Consciência política | Márcio ABC

Impressões

Consciência política

quarta-feira, 22 de setembro de 2010 Texto de

Ima­gem de di­vul­ga­ção do fil­me “Três ho­mens em con­fli­to” (1966)

Ah, a cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca...
O que é es­sa tal cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca que pre­ci­sa­mos acor­dar em nos­sos cé­re­bros? So­ció­lo­gos e ci­en­tis­tas po­lí­ti­cos cai­ri­am de bo­ca nes­se as­sun­to su­cu­len­to. Pa­ra eles, cla­ro. O fa­to é que não sei mais se o que pre­ci­sa­mos é cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca ou ho­mens ín­te­gros.

Fi­co me per­gun­tan­do: de que adi­an­ta ter cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca num mun­do de­vas­ta­do pe­la fal­ta de éti­ca e de cre­di­bi­li­da­de? Sei que é um ci­clo: on­de não há cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca, a de­vas­ta­ção é mai­or, e es­sa de­vas­ta­ção ali­men­ta a fal­ta de cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca. Mas, no fim das con­tas, se ve­mos a cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca ex­tra­vi­a­da mes­mo en­tre os bem for­ma­dos e in­for­ma­dos, co­mo se­rá pos­sí­vel fre­ar a de­vas­ta­ção?

Prin­ci­pal­men­te ago­ra, em épo­ca elei­to­ral, os po­lí­ti­cos es­tão aí com as bo­cas ar­re­ga­nha­das. Tem de tu­do: da bai­xa­ria à di­ta se­ri­e­da­de. Há, num con­cei­to bas­tan­te sim­pló­rio, o ti­me de po­lí­ti­cos que nós, bem in­for­ma­dos, con­si­de­ra­mos acei­tá­veis e o ti­me que acha­mos im­pres­tá­vel.

Mas o que is­so sig­ni­fi­ca em ter­mos con­cre­tos? Qual a ga­ran­tia de que o su­jei­to me­nos pi­or (não, não vou fa­lar de “me­lhor” aqui por­que não acre­di­to nis­so em po­lí­ti­ca) não frus­tra­rá nos­sas pou­cas ex­pec­ta­ti­vas (sim, por­que em po­lí­ti­ca não há, faz tem­po, gran­des ex­pec­ta­ti­vas)?

Quem po­de ser con­si­de­ra­do bom ou mau nes­ta nos­sa vi­da po­lí­ti­ca? Quem po­de ser ca­paz ou in­ca­paz? Quem po­de ser me­lhor ou pi­or?

Os pró­pri­os po­lí­ti­cos cons­truí­ram es­se di­le­ma. E vão le­var ain­da mui­to tem­po pa­ra nos li­vra­rem de­le. Se é que al­gum dia nos li­vra­rão.

En­quan­to vo­cê pen­sa no as­sun­to, re­co­men­do um fil­ma­ço: “Três ho­mens em con­fli­to” (com Clint Eastwo­od e di­re­ção de Ser­gio Le­o­ne). Aqui, no enun­ci­a­do, é tu­do mui­to ex­plí­ci­to: há o bom, o mau e o feio. Mas às ve­zes...

Ve­ja a es­pe­ta­cu­lar ce­na do du­e­lo fi­nal do fil­me:

Compartilhe