Impressões

O escritor fantasma

domingo, 12 de dezembro de 2010 Texto de

http://www.youtube.com/watch?v=p5UgrC6Dvh0

Eu não ti­nha vis­to ain­da o no­vo fil­me de Ro­man Po­lans­ki (Chi­na­town, O be­bê de Ro­se­mary, O pi­a­nis­ta). As­sis­ti em DVD. E de cer­to mo­do fi­quei en­tre a sa­tis­fa­ção e uma pon­ta de de­cep­ção. Sa­tis­fa­ção por­que não há co­mo ne­gar que se tra­ta de um bom fil­me po­lí­ti­co.

Ewan Mc­Gre­gor é o ghost wri­ter de Pi­er­ce Bros­nan, que in­ter­pre­ta um ex-pri­mei­ro mi­nis­tro bri­tâ­ni­co acu­sa­do de cri­me de guer­ra por su­pos­ta par­ti­ci­pa­ção em tor­tu­ra de sus­pei­tos de ter­ro­ris­mo. A alu­são ao ex-pre­miê Tony Blair, ti­do por mui­tos co­mo um ver­da­dei­ro ca­pa­cho dos EUA, é cla­ra.

Mc­Gre­gor e Bros­nan es­tão óti­mos. A at­mos­fe­ra de sus­pen­se, cons­truí­da so­bre só­li­das ba­ses po­lí­ti­cas, in­cluin­do tra­moi­as e se­xo, é su­fi­ci­en­te pa­ra en­vol­ver os ci­né­fi­los que pro­cu­ram bons fil­mes.

Mas a, di­ga­mos, pe­que­na de­cep­ção de mi­nha par­te fi­ca por con­ta do des­fe­cho um tan­to pre­vi­sí­vel. Pre­vi­sí­vel por­que obras des­se ti­po, on­de a po­lí­ti­ca pro­ta­go­ni­za o en­re­do, na­da pa­re­ce ser o que é. Des­se mo­do, não é di­fí­cil sen­tir, lá pe­la me­ta­de do fil­me, quem re­al­men­te es­tá dan­do as car­tas pa­ra os vi­lões.

Is­so, en­tre­tan­to, é al­go sub­je­ti­vo. O fil­me va­le mui­to a pe­na. Prin­ci­pal­men­te nes­te va­le de lá­gri­mas em que se trans­for­ma­ram as pra­te­lei­ras das lo­ca­do­ras – abar­ro­ta­das de so­cos, pon­ta­pés e bom­bas que ex­plo­dem só mes­mo pa­ra en­cher a te­la.

Compartilhe