma é de­di­ca­do ao An­sel­mo. É is­so aí.)

Compartilhe