Estranho sonho com amigo morto | Márcio ABC

Crônicas

Estranho sonho com amigo morto

quarta-feira, 29 de junho de 2011 Texto de


So­nhei na noi­te pas­sa­da com um ami­go que mor­reu há um bom tem­po. Era des­ses ami­gos bem re­la­xa­dos mes­mo. Mais ve­lho, be­bia pra ca­ram­ba e era o mai­or men­ti­ro­so que já co­nhe­ci. Mas o mais en­gra­ça­do é que, ao con­trá­rio de mui­ta gen­te que nos con­ta men­ti­ras e ao mes­mo tem­po nos ir­ri­ta, ele ti­nha o dom de con­tá-las de um mo­do que, de­pois, não tí­nha­mos ou­tra saí­da que não fos­se rir.

Nós che­gá­va­mos a in­cen­ti­vá-lo. Por­que is­so fa­zia bem a ele. Eram lo­ro­tas sem mal­da­de. Não apre­sen­ta­vam as clás­si­cas co­no­ta­ções do ego­cen­tris­mo ou do nar­ci­sis­mo ou do mo­der­no mar­ke­ting pes­so­al. Di­zia, por exem­plo, ter tra­ba­lha­do no Gru­po Fo­lha. Fa­la­va de Cló­vis Ros­si ou de Cláu­dio Abra­mo co­mo se fos­sem ve­lhos ami­gos de­le. Nós sa­bía­mos que as in­for­ma­ções não ba­ti­am. Mas dei­xá­va­mos a coi­sa ro­lar.

Era um eter­no du­ro. Sem­pre pre­ci­sá­va­mos pa­gar a con­ta de­le. Pro­me­tia que ama­nhã nos da­ria o di­nhei­ro, mas nun­ca deu. E nós sa­bía­mos que nun­ca da­ria. Era um di­nhei­ro que gas­tá­va­mos com sa­tis­fa­ção por­que até is­so era en­gra­ça­do, mes­mo quan­do, mi­nu­tos an­tes, ele ha­via des­pe­ja­do um mon­te de his­tó­ri­as cu­jos fins sem­pre lhe eram fa­vo­rá­veis fi­nan­cei­ra­men­te. Cu­ri­o­sa­men­te, so­nhei que ele es­ta­va nu­ma fi­la do INSS. Eu o vi e pen­sei: mas co­mo po­de ser is­so se ele mor­reu? Con­ver­sa­mos e ele, co­mo sem­pre, dis­se que es­ta­va sem di­nhei­ro.

Um ami­go que tam­bém era ami­go de­le, a quem con­tei o so­nho, con­fes­sou-me acre­di­tar num pla­no es­pi­ri­tu­al a par­tir do qual po­de ocor­rer al­gum ti­po de con­ta­to, se­ja em so­nhos ou de al­gum ou­tro mo­do. Não sei. Acho que tam­bém te­nho pro­pen­são a acre­di­tar em al­go as­sim. Mas no ca­so do meu so­nho, acho que foi só sau­da­de.

Palavras-chave

Compartilhe