Impressões

Um livro para respirar pouco

sexta-feira, 22 de Abril de 2011 Texto de

Ri­car­do Da­rin (Be­ja­mín) e So­le­dad Vil­la­mil (Ire­ne)

Eu já ha­via vis­to o fil­me e acho que is­so aju­dou, mas o fa­to é que o li­vro “O se­gre­do dos seus olhos”, no qual foi ba­se­a­da a obra homô­ni­ma ven­ce­do­ra do Os­car de me­lhor fil­me es­tran­gei­ro em 2010, é de uma pe­ga­da in­crí­vel. Da meia-noi­te de on­tem às qua­tro da ma­nhã de ho­je, eu de­vo­rei as 160 pá­gi­nas que fal­ta­vam pa­ra con­cluir mi­nha lei­tu­ra (são 210 pá­gi­nas).

O ar­gen­ti­no Edu­ar­do Sa­che­ri mos­tra um vi­gor fo­ra de sé­rie pa­ra le­var à fren­te uma his­tó­ria ma­gis­tral, on­de o dra­ma pe­sa­do e a co­mé­dia le­ve se en­tre­la­çam num ce­ná­rio as­som­bra­do pe­la Ar­gen­ti­na tur­bu­len­ta da dé­ca­da de 1970.

O pro­ta­go­nis­ta Ben­ja­mín Cha­par­ro, que se apo­sen­tou de­pois de trin­ta anos tra­ba­lhan­do em jui­za­dos, prin­ci­pal­men­te em Bu­e­nos Ai­res, re­sol­ve es­cre­ver um ro­man­ce a par­tir de um dos ca­sos mais es­ca­bro­sos que ele acom­pa­nhou na sua pro­fis­são: o bru­tal as­sas­si­na­to de uma jo­vem mu­lher re­cen­te­men­te ca­sa­da.

A ideia de Sa­che­ri, que es­cre­veu o li­vro com dois nar­ra­do­res – ele pró­prio acom­pa­nhan­do o dia a dia de Cha­par­ro e Cha­par­ro cons­truin­do seu ro­man­ce – deu cer­to. A his­tó­ria de Cha­par­ro par­te de uma vi­o­lên­cia in­con­ce­bí­vel e a de Sa­che­ri, de um sen­ti­men­to ex­tra­or­di­ná­rio (o amor platô­ni­co en­tre Cha­par­ro e a juí­za Ire­ne, sua ex-es­ta­giá­ria).

É da­que­les li­vros que vo­cê pen­sa “só mais um ca­pí­tu­lo por ho­je” e es­sa fra­se se re­pe­te em sua men­te du­ran­te ho­ras se­gui­das.

Um de­ta­lhe: ain­da gos­to mais do fil­me, cu­ja adap­ta­ção apre­sen­ta al­gu­mas mu­dan­ças im­por­tan­tes em re­la­ção ao li­vro. No ci­ne­ma, o fim da his­tó­ria me pa­re­ce mais im­pres­si­o­nan­te. Mas is­so é por en­quan­to. Por­que vou pe­gar o DVD no­va­men­te na lo­ca­do­ra pa­ra ten­tar des­co­brir um pou­co mais so­bre es­se se­gre­do per­tur­ba­dor.

Compartilhe